Uma recapitulada com os principais acontecimentos.

Alguns problemas acabaram aparecendo e isso atrapalhou a continuidade das reviews aqui no Panela, mas com o tempo tudo vai se resolvendo e por isso trouxemos um pack para dar uma recapitulada e comentar um pouco sobre o que aconteceu nesses episódios a fim de suprir o vazio que estava antes.

EPISÓDIO 05

O foco do episódio foi o passado de alguns personagens, principalmente relacionando-se à sede de vingança de Robbie e os mistérios por trás do que resultou na situação atual de Lucy, sem deixar de salientar os esclarecimentos sobre o tão misterioso e falado livro, Darkhold. Finalmente foi mostrado mais sobre a vingança de Robbie e como seu irmão foi parar em uma cadeira de rodas. Tivemos uns flashbacks também que ajudaram a explicar um pouco sobre os objetivos de Lucy, como ela foi ficar daquele jeito e a sua relação com Eli.

Assim como o novo diretor veio ganhando espaço nesse episódio, principalmente agora que ele se revelou Inumano, a sua relação com Simmons pôde ganhar mais vida, e pudermos vislumbrar o poder e a marra que a personagem vem mostrando na trama. Uns dramas cansativos foram os trabalhados nesse episódio, em volta de Daisy e sua permanência na SHIELD, principalmente com essas vibes dela não conseguir se perdoar, pois acho tão saco isso. Mas o choque do episódio foi o Diretor conversando com a senadora Nadeer, eu fiquei bastante passado.

EPISÓDIO 06

O episódio 6 veio para nos apresentar o início da jornada de Robbie como Motoqueiro Fantasma, assim como trouxe verdades sobre o seu tio, Eli Morrow.

Foi EITA atrás de EITA. Pois, se já não bastasse a forma maravilhosa como apresentaram o plot, por meio de flashbacks, ainda vislumbramos a reviravolta de Eli ser, na verdade, o grande vilão nerd de toda essa bagaça. Não gostei muito do episódio num geral, pois estava mesmo interessado em saber a procedência daquelas pessoas infectadas, e pra mim todo o plot que envolve o espírito do motoqueiro já tava bastante saturado e, por mais que goste do Robbie, queria algo novo. Mas presenciar a mente de Eli a frente de tudo foi maravilhoso, pois nada se esclarecia com muita clareza e impacto acerca da influência da senadora, além de como a sua relação com o novo diretor que ficou de lado nesse episódio, também estávamos precisando de um vilão forte para dar um up na trama. E com o fim do episódio ficava a incerteza sobre o desfecho e quais consequências teriam para os nossos queridos agentes.

EPISÓDIO 07

Após um hiato, finalmente pudermos descobrir o que realmente havia acontecido com os agentes, e tenho que assumir: achei bem forçado. Não acompanho aos quadrinhos e ver toda aquela situação só pra criar um pouco de drama me pareceu bem forçando a barra. Não queria ninguém morrendo, mas se tivesse acontecido, me faria pensar que seria por conta do impacto. Sinceramente, quando os roteiristas resolvem trazer novidades para a temporada, eles bem poderiam avaliar bem a maneira com que aplicam cenas que julgam ser impacto, pra não ficar algo meloso e forçado.

Não me levem a mal, pois foi um bom episódio, mas achei bem paia a situação agregada a Coulson, Fitz e Robbie. Mas ainda assim, tiveram coisas que me agradaram. A sacada do espírito do motoqueiro indo para Mack foi bem legal, pois permitiu que o personagem alcançasse um nível novo de profundidade emocional, principalmente agora que até ele mesmo pôde conhecer esse lado dele, o ódio reprimido no fundo do coração.

Com todo o drama feito em volta de quem iria utilizar o Darkhold, Aida ganhou espaço e brilhou fortemente neste episódio e, com isso, minhas expectativas dos produtores aproveitarem-na para um plot principal na trama, foram às alturas. Fiquei em dúvida apenas sobre o que relacionou Simmons e estou curioso para saber mais, até porque está vinculado àquela senadora porre Nadeer.

Num geral, assim como no anterior, foi um episódio que seguiu um ritmo bom e nos deixou com uma boa expectativa para o próximo, ainda mais conscientes da capacidade de Eli Morrow de criar matéria, pois na minha mente isso já fazia dele imbatível. Tudo bem que criava com as próprias mãos, agora fazer isso aparecer dentro de uma pessoa foi chocante. Mas no fundo sentia que isso poderia dar merda, que ele poderia acabar ficando sobrecarregado e explodiria com o tempo. Mas, fazendo um apurado, Aida foi a rainha dona do episódio.

Aproveito o fim do recap/review para agradecê-los, pedir encarecidamente que continuem a nos acompanhar e nos desculparmos pelo atraso. Espero que tenham gostado e até a próxima!

Antonio Netto
Antonio Netto

Estudante de Engenharia Química. Pernambucano engraçado, dono de uma gargalhada única e de um sotaque marcante. Apaixonado por comida, séries, química e cálculos. Até gosta de estudar mas, sempre que pode, está pelo mundo curtindo e falando da vida alheia.
Deixe-nos um comentário!
%d blogueiros gostam disto: