Posts Populares

Game of Thrones – S07E04 – The Spoils of War

A guerra das rainhas começou efetivamente. E nem todos estavam preparados.

Quase sem mais personagens e núcleos para desenvolver, boa parte aniquilada do fim da season passada para aqui, e sem mais livros para dar pano de fundo ao desenvolvimento da história, GOT tem andando com o pé no acelerador essa temporada.

O que nas temporadas passadas era lotado de articulação para gerar guerra no penúltimo episódio, nessa diminui de intervalo para planejamento num dia, sangue no outro x repeat. E que continue assim. São muitas guerras pra vencer e pouco tempo restante. Tome Dracarys na sua cara. Estamos com sede da promessa de sangue fogo feita lá na primeira temporada e parece que agora os Sete atenderam nossa súplica (quer dizer, o Deus de Muitas Faces, os Sete parecem ser os únicos deuses inúteis nesse mundo místico). Um beijo para quem reclamava, “GOT é parada demais”.

A primeira metade não trouxe muitas novidades do visto até o momento, a boca aberta ficou para segunda parte. Por núcleos.

– Porto Real: Essa semana foi calma na corte. Não tivemos vinganças de dar inveja a Tarantino nem novos planos de Cersei para ganhar a guerra. Para não dizer que foi inútil, sua conversa com o representante do Banco de Ferro só serviu para nos mostrar como ela está dependente do ouro que está a caminho da Campina. E aumentar nossa angustia pelo futuro de Cersei depois daquele final.

Sem dinheiro, sem apoio. Simples. Ele que move o mundo. Sem Rochedo Casterly, a Campina e qualquer fonte, Cersei terá de arranjar outras maneiras para prolongar sua permanência no trono. Acho que o lema dos Lanister será quebrado e pela primeira vez teremos um leão veaco. Veremos como isso se desenrola.

– Winterfell: No norte tivemos Mindinho questionando Bran a origem da adaga que quase o matou lá no segundo episódio. Mindinho não precisa ser o Corvo de Três Olhos para saber boa parte do que acontece em Westeros, e seu real conhecimento sobre o dono da adaga é suspeito, visto que o próprio a usou para trair Ned na primeira temporada (certo que depois de Catelyn ter entregado a Mindinho, com intuito de descobrir a origem).

Meera, que acompanha Bran desde a terceiratemp, se despede para voltar a sua terra e estar junto de seu pai. Em troca recebe um tá certo, sem emoção ou agradecimento desejado. Parece ingrato por parte dele, depois do sangue e dedicação dos Jojen na causa, mas é o que se pode esperar agora que Bran não é mais aquele menininho gentil e afetuoso, e sim quase uma entidade, que vê todo o desenrolar da história, e sabe que cada um existe apenas como peça, pronta para desempenhar sua função no jogo e seguir. A dela foi cumprida. Se fosse para chorar pelos bons que morreram, a árvore Bran morreria desidratada. Ele não foi nada egoísta, pelo contrário. Se importa com todos, seja família, amigo ou inimigo, do mesmo jeito. Humanismo parou ai.

Ainda sobre Bran, ele parece não ter aprendido tudo que gostaria. E isso aponta para uma informação importante sobre como derrotar os White Walker que se perdeu com o passar das gerações desde a primeira vez que os vivos derrotaram os mortos. É isso que ele está atrás. Sabemos que na primeira Grande Noite, o guerreiro Azor forgou sua espada no coração da amada para destruir o rei dos Walker, e talvez Jon tenha de fazer o mesmo. Mas uma revelação mais importante deve estar a caminho.

Virou rotina os Stark se encontrarem de uns tempos para cá, e quem se juntou ao time agora foi Arya. Seu encontro com Sansa foi bem frio, as duas já não eram lá muito próximas antes de tudo acontecer. Mesmo assim, pobre Sansa. Continua a única ainda com sentimentos e humana nessa família, quando todos seus irmãos se transformaram em algo que não eram.

Com Bran, Arya foi mais calorosa, assim como deverá ser com Jon, e interessante aqui notar o quanto todos mudaram e evoluíram desde a última vez juntos, lá no piloto. Cada um aprendeu uma habilidade diferente na saga da sobrevivência, Bran clarividência, Arya assassina profissional (estou sendo restringista) e Sansa política, não sendo menos importante que as outras habilidades. Mesmo todos querendo ser a Arya, saber governar é essencial.

As duas mais eximias guerreiras que Westeros tem notícia se enfrentaram. Bryane e Ninguém. De brincadeirinha só. Preenche tempo. Alerta para Mindinho. Olha só o que está te esperando. Tudo indica que ele irá parar na lista de Arya. Se não por Bran, pela troca de olhares e desconfiança dos dois.  Ned será vingado em breve.

– Pedra do Dragão: Jon mostrou a Danny o recôndito de vidro de dragão. Plus umas pinturas rupestres dos primeiros homens, que deram a Danny a sensação de estar ligada a uma tribo, história, e mais importante, a convenceram de participar da Guerra contra os caminhantes.  Bem conveniente essas pinturas estarem aí, mas essa é a importância da história. Nos lembrar de não repetir os erros do passado.

A notícia da vitória em Rochedo Casterly chega agridoce. Com ela o isolamento de seu poderoso exército de Imaculados. Sem Greyjoy, Dorne, Tyrell, navios e Imaculados, Danny se vê perdendo o que devia ser uma vitória fácil, o que a impulsiona a tomar uma abordagem diferente. Chega de esperteza.

Por ultimo, em Pedra do Dragão tivemos a encontro de Theon e Jon. Toda cena do irmão do Lilly Allen é sofrível. Dá pena dele. Ow homem para viver de climão e humilhação. Nunca vai ter paz. Nasceu para o fracasso.

Enfim, ele pergunta, cadê a rainha? não está, em viagem, respondem. Nada de dragões a vista. Corta para a cara de Jaime.

– Entre a Campina e Porto Real: Meu deus. PQP!!! NÃO ACREDITO QUE VAI SER AGORA. NÃO PODE SER. Mais gritos e ansiedades.

Foi. Os exércitos Dorathki chegam como selvagens desesperados para matar tudo que está em sua frente e minha rainha dona do mundo vem com fogo nos olhos. Dracarys!

Toda a cena de guerra foi bem orquestrada, como sempre o é em GOT. Olhei para a hora e não estava preparado para que todo o tempo restante fosse só de luta. Sim, porque tem de ter coração. É tanta coisa acontecendo que quase morro. Fico imóvel, anseio pelo destino dos personagens, torço, grito, me desespero enquanto não acaba. Não é fácil ser fã essas horas.

A batalha serviu como bom aperitivo do que está por vir. Não foi a definitiva, só aquecimento. Testar o nível de cada um. Que tá bem desigual sabíamos. Os dragões são a força a ser reconhecida. Foi uma visão do inferno ver todas aquelas pessoas queimando e gritando. Exércitos comuns são derrubados como vento.

Podemos ver o poder de ação dos arco mata dragão. Funciona. Derrubou um, e pode derrubar mais. Só que o método é bem limitado ainda. Demora demais para recarregar (que agonia passei com o Bronn), depende da visibilidade e boa mira, que são prejudicados em meio a fumaça e fogo, além de facilmente destrutível. Mesmo assim, vai servir. Só Cersei se ligar e mandar fazer logo produção em massa desse arco aí. Ou ver se arruma o trombeta perdida que mata dragões, trabalhada no livro. Melhor focar na primeira mesmo.

Também podemos ver o quanto Jaime está indefeso em batalha com apenas uma mão e o qual Danny se apoia nesses dragões. Sem eles, ela não é nada e pode ser facilmente morta em campo, como pode mostrar Jaime, que quase acabava com a guerra que mal tinha começado. Danny não é tão imponente e indestrutível como pensa e pensamos. Em sua primeira investida, quase morria.

Jaime acabou afogando, mas duvido que ele morra. Deve virar prisioneiro de Danny e quem sabe defensor da causa futuramente. Tyrion tá aí para facilitar essa troca. E ainda tem a profecia a se cumprir. De Cersei sendo morta pelas mãos do irmão. Pode ser Tyrion, mas não esqueçamos Jaime. Está caminhando para isso. Vide sua conversa com Olena semana passada. Sem falar, que seria um bom desfecho, ele matando outro rei louco, agora sua irmã amante.

Ah, e precisamos falar sobre essa linha espaço temporal. Desde sempre ela é meio confusa e não sabemos como funciona direito. Porém, nesse episódio, me incomodou bastante a rápida chegada de Danny ao ponto exato onde estava o exército. Uma cena ela tá em Pedra do Dragão, uma ilha, com os Dothraki e sem navios. Duas depois, tá atacando no meio do continente, a viagem de Jaime que já durava desde o episódio passado. Não é possível ela ter chegado e ele não a Porto Real. Inda mais ela acertar esse timing e levar sua tropa tão rápido.

Nessa linha, os White Walker já deviam ter passado da muralha. E vamos combinar, eles tão demorando demais baseado no tanto que os personagens já viajaram essa season. A HBO deve ta guardando eles para o finale, mas há quem diga que eles estão esperando o mar congelar, e assim poder passar do lado da Muralha, evitando seus poderes mágicos. Veremos.

Pode-se dizer que esse foi episódio teve o momento mais esperado do show neah? Ver Danny guerreando com seus dragões para tomar o que é seu de direito com ferro e fogo? É para isso que pago HBO! sqn. E vocês, o que acharam? Gostaram? Concordam, discordam? Ansiosos por mais atraques surpresa  nessa temporada?

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

  • Bruno D Rangel

    Um episódio tão maravilhoso merecia uma review um pouco mais caprichada. Está bem analisada, mas mal escrita.

    Só algumas correções: Dothraki, Brienne, Dany, Greyjoy, Bronn, Olenna.

  • Bruno D Rangel

    Um episódio tão maravilhoso merecia uma review um pouco mais caprichada. Está bem analisada, mas mal escrita.

    Só algumas correções: Dothraki, Brienne, Dany, Greyjoy, Bronn, Ollena.

Robson Abrantes

Engenheiro civil na semana, escritor wannabe nas horas vagas e sonhador integralmente. Nem de exatas nem de humanas, renascentista. Reinventando-se desde 92. Inconformista. Cinéfilo. Cosmopolitan. Shitalker. Teve seu 1º contato com o mundo das séries nas madrugadas do SBT, vício que não conseguiu largar desde então.


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu