White Marcians! SOS! 

S02E10 – We Can Be Heroes

Olá pessoal, eu esqueci a review no churrasco mas prometo que farei o mais rápido possível todas as próximas! Essas últimas semanas acabei tendo alguns problemas e me ausentei do site! Mas vamos falar do que interessa não é mesmo? O episódio 10 desta segunda temporada que tá destruidora trouxe a tona um discussão que já prometia, quem pode ser herói? Vimos nos últimos episódios uma aproximação de Mon El de Kara, e consequentemente ele viu nela a questão da heroína e de certa forma também quis ser um, apesar de sempre se colocar em primeiro lugar e ainda temos o Guardião que vem ajudando a resolver os crimes que permeiam National City.

Além dessa discussão toda, vimos J’onn Jonnz entrar em um dilema quando M’gann está em grande perigo, a marciana branca está próxima da morte cerebral e precisaria fazer uma conexão com o marciano verde para ter alguma chance de ser salva, mas ao menos de início ele foi bem irredutível, soando extremamente grosso.

Enfim no desenvolver da trama vimos o episódio ficar massante, Supergirl até aqui foi uma série sobre mulheres, não só sobre a Supergirl, mas foi sobre mulheres comandando empresas, comandando o país, comandando a polícia, a agência de investigação, vimos todas crescerem em seus personagens, se tornarem fortes e importantes para a trama e agora com a necessidade dos produtores darem um destino para James Olsen e com a existência de Mon El na trama vimos isso desandar um pouco. Se buscarmos os heróis e seus históricos quase sempre um fato trágico está envolvido na razão deles se tornarem heróis e de certa forma apesar do precedente existir (a tragédia do seu planeta para Mon El e o pai de James) os dois não levam isso na flor da pela ou como motivação para se tornarem heróis, principalmente James que me sooa extremamente forçado com aquele discurso de fazer a diferença.

Enfim, para trabalhar esse plot vimos o retorno de Livewire ou Curto Circuito se preferirem, ela foi uma das rivais da Supergirl na primeira temporada e em uma atitude mesquinha de Winn que colocou apenas James para batalhar com a vilã para provar a Supergirl seu ponto de vista, quase foi tudo abaixo. No final a ação do episódio foi mínima, mas tivemos duas conversas importantes como aquela primeira de James e Kara, onde ela fala que ele não poderia ser herói por não ter poderes, ali achei que ela estava errada apesar de ODIAR James com todas as forças. Mas fica claro o pensamento da Supergirl de proteger a tudo e a todos antes de tudo, ela vê em James um humano suscetível a morrer no campo de batalha.

O confronto com a Livewire mostrou na verdade que um cientista sádico estava pro trás de tudo, no final de tudo os heróis venceram sem grande ônus, o destaque ficou para a Livewire livre e mais compreensiva com a Supergirl, fiquei bem intrigado com isso, mas é um amadurecimento que a heroína teve que ter naquele momento. Supergirl seguiu sem concordar com as ações de Guardião/Winn e que não colaboraria com isso, por fim os dias de treinamento de Mon El parecem ter chegado ao fim, o jovem herói revelou a Supergirl seus sentimentos e neste momento foi a loucura, pensei que iria rolar algo, mas ficou apenas na intenção.

O resto do episódio também trabalhou J’onn e M’gann, por fim ele aceitou entrar na mente dela e viu uma jovem ameaçada pelos seus ao tentar fazer o certo, J’onn conseguiu perdoa-la e vimos que agora os Marcianos Brancos estão a caminho da Terra! Particularmente amei essas cenas mais comoventes, desde o pequeno fato de J’onn perdi para Kara e Alex ficarem próximas dele como a sua interação sincera com Mgann.

S02E11 – The Martian Chronicles

Continuando nossa review dupla vamos falar um pouco do episódio The Martian Chronicles que trouxe um Marciano Branco que veio a Terra buscar M’gann para sofrer uma punição pela traição que a mesma fez no passado. O episódio em si foi muito melhor que os dois outros apresentados após o retorno da série de seu hiatos, vimos o foco em uma única trama trabalhando os personagens em cima dessa única linha. Em um momento de felicidade não tivemos James Olsen neste episódio e só por isso já foi muito melhor que o anterior.

Logo no inicio vemos J’onn seguindo M’gann preocupado com a amiga e o possível ataque dos marcianos brancos para leva-lá a Marte, vimos que logo isso é explorado com a chegada de Armek, que não é um marciano qualquer, mas é o ex-companheiro de M’gann e aparentemente muito sádico e cruel. O desenrolar da trama acaba levando todos os personagens a DEO onde M’gann busca ajuda de todos, mas o que nós vimos foi uma virada de mesa, quando a verdadeira M’gann chega, Armek se disfarçou para enganar a todos.

Seguindo a linha de suspense, quando todos achamos que era o óbvio vimos que na verdade tinham dois marcianos na DEO e na verdade Alex tinha sido abatido anteriormente. Por fim, como sempre sem grandes danos os heróis vencem novamente, mas vale ressaltar duas coisas nesta batalha, a primeira  atuação de Winn como um vilão deixando de ser o nerd bobão e engraçado, vimos um outro lado do autor, e pra ser sincero AMEI FORTE! E o outro foi a conversa sincera entre Supergirl e até então a Alex, onde ela admite o medo de ser abandonada mais uma vez, Supergirl apesar da maturidade que sua personagem tem, ainda tem medos e receios como todos nós, enfim, a finalização desta cena posteriormente na casa de Kara onde ela admite novamente e Alex mostra a ela que não é assim como ela pensa deixa tudo mais claro.

Aliás Kara não está sofrendo apenas por o lado familiar, quando ela resolve dar uma chance a Mon El, ela percebe que a fila andou para sofrimento de todo fandom que já espera um beijo do casal mais fofo da CW, sofri nesse momento também.

Concluindo toda dinâmica do episódio vimos o encerramento temporário da participação de M’gann na série, ela resolve voltar a Marte em busca de um levante com outros Marcianos que sejam contra a atual política dos Marcianos e em uma conversa emocionante deixa J’onn para trás.

Encerrando a review gostaria que os produtores tivessem explorado mais M’gann na série, no final ficou com pequenos plots e chamou mais atenção nestes dois últimos episódios mais foi só isso, acabou que ela ficou na sombra de uma tentativa de reaproveitaram James Olsen como o Guardião e no desenvolvimento de Mon El, além dos outros plots envolvendo Lena Luthor no início da temporada e o crossover, uma pena. Para a sequencia da temporada gostaria de ver Supergirl avançando em sua trama com mais maturidade e com reais perdas para o time, aliás está grande não está? J’onn, Alex, Winn, James, Mon El, Maggie… enfim só acho que o Guardião poderia morrer em um episódio futuro, não faria falta.

Além disso gostaria de ver Cat Grant aparecendo em algum episódio, I Miss Her! #VoltaCat. Por hoje é isso gente, desculpem o super atraso mais uma vez e até semana que vem!

Amei demais essa blusa <3 !

P.S.1: Produtores deem uma chance de felicidade a Supergirl e Mon El, precisamos disso!

P.S.2: Apesar de não curtir muito, acho que a trama de Kara como repórter deveria ser mais trabalhada, acaba ficando em sexto plano (nem em segundo está, haha).

 

 

 

 

 

Winn, J’onn e M’gan

 

Lindomar Albuquerque
Lindomar Albuquerque

Canceriano com ascendente em Sagitário, ou seja UMA ÓTIMA PESSOA! Atualmente um louco que faz Doutorado e que já se formou em Química. Viciado em The Voice, séries e Indie Rock. Gosta de gastar o tempo que não tem para escrever sobre The Voice, The Flash, Bates Motel, Orphan Black, The Vampire Diaries e Westworld.
Deixe-nos um comentário!
%d blogueiros gostam disto: