Posts Populares

The Mist – S01E05 – The Waiting Room

Quando nada acontece, um monte de coisa começa a acontecer.

No episódio dessa semana, ou aquele que não vazou, umas dúvidas que a gente tinha começaram a ser respondidas, e o foco foi exatamente nessas respostas do que no avanço da história em si. De certa maneira, responder dúvidas é uma forma de fazer a história andar, mas pra fins de Kevin indo atrás da Eve e da Max nada de muito novo aconteceu.

Depois de levar o tiro, eles precisam levar Bryan até o hospital, caso ainda exista um na cidade. No fim das contas, existe e ele ainda tá funcionando, apesar do nevoeiro ter tomado conta de tudo. Rapidamente os médicos e enfermeiros tomam conta e já levam ele para ser tratado. Ficam então Kevin, Mia e Adrian, sem muito rumo. Devido a ligação que foi surgindo entre Bryan e Mia, é ela a pessoa mais afetada pelo ferimento dele e ela diz que Kevin vai ser o responsável caso aconteça alguma coisa com ele. Ela a culpa por não ter dado um tiro em Clay.

Como é comum em obras do Stephen King (sim, The Mist é uma adaptação de um conto dele), temos flashbacks. E eles mostram um passado relativamente distante, no qual eles ainda estão se mudando para a casa à beira do lago e Max ainda é uma criança pequena. Essas voltas ao passado servem para nos mostrar duas coisas: o motivo da conturbada relação de Kevin com seu irmão e das um início de explicação do porquê de toda cidade chamar Eve de vadia e outras palavras igualmente não elegantes.

Todo o episódio se passa dentro do hospital, sem mostrar o que aconteceu no shopping ou na igreja, então tudo gira ao redor dos 4. Mia é a que a tem a história menos desenvolvida nesse momento, mas ainda assim fala-se sobre ela. Ela é a mais abalada com tudo que Bryan sofreu, e a primeira a querer visitá-lo depois da liberação do médico. E ela é a que mais se desespera ao saber que tudo que sabe sobre ele é uma mentira.

Enquanto isso, Kevin resolve perguntar pelo hospital se alguém viu ou tem alguma informação sobre o resto de sua família. Ninguém viu Eve ou Alex e ele entra em um quarto e senta em uma maca, percebendo que talvez nunca mais as veja. Quando ele começa a chorar, uma voz diz algo e ele percebe que aquela pessoa na maca do lado é seu irmão. Seria muito bom esse reencontro, pena que o irmão tem uma barra de ferro perfurando o fígado. E os remédios do hospital tão acabando. E a parte onde são feitas as cirurgias e procedimentos mais complicados tá tomada pela névoa. E que ele o irmão haviam brigado há anos, por causa da Eve. Mas tirando isso, tá tudo bem de boas.

Daí, tem a questão do Adrian, que certamente é a mais controversa de todo o episódio. Naturalmente, têm várias pessoas dentro do hospital, afinal a névoa veio do nada. Dentre essas pessoas tem alguém que o Adrien conhece, alguém que o xingava e tratava mal apenas por ele ser gay (lembram daquela cena no primeiro episódio, quando ele e a Alex chegam na festa e o Adrian é empurrado por um cara? Pois então, é esse cara). Em um primeiro momento, eles apenas se cumprimentam, de longe, mas em seguida o cara entra no banheiro e Adrian vai atrás. Ele conta que foi levar a mãe no hospital e acabaram ficando presos lá dentro. Aí começa a parte estranha. Depois de um instante de silêncio, Adrian se aproxima dele e dá um selinho nele. A impressão inicial é que o cara sabia que aquilo ia acontecer mas que não fez nada para evitar. Porém, do nada, ele dá um soco em Adrian e começa a bater nele, com chutes e pontapés, chamando ele de viado e de todos os xingamentos possíveis, aparentando estar com genuína raiva do rapaz por tê-lo beijado. Depois de apanhar, Adrian levanta com dificuldade e vai na direção de seu agressor. Novamente, ele dá um beijo. QUE DESSA VEZ É CORRESPONDIDO (eu fui bem inocente em não ter percebido que a cena ia acabar desse jeito, tava tudo jogado na nossa cara). No fim das contas, eles até transam no banheiro.

Voltando pra Mia e a coisa de descobrir que o Bryan não era quem ela pensava. Depois da cirurgia, ele foi levado para algum quarto, pra repousar e essas coisas todas. Por não saber qual quarto era, ela pergunta para uma funcionária do hospital pra onde foi o Bryan. Quando ela chega lá, tem outra pessoa deitada na cama. Alguém realmente parecido com o Bryan que a gente conhece, mas que é uma pessoa diferente. Ele diz que se chama Bryan e que foi atacado por alguém nas montanhas e que foi parar no hospital, sem saber quem aquela pessoa era. Ele faz uma descrição de quem lhe atacou, e essa pessoa parece bastante com o nosso Bryan. Mia sai do quarto e para pra conversar com Adrien, e depois de algumas palavras, ela pega as chaves do carro e vai embora dali.

Agora Kevin. Já que o irmão dele iria morrer ali por causa de alguma infecção que os médicos não conseguiam mais combater sem remédios, ele toma a decisão de ir até a ala oeste, onde fica a ala cirúrgica. É uma decisão aparentemente idiota, porque a área tá tomada pela névoa e a gente, e ele, sabe o que a névoa é capaz de fazer. Mas como o irmão iria morrer de qualquer jeito, por que não né?

Pausa pro flashback. Depois de uma transa tórrida, aparentemente fora do comum para o casal, eles começam a falar sobre as coisas que o irmão de Kevin fala sobre ela, principalmente pelas costas dele. Kevin decide ir falar com o irmão, buscando defender a honra da esposa. Mas ela se nega, falando que não precisa que ele a defenda das coisas, não mais. E depois é dito que não há mais relações entre ele o irmão.

Voltando. Descobrimos que o motivo da briga entre os dois irmãos foi na realidade o fato de que o mais velho era apaixonado por Eve, mas foi Kevin quem conseguiu conquistá-la. Mas eles vão para o centro cirúrgico, com o médico dizendo por rádio tudo o que deve ser feito (e eu achando que o Kevin era formado em Grey’s Anatomy). A cena por si é bastante forte, com bastante sangue, injeções e cortes, então nem vou perder muito tempo descrevendo o que acontece. Mas, no fim das contas, dá tudo certo e a “operação” é um sucesso. Porém, já foi um perrengue passar pela névoa, já que ela fez sangue sair das unhas do irmão e pareceu afetar mais ele do que Kevin. Na volta, logo de saída, ele já começa a tossir e sangue sai pela sua boca. Mais adiante, Kevin escorrega em uma poça de sangue e o carrinho cai no chão. Começam a cair em cima deles uns bichos estranhos, que eu acredito que sejam sanguessugas, e elas buscam entrar no irmão, de todos os jeitos possíveis, por onde for possível – lembrando que o ferimento foi fechado com grampos e não com os devidos pontos. Antes, no quarto, o irmão pede que Kevin acabe com o seu sofrimento, já que a dor estava se tornando insuportável e não havia saída para aquela solução.  No momento, Kevin se negou a fazer qualquer coisa, já que não iria matar o seu próprio irmão, por mais distantes que eles fossem. Porém, ao ver seu irmão sendo…. soterrado, numa falta de palavra melhor, por sanguessugas, ele não teve escolha. Com a anuência do irmão, deu um tiro na cabeça dele, finalmente acabando com o sofrimento dele.

No fim das contas, dá pra gente tirar mais alguma coisas. A névoa afeta mais as pessoas que já estão com algum ferimento. A névoa consegue entrar na mente das pessoas e trazer à tona que só elas poderiam saber. E ela tem uma forte relação com insetos, de todos os tipos. Vamos ver onde isso vai dar, no fim das contas.

gostou da matéria? deixe um comentário!

Rafael Augusto

Um hiperativo que não sabe viver sem ler, escrever, ouvir música, ver séries e filmes, geralmente tudo ao mesmo tempo. Fã de ficção científica, suspense, Stephen King e histórias em quadrinhos.


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu