Até que ponto a sinceridade é válida?

Desde o início dessa temporada, um nome tem chamado a atenção, seja para o bem ou para o mal. Todos sabem, é claro, que estou falando de Jessie J. A nova coach da bancada tem causado um certo barulho em torno de suas opiniões diretas e de sua competitividade escancarada. Enquanto há aqueles que defendem que esse tipo de coach é bom para o programa há aqueles que achem que a abordagem da cantora não é uma da mais agradáveis de se ver. Até então eu estava firmemente neste primeiro grupo, pois uma das coisas que mais prejudica o formato (o que podemos perceber pela última temporada) é essa falta de competitividade, essa áurea de aceitação de tudo e de todos a todo o momento, a ausência de uma crítica direta e assertiva, capaz de fazer com que o candidato realmente evolua e diminua os seus erros. Entretanto eu não posso dizer que continuo 100% do lado de Jessie após o que eu vi nesse episódio.

Se existe algo que eu realmente não consigo concordar é de um coach que faz uma crítica “pesada” ao seu próprio candidato após uma performance “oficial”, mesmo que eles mereçam ser alvo disso. Durante um dos comentários de uma batalha de seu time, Jessie disse “eu não acredito em você” para uma de suas candidatas (curiosamente aquela que venceu o embate), e isso me revoltou bastante. Por mais falha que tenha sido aquela performance, ao dizer isso Jessie mostra um desapego gigante de seu trabalho como coach, mostra que não há conexão entre ela e o candidato e que, portanto, se não há essa conexão, por que o público deveria se importar com tal candidato? Não adianta dizer que essa crítica foi para o bem do candidato, não adianta falar que eles precisam dessa palavra quando ela mesma não parece ter a capacidade de mostrar alguma afeição, alguma ligação com aquela candidata. Soa gratuito demais, desnecessário demais e certamente isso poderia ser apontado antes do próximo round de performance, pois seria muito mais válido e eficiente do que dizer logo ali no palco. Além disso, houveram outros momentos onde essa sinceridade me incomodou, mas abordarei essas situações mais especificamente ao longo do texto.

Como não é só de coaches e de seus comentários que vive o The Voice, vamos logo aos comentários das battles do programa que estão mantendo um nível de qualidade bastante empolgante e que, sem dúvida alguma, estão aumentando minhas expectativas quanto às próximas fases do programa.

TEAM JESSIE J: Cath Adam x Fem BellingMamma Knows Best (Jessie J)


Esse pareamento já tinha uma vencedora pra mim desde antes da batalha. Ambas são grande vocalistas, porém Fem tem algo a mais. Há uma originalidade e uma identidade artística tão grande girando em torno dela que eu acharia sua eliminação do programa a essa altura do campeonato uma perda inestimável, e isso foi antes de eu ver essa batalha. Eis que a batalha é exibida e eu estou sem fôlego até agora. Que show foi esse? Simplesmente a melhor batalha dessa temporada até agora. Enquanto Cath me surpreende ao conseguir mostrar uma identidade que eu não havia percebido durante a audição, Fem me surpreende ainda mais e dá uma aula de como pegar uma música e tornar sua. Com apenas algumas inflexões (“th-th-th-th-th-therapy”), Fem provou que ela era a vencedora da batalha sob qualquer ângulo possível e que ela não poderia sair, de maneira nenhuma, derrotada desse duelo. Infelizmente Jessie (e a Australia) não concordaram comigo e acabaram por declarar Cath como a vitoriosa, o que me fez torcer para que alguém apertasse aquele botão assim que Jessie falou que Cath seguiria em seu time. Depois de um século, Delta apertou o botão e adquiriu um grande nome para seu time, só espero que ela mantenha o seu ótimo histórico como coach e faça com que Fem ser torne uma ameaça para a competição, porque carisma e talento Fem tem, a coach só precisa saber como explorar isso.

RICARDO: Foi uma battle muito explosiva, mas… o mesmo que eu disse para Peta vai para a Fem, ela exagera muito em suas interpretações e isso pode pegar mal, não irei dizer que foi um steal mal usado, e Delta..? vamos ver no que vai dar isso né. Já Cath foi grande e pequena ao mesmo tempo, e aproveitou bem os momentos, não falarei mais por que não sou muito fã das duas , mas foi uma boa battle.

TEAM DELTA: Keely Britain x Lyndall WennekesPray To God (Calvin Harris & HAIM)


Um dos grandes nomes do time contra uma retornante que apresentou vários erros técnicos durante a blind? Resultado mais óbvio impossível, pois, a não ser que Keely surpreendesse bastante, Lyndall é essencial demais para o programa pra sair agora da competição. Quer dizer, depois dessa battle eu não sei se é tão essencial assim. Não sei se foi por causa da battle anterior, se foi porque a song choice não favoreceu nenhuma das duas ou se foi por qualquer outro motivo, mas essa performance não me transmitiu absolutamente nada além de um vazio emocional. Vocalmente bem executada, parecia que ambas as candidatas estavam tão concentradas em acertar as notas que não conseguiam conferir o mínimo de emoção à canção, e, quando se trata de música, entre emoção a razão a emoção é sempre o melhor a se escolher. Diante desse cenário, só me resta dizer que o timbre de Lyndall e suas inflexões a colocaram acima de Keely nessa battle e que ela realmente mereceu avançar, mas torço para que o próximo round mostre mais a Lyndall da blind e não dessa battle.

RICARDO: Minha favorita em toda a competição sem sombra de duvidas é a Lyndall. E sem querer puxar o saco, mas ela arrasou demais nessa battle <3 . Keely mostrou que não veio para brincar e foi muito bem também, indo bem melhor que sua blind. Mas não tem pra ninguém, Lyndall linda avança para minha alegria.

TEAM RICKY: Liam Maihi x Rene McGovernCrazy In Love (Beyoncé)


Não posso começar a falar dessa battle sem citar o feedback de Jessie, pois foi exatamente aquilo que eu pensei sobre a batalha. Eu também amei a versão emo gótica de Crazy In Love, mas não achei que a interpretação de nenhum deles ficou à altura dela, e preciso elogiar Jessie por pontuar isso de uma maneira realmente eficiente e elegante. Além de Jessie eu preciso também concordar com Delta e dizer que eu também gostei bastante da presença de palco de ambos e que isso favoreceu bastante a performance. Concordância com coaches de lado, ficou claro que Liam era o melhor e que merecia avançar, fora que ele provou que não é um WGWG limitado como eu tinha temido na blind, o que me deixa bem mais interessado em seu futuro na competição.

RICARDO: Caramba! Que battle incrível!!!! Estou sem palavras, foi pego totalmente desprevenido, e estou com os pelos arrepiados… Melhor battle de hoje e se bobear de domingo também (e se bobear da temporada) Os dois foram incríveis, Liam um pouco superior e uma voz mais clara, mas foi páreo duro o tempo todo. Incrível!

TEAM MADDENS: Claudia Migliaccio x Peta Evans-TaylorLove Me Harder (Ariana Grande)


Quando eu vi a música eu pensei “por acaso os Maddens querem ferrar com todas as suas frontrunners, é isso?”, porque depois de Amber em uma música que favorecia claramente sua concorrente, aqui temos Peta em uma música que favorece bastante a Claudia. Felizmente, Peta conseguiu chutar esse desafio para o alto com todo o seu talento e com uma interpretação que serviu muito mais à letra da canção do que a de Claudia. Depois disso nem tinha mais o que pensar se não levar Peta para a próxima fase do programa.

PS: Delta chamou Peta de “Peter” ou foi só o sotaque? #dúvidas

RICARDO: A pobre da Claudia se esforçou, mas coitada, essa battle também já era outra com o resultado previsível. Peta é ótima, gosto de sua voz, mas ela exagerou muito em sua interpretação… Fora que ela passa uma atitude meio arrogante (na qual chamei de badtude na blind dela), mas enfim, mereceu ganhar por motivos óbvios.

TEAM JESSIE: Mahalate Teshome x Paris CassarStyle (Taylor Swift)


Chegamos à battle que eu citei no início, porém, antes de falar sobre o tal comentário, vou começar com a minha visão sobre esse pareamento. Por um lado amei Mahalate e vejo bastante potencial nela, por outro acho Paris bastante limitada, imatura vocalmente e não acho que ela deveria estar no programa este ano, ou seja, mesmo antes de ver a batalha eu era Team Mahalate. Antes de falar sobre o duelo em si, preciso falar sobre o quão errada foi essa song choice de Jessie para ambas. Você tem um projeto de diva e uma candidata hipster indie, as coloca em uma batalha e dá uma baladinha pop pra elas cantarem? Não faz sentido algum. Parece que Jessie só queria retirar as duas da zona de conforto sem oferecer nada em que elas pudessem se apoiar. O resultado disso foi uma batalha insossa e completamente deslocada, com nenhuma das duas conseguindo superar o desafio proposto e com a coach mostrando-se visivelmente desapontada com o que viu no palco. O irônico é que 90% da culpa dessa performance meia boca foi culpa da song choice, que não ajudava em nada nenhuma das candidato, então não adianta dizer que uma candidata não lhe convence ou que outra é inconstante vocalmente se você, como coach, não oferece espaço para que ambas trabalhem cada um desses aspectos. Acho que já falei demais sobre isso, então melhor resumir e dizer que Jessie escolheu avançar com Mahalate e que eu torço bastante para que ela trate a candidata da forma que ela merece na próxima fase.

RICARDO: Ambas foram bem parecidas e consistentes, mas acho que Mahalate arriscou mais, e vejo mais futuro com ela também, tirando isso foi uma battle boa, nada mais que isso.

TEAM DELTA: Caleb Jago-Ward x Jo De GoldiWe Built This City (Starship)


Não gostei de nenhum dos dois na blind. Achei Caleb exagerado demais e Jo “gritante” demais. Ficou claro que ambos possuem talento e potencial, é claro, no entanto nenhum deles havia me agradado. Felizmente posso dizer que ambos me agradaram bastante e eu realmente achei que ambos encontraram o controle que faltou em cada um durante as blinds. Mesmo assim ficou a sensação de que Caleb era o cantor oficial e que Jo estava fazendo uma participação em sua performance. Não sei quanto disso se deve ao fato de Caleb ser superior à Jo, contudo a visão que fica é a de que não havia outro resultado se não a sua vitória. Jo se despede dignamente do programa com uma performance para ninguém botar defeito.

RICARDO: Gostei bastante dessa battle, ótima música e ambos soaram muito bem juntos. Eu preferiria que Jo tivesse ganhado, mas enfim… vamos ver no que vai dar Caleb.

TEAM MADDENS: Jason Howell x Nathan HawesStolen Dance (Milky Chance)


Voltando a falar de Jessie, não consigo compreender a sua reclamação quanto à song choice quando: a) ela escolheu Style para duas pessoas que não combinavam com essa música, b) ela parece estar dizendo que uma música que exige algo diferente de malabarismos vocais é uma música que não mostra muito do artista, c) Stolen Dance é maravilhosa e ela está errada. Reclamações de críticas negativa a parte, amei o fato de ela ter feito cosplay de Ricky e usado o steal antes mesmo do resultado, pois a batalha realmente mostrou que cada um tem uma particularidade que merece ser explorada mais nesse programa. Fico feliz de que Nathan mantenha seu posto de frontrunner no Team Maddens e que Jason continue na competição, mesmo que tenha caído no impossível Team Jessie.

RICARDO: Claramente temos um favorito aqui, mas nessa battle quem me surpreendeu mais foi Jason, mostrando mais desenvoltura, presença de palco e voz. Mereceu o steal, mas merecia mais ainda ter ganho essa battle.

TEAM RICKY: Dione Baker x Jeremy RyanSomewhere (West Side Story)


Nenhum dos dois havia particularmente chamado a minha atenção durante as blinds. Vocalmente impressivos, faltava algo para capturar o meu interesse, algo que eu não sabia (e ainda não) sei explicar o que era. Seja lá o que fosse, esse algo esteve presente nessa battle e eu realmente gostei bastante do que eu ouvi. Ambos trouxeram uma atmosfera bastante envolvente ao palco, só que a voz de Dione trouxe uma emoção a mais que ficou clara durante toda a performance, então corroboro com a decisão de Ricky em avançar com ela na competição, assim como compreendo nenhum dos outros coaches gastar um steal com Jeremy.

RICARDO: Me apaixonei por essa battle! Foi linda do inicio ao fim, muita elegância e paixão por parte de ambos, cortando o lugar com suas notas lindas e bem executadas. Adorei mesmo, para mim era uma questão de preferencia o vencedor dessa battle.

Segundo dia de battles chegam ao fim e os times estão assim:
#TeamRicky – Aviida, Gail Page, Stewart Winchester, Scott Newnham, Liam Maihi e Dione Baker.
#TeamJessie – Ellie Drennan, Simi Vuata, Amber Nichols, Cath Adams, Mahalata Teshome e Jason Howell
#TeamDelta – Rik-E-Ragga, Grace Pitts, Fem Belling, Lyndal Wennekes e Caleb Jago-Ward.
#TeamMaddens – Joe Moore, Jake Howden, Sarah Valentine, Peta Evans-Taylor e Nathan Hawes.

Com esse cenário eu consigo ver claramente que o Team Jessie está bem a frente dos outros, enquanto Team Madden vem atrás, seguido do Team Delta (por causa da adição de Fem) e deixando o Team Ricky claramente na lanterna.

E esse foi o segundo dia de battles do The Voice AU, o que vocês acharam dele? Concordam ou discordam do que que falei na review? Comentem e nos vemos na próxima review!

icaro

Ícaro
Ícaro

Cinéfilo de carteirinha e atual professor de Herbologia em Hogwarts, tem a escrita como uma de suas paixões e acha que o mundo seria um lugar melhor se as pessoas não ligassem tanto para a opinião dos outros.
Deixe-nos um comentário!
  • lprata

    Ícaro, sua review foi perfeita, sério! Dessa vez vou nem dar minhas opiniões, porque você já expôs todas elas. Acabadas as battles, só tenho a dizer que meus grandes favoritos são Peta e Nathan, mas também tô na torcida por Fem e Chris e de olho em Joe, Grace, Amber, Stewart, Ellie e Nina.
    Até mais!

  • Dan

    #TeamFem #TeamNathan, Delta continua sendo a melhor tecnica, apesar do time em tese ser um dos mais fracos, só q isso ñ garante nda pq ela tá sabendo trabalhar com seus pupilos e tem nos proporcionados ótimas battles.

  • MatheusC

    Na minha opinião, o primeiro episódio foi muito melhor que este, no entanto, este não foi ruim.
    Jessie J foi injusta nos comentários a Mahalate e Paris, se ela já tinha visto que durante o ensaio não estava tão bom, porque ela não trocou a música. Particularmente eu não gosto da música e não esperava um batalha muito legal, no final das contas foi triste de ver elas cantando. O que Jessie queria que elas fizessem gritassem?? Essa música, eu acho, que não foi feita para gritar e se houve um grito seria totalmente fora do contexto ali. Sei lá, ela ainda é uma boa coach, mas as vezes a sinceridade dela não é usada no momento certo e seria legal que ela fosse mais humilde e dissesse que também errou.
    A respeito do comentário dela sobre Stolen Dance, achei bem desnecessário, porque no final das contas o resultado foi muito bom e um pouco diferente do original.
    Cath x Fem: Escolheria Cath, mas torceria muito para que Fem fosse roubada.
    Lyndall x Keely: Lyndall sem dúvidas.
    Rene x Liam: Boa escolha de música Ricky, gostei do resultado e também escolheria Liam
    Peta x Claudia: Maddens queriam ferrar a Peta, eim? Achei bem estranho a escolha da música, mas a Peta mostrou versatilidade e mereceu vencer.
    Mahalate x Paris: Mahalate, pois acho que ela tem mais a oferecer.
    Caleb x Jo: Caleb…
    Jason x Nathan: Gostei de ouvir mais a voz do Nathan e agora em música mais agitada. Escolheria ele para avançar também. Jason foi bem também. Acho que no time da Jessie J, só com uma performance imprevisível e bem feita passará.
    Dione x Jeremy: Dione. Esperava uma battle como Lucy e Karl do The Voice UK, não foi o que aconteceu e escolheria Dione, por gosto.
    PS: Estava animado em ver os cantores de opera cantando um Rap, mas só foi uma trollagem. Que pena…

%d blogueiros gostam disto: