Posts Populares

The Voice AU – S07E17 – The Live Finals 02

Mais um dia de apresentações ao vivo e de eliminação! 

Fala, meu povo! Segunda semana de live shows e eu estou sentindo algo que eu jamais senti em relação a esse reality australiano: eu estou com MUITO MEDO dos resultados. Depois do público ter passado AP e ter dado uma de povo justiceiro e mandado Luke para o bottom, mesmo ele não sendo o pior entre os que cantaram, eu tenho a impressão de que esse é o ano para me decepcionar com os resultados desse programa e isso sempre aconteceu em uma escala bem menor, se compararmos aos resultados de outras franquias.

O fato é que depois de perder tantos favoritos ao longo das fases, mesmo achando nível de qualidade desse ano incrível, eu estou com aquela sensação de que poderia ser melhor, sabe? Principalmente quando eu olho pra AP e lembro que qualquer um wildcard que passasse seria melhor que ele. É a típica sensação “tô feliz, mas tô triste” hahahaha.

Enfim,vejamos o que nos reserva pra hoje! Para comentar o programa de hoje, temos meus migos & friends Mari e Rick, que me ajudarão a avaliar cada performance e a reclamar também, pois se tem uma coisa que a gente sabe fazer juntos é reclamar hahaha! Bora começar, mas antes, vou deixar o vídeo de apresentação do convidado da noite 5 Seconds of Summer, que eu sempre confundo com  30 Seconds to Mars e falo 5 Seconds of Mars, enfim, a apresentação dos boys estão aí hahaha:

[TEAM JOE] Aydan Calafiore – “Wanna Be Startin’ Somethin'” by Michael Jackson 

Tati: Eu terminei essa apresentação com um sorriso no rosto que eu não sei explicar, minha gente! Aydan arrasou e não foi pouco. Entendo as críticas sobre ele “dançar demais” em um programa onde, teoricamente, estamos falando de voz, e convenhamos que Aydan não tem nem de longe a melhor voz da competição, não é? Mas Michael Jackson é dança também e pouquíssimas pessoas conseguem fazer o que Aydan fez: dançar e cantar ao mesmo tempo. Não faltou fôlego pro bichinho em quase nenhum momento e foi um verdadeiro show de entretenimento. Para quem não estava muito confortável com a song choice, ele simplesmente arrasou, mesmo sendo uma música arriscadíssima. Eu super assistiria um show do Aydan e essa performance dele não me deixa mentir.

Mari: Eu amo o Aydan imensamente e eu tenho tantos sentimentos sobre essa performance que estou perdida para descrevê-los. Primeiramente, eu fico louca da vida com esse microfone na orelha no lugar do outro, segundamente o Aydan é um performer maravilhoso mesmo, a forma como ele conduz as apresentações me prende do inicio ao fim, terceiramente porque caralhos o publico tem que gritar daquele jeito? Eu fiquei incomodada demais porque os gritos ofuscavam os vocais e tinha momentos em que simplesmente eu não conseguia ouvir a voz dele. Mas como ele não tem culpa nenhuma disso vou tirar que o saldo foi positivo, apesar de achar que o fato de ele estar dançando o fez ficar um tanto ofegante em alguns momentos.

Rick: Isso aqui podemos chamar verdadeiramente de um SHOW! Aydan do céu, de onde veio toda essa energia? Estou pasmo com o controle desse menino, mantendo a respiração enquanto dança para um excelentíssimo senhor car%&%*. Acho que após essa apresentação ficou claro que de todos nessa season ele é o que mais tem starquality, pois essa performance foi digna de um convidado do programa, e não de um participante qualquer. Joe está mandando muito bem com ele, e estou com medo por minha Sally, apesar de eu ainda achar que ela ainda vai conseguir chegar na final. Vocalmente ele ainda pode melhorar, mas eu acho a voz dele boa, e espero que ele mostre mais ainda dela em uma música mais contida para podermos apreciar todos os aspectos desse menino.

[TEAM DELTA] Jacinta Gulisano – “For You” by Liam Payne

Tati: Antes de tudo, preciso dizer que parece que a Jacinta brigou com a figurinista do programa, pois semana após semana é cada roupa que só Jesus na causa hahaha. Sobre a apresentação, eu amo tanto essa música e fiquei feliz que ela tenha sido escolhida pra Jacinta, pois ela tem uma interpretação que me agrada muito e nisso ela não pecou em nenhum momento!  Meu único “porém” pra essa performance e que eu já disse aqui é que , em certos momentos, os agudos da Jacinta me incomodam um pouco. Mas, no geral, foi uma boa apresentação, com uma ótima interpretação para letra e pra mim Jacinta continua em uma nítida crescente.

Mari: Ai Delta que escolha de música é essa, mulher? Apesar de ter achado um erro, Jacinta fez uma apresentação bem correta. Eu não acho os vocais dele espetaculares, nas notas agudas acho até um pouco irritante, já no registro mais baixo consigo ver grande qualidade. Nunca fui fã, mas gostei muito dela semana passada então esperava um pouco mais hoje. Enfim, sou meio indecisa quanto a ela.

Rick: GENTE, COMO QUE ESSA MULHER FOI PARAR NO BOTTOM COM ESSA PERFORMANCE? EU ESTOU INDIGNADO, ESTOU GRITANDO DE RAIVA E AO MESMO TEMPO GRITANDO QUE HINOOOO, POIS QUE PERFORMANCE MARAVILHOSAAAAAA!!! OLHA A VOZ DESSA MULHER, COMO ECOA PELO LOCAL, COMO PREENCHE TODO O AMBIENTE E COMO NOS CONVIDA A ASSISTI-LA E NOS CATIVA A APRECIA-LA. JACINTA, EU TE VENERO, NÃO SE DEIXE ABALAR POR ESSE POVO QUE PRECISA URGENTE DE UMA LAVAGEM NO OUVIDO! SE ELA FOR ELIMINADA EU NÃO VOU ACEITAR, EU PROMOVO UM BOICOTE A ESSE PROGRAMA, ESTEJA AVISADO @TVAU *capsLk desligado*.

[TEAM KELLY] AP D’Antonio “Gold on the Ceiling” by The Black Keys

Tati: Finalmente uma música mais animadinha, né? Já não estava aguentando mais essas canções lentas que AP escolhia, regada a muito sono, por mais bonitas que elas fossem. “Gold on the Ceiling” é uma música muito boa e eu gostei da escolha, porém, AP conseguiu a proeza de deixá-la chata em alguns momentos. Tinha hora que parecia que ele estava apenas falando os versos e isso me dá uma preguiça sem fim. Mas não serei injusta, ao menos deu pra perceber o esforço dele em imergir na apresentação e eu gostei da parte da gaita, pois achei que, finalmente, ela coube bem em uma apresentação. Só isso mesmo, porque de resto, não dá, não, Brasil! Socoooooooorro!

Mari: Eu gosto muito do timbre do AP, mas não passa disso também. Gostei de ele ter vindo sem o violão, até pra que ele tentasse mostrar mais presença de palco, mais star quality, mas infelizmente ele não conseguiu sair muito do lugar, sem falar que em diversos momentos a voz dele foi ofuscadíssima pela banda e pelas backings. Se eu posso elogiar algo é a gaita, pois adoro gaitas.

Rick: Eu acho AP uma pessoa muito weird e cool, tem algo nele que me agrada bastante, mas ao mesmo tempo, essas caras de sofrimento dele me deixam com muita raiva kkkk. A performance foi bem okzinha, ele foi engolido em alguns momentos pela banda e como eu já disse, essas caras que ele faz são sofríveis (literalmente). A performance passada tinha tudo para ser boa, mas ele estava tão nervoso que acabou cagando tudo, nessa ele já estava um pouquinho mais solto, mas ainda não fez um bom trabalho. Eu espero que para compensar, já que ele eliminou minha Mika, ele faça alguma performance decente e que seja na mesma vibe da performance de semana passada, pois acho que é nessa linha que ele terá chances de se destacar.

[TEAM GEORGE] Chang Po Ching “Jealous” by Labrinth

Tati:  Esse é o tipo de música que quero Chang cante e não músicas para Karaokê, né? Jealous está ficando um pouco saturada em realities, mas é uma boa pedida em momentos em que você precisa se recuperar e Chang precisava disso. Duas coisas que preciso falar: a primeira é que Chang foi bem, muito melhor que na semana passada, mas ao meu ver ficou devendo um pouco no quesito emocional. Eu assisti a essa performance três vezes e fiz de tudo pra ter certeza de que o fato de eu achar que essa apresentação tenha tirado 50% da carga emocional natural da música tenha sido uma opinião verdadeira, sem nenhuma influência do meu apreço (ou a falta dele) por Chang. Mas é isso aí, eu genuinamente achei que Chang ficou devendo nisso. Ele se conectou com a música? Sim! Foi vocalmente bem? Também. Mas eu não senti a “obsessão” e desespero que a letra dessa música carrega, uma boa performance, mas eu esperava um pouquinho mais.

Mari: Ai ai que saudades Jeffery. Olha sinceramente, cantou mal? Pra mim não, cantou bem. Ele me sentir uma palavra do que tava cantando? Com certeza não. Quando eu escuto Jealous eu quero chorar, eu quero ficar triste de verdade e eu comecei e terminei a performance do Chang com a mesma cara de paisagem, assim não dá te defender, meu anjo. Next

Rick:  Olha, preciso tirar o chapéu para Chang, que até então só havia me cativado em sua batalha. Cantar Jealous não é tarefa fácil, a música já é vocalmente desafiadora, e emocionalmente difícil quando se tem uma história por trás, e em minha concepção, Chang conseguiu se conectar muito bem com a música, e conseguiu passar uma história deveras bonita e singela. Com as escolhas certas, é capaz do boy fazer de Chang seu novo Hoseah, e espero que as próximas performances sejam tão bem pensadas como essa aqui foi. Só vamos torcer para que ele não caia na categoria datado, com músicas que já não tem mais para onde se explorar, e claro, torcer por mais performances como essa.

[TEAM KELLY] Bella Paige – “No Tears Left to Cry” by Ariana Grande

Tati: Kelly escolheu essa música pra Bella, pois queria um pouco de diversão. Olha, a música é até divertida, mas que agonia ver a Bella subir os degraus de salto hahaha! Essa parte não foi nada divertida! Bella até que tentou, viu? Deu pra perceber que ela entregou tudo de si, mas eu ainda não sei se eu gostei ou não dessa apresentação, pois, mesmo com todo o esforço dela, algo parecia fora do lugar (tirando o cômodo que estava de “cabeça pra baixo” hahaha). Acredito que seja por causa da dificuldade da música, que não permitiu que ela se sentisse mais confortável.

Mari: Eu adoro essa musica de Arianinha, porém não sei se é uma escolha inteligente pra cantar não, na verdade eu acho que qualquer musica da Ariana é sempre um risco, porque há notas que só ela consegue fazer. Bella fez o que pôde ali, aproveitou o cenário e tentou dar uma sensualizada, mas vocalmente ficou devendo, em alguns momentos parece que falta ar e não teve um momento de destaque sequer na performance.

Rick: SEM MAIS LÁGRIMAS PARA CHORAR!!! Eu super achei que essa música combinou com a Bella, e acho que ela está conseguindo se destacar, mostrando bastante versatilidade em suas performances. Semana passada ela veio com algo mais poderoso, explorando mais os vocais, hoje ela já veio mostrando mais sua presença pop e um lado mais sexy, assim como bons vocais. Apesar de eu adorar a música, não acho ela tão impactante assim, e mesmo Bella se saindo bem, ao final pareceu que faltou algo. Enfim, foi uma boa performance, mas vamos esperar algo mais grandioso em uma próxima apresentação.

[TEAM DELTA] Ben Clark -“This Is the Moment” by Erick Santos 

Tati: Eu amo ver a paixão que Ben demonstra sempre que está cantando, dá pra ver que ele realmente gosta do que faz e isso é bem legal. Além disso, ele sempre arrasa vocalmente (mediante meu olhar leigo, já que não sou especialista, ainda mais nesse estilo) e nessa performance não foi diferente. Eu já conhecia essa música e gostei da versão de Ben, com uma ótima interpretação e notória entrega, apesar de eu achar que tenha entregado interpretações melhores em outras fases.

Mari: Ben é muito bom né? Ele me lembra um pouco Luke Kennedy da season 2, porém achava o Luke mais ousado. Ben segue nesse estilo clássico e é vocalmente impecável. Acho que quando se está dentro do seu estilo, não tem muito como errar com repertório e Delta vem escolhendo ótimas músicas e ele vem com isso se consolidando na competição.

Rick:  Eu amo que Ben está se mostrando um dos melhores tenores que eu já vi em qualquer reality. Sendo tenor lírico de voz dramática, Ben está muito apto a cantar musicais, e apesar de ele ter mandado muito bem aqui nessa performance, eu sugiro que ele encontre urgente um momento como Bring Him Home, que claramente foi sua melhor performance até agora. Eu fico muito passado com o controle e brilho da sua voz, é algo tão grandioso que chega a me abalar de verdade, fora que ele consegue ser muito convincente na sua interpretação. Gostaria muito de vê-lo cantar algo como Don’t Cry For Me Argentina, imagina que ícone seria? E como algo um pouco mais diferente, ele poderia cantar I’ve Seen It All da Bjork no musical Dancing In The Dark, imagina o Ben mandando aquela notona do refrão que a islandesa solta? AAAA QUE HINO!

[TEAM KELLY] Sam Perry – “Like a Prayer” by Madonna

Tati: Prossigo na minha missão de não deixar a preguiça que eu tenho desse moço falar mais alto, pois, independente disso, ele arrasa muito no estilo dele e isso fica claro semana após semana. Eu adorei o palco hoje, o coral casou muito bem com os efeitos que ele coloca na mesa e com o toque sombrio que ele sempre dá às apresentações. Fora que ele tem provado que sabe se assegurar no quesito vocal, principalmente em questões de afinação. Mas preciso dizer que, desde que Sam resolveu soltar o “gogó”, ele vem me impactando positivamente, embora o timbre dele me irrite em alguns momentos, mas nada que interfira na minha opinião de que a apresentação foi muito bem construída.

Mari: Eu tenho muita preguiça do Sam, porque detesto a pimpação que dão pra ele, mas ao contrário de semana passada que eu tinha achado horrível, hoje Sam me surpreendeu positivamente. Eu adoro Like a Prayer e acho que ele trouxe uma versão bem interessante e talvez tenha apresentando os vocais que eu mais gostei dele no programa.

Rick: O Alok da Austrália veio mostrar mais uma vez para vocês como é que se faz para matar um hino. Como sempre e em toda performance, Sam só ficou ali apertando uns botões e fazendo exatamente a mesma batida que ele faz em todas as suas apresentações desde as blinds, e isso é porque dizem que ele é uma banda completa, mas tá aí fazendo o mesmo arranjo desde sempre. Eu fico puta da minha cara, já que ele tem uma voz legal e ótima para o rock, que é o segmento dele, mas com toda performance fazendo a mesma coisa fica difícil defender e arranjar algo para se apreciar. Você nota a diferença no momento que a batida parou e ficou só ele e o coral cantando… No início a ideia pode até ter parecido atraente, mas agora já está cansativo e repetitivo, e creio que vai continuar sendo assim por muito tempo. Obs: Vi comentários sugerindo que ele cantasse Twenty One Pilots, acho que seria uma boa ideia, contanto que ele coloque outra batida, pois toda performance é sempre a mesma, até parece que a mesa tá ali só de enfeite e ele finge que está fazendo algum som.

[TEAM JOE] Ben Sekali – “Signed, Sealed, Delivered I’m Yours” by Stevie Wonder

Tati: Eu amo essa música num tanto e nunca imaginei ela pra Ben, pois ele é um dos cantores que menos gosto na competição, mas não é que combinou super bem? Joe, mais uma vez, acertando na escolha no programa de hoje. Ben foi muito bem, minha gente! Essa música precisa da energia que ele entregou no palco e dava pra ver que ele estava se divertindo enquanto cantava.

Mari: Hino de songchoice. Eu achava que o Ben ia ser aqueles artistas que ia passar só cantando musica datada da década de 60, mas eu to bem surpresa com ele. Ta longe de ser um dos meus favoritos, mas acredito que dentro das limitações vocais dele, ele vem fazendo um trabalho legal, não tem nada de muito impressionante, mas ele também não comete nenhum erro grotesco.

Rick: Esse Ben tem me surpreendido bastante na competição, a começar pela performance da semana passada, que eu achei muito boa, e hoje mais uma vez ele acaba por se sair muito bem na apresentação. Com uma música um tanto chatinha para mim, ele conseguiu me fazer curtir e apreciar a performance, destacando seus vocais, que são bons, seu carisma que é bem bacana e contagiante, e sua presença, que nessa performance foi muito boa, e felizmente ele não ficou grudado no teclado ao cantar essa canção tão animada. Mandou muito bem, e mesmo ele não sendo o tipo de candidato que eu torça, ele acabou por me conquistar aqui nessa performance.

[TEAM DELTA] Trent Bell – “In My Blood” by Shawn Mendes

Tati: É oficial, Trent deveria sempre cantar Shawn Mendes, pois, nas duas vezes que ele fez isso, eu gostei muito do moço. Ótima jogada de Delta em vir com uma música atual e que permitisse que Trent explorasse seu lado mais emocional e um pouco da rouquidão que ele possui em sua voz. Foi uma boa apresentação e eu gostei, pois o senti conectado e entregue à letra, embora sempre muito limitado vocalmente. Mas, apesar de achá-lo limitado, tenho percebido que Trent melhorou em relação à sua blind, dentro do possível.

Mari: É arrastado que chama né? Eu ate tento gostar do Trent (mentira, nem tento), mas ele é tão básico e sem diferencial que eu não tenho de onde tirar forças pra elogiar isso. In My Blood é maravilhosa, mas os covers nos realitys tenho achado um pior que o outro. Trent desafinou bastante né, migos, mas infelizmente isso não parece mais contar pro público australiano. Uma pena.

Rick: Mais um boy magia para a gente admirar aqui, e a diferença entre ele e o outro, é que esse é ligeiramente melhor. Cantando mais uma vez uma música do Shawn (buy Shawn Mendes on Itunes), Trent até se mostrou bem competente na canção, com um inicio bom, e conseguindo chegar bem no refrão, entretanto, eu notei alguns deslizes em sua voz durante as notas mais altas, mas nada que comprometesse tanto o resultado final. Não foi minha performance favorita dele, e ainda espero que ele faça algo bem mais orgânico, só ele e o violão, acho que só assim ele conseguiria se destacar de vez na competição. Daria para ele um 7,5 de 10 pela performance e um 10 de 10 pela beleza

[TEAM KELLY] Brock Ashby -“Attention” by Charlie Puth

Tati: Ai, gente! Não tem como, não! Eu tento pegar leve com Brock, mas eu nunca consigo pensar em outra palavra para definir suas apresentações que não seja “mediana”. Ele é o tipo de boy que é até afinadinho, tenta se movimentar no palco e se esforça para entregar boas apresentações, mas, nesse caso, o esforço dele é em vão, pois ele claramente se destoa dos outros talentos da competição. Foi até divertida a apresentação dele, mas, ao meu ver, não foi suficiente.

Mari: O Brock vive numa competição com Trent pra ver quem é mais arrastado pela beleza. O cara já não é dos melhores, é limitado vocalmente, não tem muita presença de palco e ainda é afundado por uma péssima escolha musical. Attention é aquela musica pop básica que não tem muito que oferecer o que acabou deixando o Brock sem muita opção. O bottom vem de novo.

Rick: Até o refrão, Brock parecia uma estátua tentando seduzir a gente, pareceu até que ele estava desconfortável cantando essa música… E eu fico chocado de como esse cara ainda está na competição, sendo que sua voz é super comum. Performance bem esquecível, com falsetes bem mais ou menos, presença de palco bem morta e carisma zero. Se tem um ponto positivo aqui para destacar é a gostosura do boy, se ele tivesse cantado sem camisa ele já seria meu favorito do dia (brincadeira, ou não), mas de resto… Passo.

[TEAM JOE] Sally Skelton – “Fix You” by Coldplay 

Tati: Eu nunca vou me cansar de “Fix You”, mesmo que eu ache uma escolha estranha para uma artista que eu gosto cantar, como foi o caso da Sally, nunca a imagine cantando essa música. Mas, fui surpreendida, viu? O arranjo a favoreceu completamente e eu amei a abordagem mais suave que ela deu à apresentação. Foi algo tão simples e emocionante, além disso, os vocais dela estavam puríssimos. Foi uma apresentação muito lindinha de se assistir e com a essência da Sally, o que acho bem bacana, pois dá pra perceber que ela consegue colocar sua identidade em suas apresentações.

Mari: Eu não entendo muito o conceito desses cenários do The Voice Au, mas tudo bem. Eu gosto muito do timbre da Sally, mas acho que o Joe ainda não conseguiu extrair o melhor dela não. Porém, Fix You foi bem superior a Spectrum, tanto vocalmente, onde a voz dela se encaixou melhor na música, como em conexão também, mas eu to esperando uma performance da Sally que eu realmente consiga amar, porque ainda não rolou.

Rick: Outra fada que veio para nos abençoar aqui. Que início mais lindo foi o dessa performance… Sally é outra que consegue colocar uma interpretação tão linda quanto a do seu amigo Sheldon, e ainda de quebra tem uma voz belíssima, com poder e suavidade nos momentos certos. Achei a escolha da música muito pertinente, e estou amando o caminho alternativo que a Sally está tomando na competição, eu não imaginava que ela seria tão indiezinha assim, então estou feliz, pois #TEAMINDIEALLTHEWAY! Estou muito curioso com os próximos trabalhos que Joe fará com ela, e mesmo achando que o coach prefira o Aydan, eu acho que Sally poderá ser capaz de conquistar a vaga na final pelo time do Joe. Agora é torcer para a fada continuar arrasando assim <3

[TEAM GEORGE] Sheldon Riley – “Scars to Your Beautiful” by Alessia Cara

Tati: Gente… nas minhas performances imaginárias eu SEMPRE planejei essa música performada diante de um espelho <3 hahahaha. Essa música tem uma mensagem lindíssima e que nem todo mundo consegue passá-la totalmente enquanto canta e eu tinha certeza de que Sheldon conseguiria fazer isso sem muitos problemas. Ele nem foi mal nesse sentido, mas de tudo ele entregou até aqui, achei que foi a apresentação que eu menos gostei. E o pior que nem sei enumerar exatamente o que não me agradou, mas sabe quando você termina a apresentação sentindo falta de algo? Acho que minhas expectativas sobre Sheldon estão altas demais. Mas mesmo assim foi uma boa apresentação e amei que ele finalmente terminou uma performance com um sorriso. <3

Mari: Primeiro a gente grita QUE HINO e só depois assisti a performance. Essa talvez tenha sido a pior performance do Sheldon no programa e ainda assim é melhor do que o que muita gente apresentou hoje. Olhando a songchoice eu achei que era a combinação perfeita, porque a letra é bem forte e Sheldon sabe bem como interpretar musicas assim, mas algo acabou não funcionando tão bem. Não teve erros vocalmente falando, mas foi a primeira vez que eu não consegui comprar 100% a interpretação dele. Ainda assim já dei replay várias vezes e queria apenas ter o estúdio disso.

Rick: Da vontade uma interpretação e voz igual essa né @Brock? Fiquei muito feliz quando vi que Sheldon iria cantar essa música da minha rainhazinha, ainda mais que essa canção combina muito com Sheldon e toda sua história. Fiquei satisfeito com o resultado, achei que foi tudo no caminho certo, como eu disse logo no shade inicial, a interpretação dele é uma coisa fora do comum, é perceptível sua entrega ao cantar qualquer canção. Vocalmente ele também foi muito bem, apesar de eu não gostar muito dessa canção em vozes masculinas (aliás, por mais que qualquer pessoa cante muito bem, eu não consigo achar nenhuma versão tão boa como da própria fada Alessia, para mim a voz dela é tão única que acaba dando outro toque para a música). De toda forma, nosso bebê passou muito longe de ser ruim como o pombo do Brock, sendo assim, mais um bom trabalho para o currículo do Sheldon.

Bom, depois de todas essas performances, foi a hora de conhecer os candidatos menos votados pelo público australiano e os artistas anunciados foram: Brock e Jacinta. Confesso que já esperava Brock no bottom novamente, mas Jacinta foi uma surpresa pra mim, já que ela fez uma boa apresentação e ela vem numa crescente muito boa. Enfim, candidatos revelados, hora de assistir às suas apresentações.

[TEAM KELLY] Brock Ashby – “Rolling in the Deep” by Adele

Tati: Quem disse pra esse menino que ele poderia cantar Adele, minha gente? Que vergonha alheia e que coisa mais ou menos, viu? Eu não tenho o que elogiar nessa apresentação, pois foi um risco em um momento que seria melhor pra ele vir com algo mais lento, mais conhecido como a apelação tour. Não curti e vou achar bem feito se sair.

Mari: Um tutorial de como piorar o que já tava ruim. Conseguiu se cagar ainda mais no IS com uma escolha de música que eu não sei como tem coragem. É cada desafinada que chega a doer. Já devia ter saído contra o Luke, mas de hoje não deve passar.

Rick: Quem esse cara pensa que é para destruir o hino da Adelaide? Que performance horrenda viu, faltou tudo, exatamente tudo para ele ao menos fazer um trabalho digno. Para começar, o programa se chama “The Voice”, e eu não entendi o que esse cara com a voz sem dinâmica alguma está fazendo ainda na competição? Parece eu cantando no smule karaokê, com a diferença que eu sou um baita amador, já o boy ali… Outra coisa foi ele cantar um dos maiores hinos do século XXI sem dar uma interpretação decente e ainda combinar com as entonações nada agradáveis que ele colocou no refrão da música. Nossa, só tem um rostinho bonito e um corpinho trincado 10/10 viu, pois, o resto foi péssimo!

[TEAM DELTA] Jacinta Gulisano -“One Night Only” by Jennifer Holliday

Tati: Que maldade colocarem essa menina no bottom, mesmo depois de ter performado bem. Eu achei que essa performance não deu pra avaliar tão bem Jacinta, pois foi bem curta e ela se conteve nos vocais. Mas foi bem melhor que Brock e suficiente pra mostrar que ela possui bastante potencial pra continuar no programa. Uma pena que a Australia não percebeu isso.

Mari: Eu não sou a maior fã da Jacinta, mas com tanta gente mais básica e pior vocalmente, ela nesse bottom é inadmissível. Eu ainda to com a versão da Kyla no US viva na minha mente, porque é uma das poucas que salvam na season, mas a Jacinta pelo pouco tempo que teve fez um bom trabalho e ganhou esse IS sem dúvida alguma.

Rick: Meu forninho foi muito derrubado por Jacinta aqui… Fui muito surpreendido, não esperava que ela cantasse essa canção, que é bem difícil, de maneira tão simplória e apaixonante. Eu amo muito One Night Only, é uma das minhas canções favoritas ever, e sempre fico com o pé atrás com quem canta, pois nunca vejo alguém conseguindo realizar o mesmo trabalho que JHud realiza ao cantá-la (digo isso vocalmente), mas de todos os covers que eu já vi, pelo menos que eu estou lembrado, Jacinta foi a que mais me convenceu, ela conseguiu atingir várias notas como aquele grandioso F5 em “then you’ll have to run”, foi incrível como ela conseguiu soar exatamente como a Jhud nessa nota. Enfim, além de tudo, a interpretação da moça foi muito bonita e com isso Jaci prova mais uma vez que é uma underdog que chegou para ficar e que ela ainda promete arrasar muito na competição.

ELIMINADO: Brock Ashby

  • •  CONSIDERAÇÕES FINAIS  •  

Então é isso, pessoal! Com o Brock eliminado, temos 11 vozes e gosto/aceito a maioria delas. É claro que a gente tenta deixar o clubismo de lado, pois, por gosto pessoal, o meu Top11 seria totalmente diferente, mas existem artistas que, por mais que você não curta o estilo, você consegue entender a razão por ter chegado longe, o que é o caso do Ben Clark, por exemplo. Eu gostei das apresentações de uma forma geral e os artistas que mais me agradaram foram: Sally, Aydan e Sam! Mas tivemos outros candidatos entregando boas performances, como a Jacinta e Sheldon. Lembram do que falei no começo da review sobre meu medo com os resultados? Ele é real! Pois, ao meu ver, um bottom justo teria sido entre AP vs Brock. Jacinta não merecia ter ficado na berlinda, não! Por favor, Australia, não me decepcione. Ao menos hoje, eles mandaram alguém que tenha ido mal pra casa. Espero que na semana que vem não tenhamos surpresas. Finalizo minha review por aqui pessoal. Espero que tenham gostado e nos vemos novamente nas semifinais! Beijo e não deixem de votar nas enquetes.

PARA ASSISTIR ONLINE OU BAIXAR O EPISÓDIO COMPLETO, CLIQUE AQUI!

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

Tatiane Silva

Sou uma Social Media e Community Manager que ama tanto o que faz, que acaba fazendo isso quase que o tempo todo. Eu moro na internet, por isso acrescento doses diárias de cultura inútil e memes que é pra eu não me entendiar. Amo realities musicais, gasto horas em grupos de discussão e sou viciada em coisas que me fazem dar boas risadas e esquecer da minha conta bancária negativada.


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu