E seguimos para mais um episódio de Blinds Auditions

E aí galera, vamos pra mais uma review da minha querida franquia do The Voice?

Como o Lindo comentou na review passada, a estréia foi bastante fraca e bem abaixo da estréia das demais temporadas e infelizmente o segundo episódio conseguiu ser ainda mais fraco que o primeiro. Não houve nenhum candidato que chamasse muita atenção e até então, os únicos que até então chamaram minha atenção foi a Cody e Beth, ambas do primeiro episódio. O grande destaque do show tá sendo a bancada de jurados, a adição da Paloma e Boy foram ótimas, eles vem agregando muito ao reality e criaram um clima bem mais descontraído das demais temporadas, além disso a permanência do excelente técnico Ricky e do Will foi uma sábia escolha da emissora.

Bem, dito tudo isso vamos conferir tudo o que rolou nesse segundo episódio e para isso contaremos com os comentários mais que especiais da Luana que também comentou na review anterior e do Rick que já é presença cativa em todas minhas reviews.

Charley Blue- Roll Over Beethoven

Michel: A apresentação da Charley foi bastante legal, vocalmente achei boa, mas nada de espetacular, porém o grande destaque foi o violino que ela usou para complementar sua perfomance. Foi uma perfomance bem eletrizante que empolgou os técnicos, principalmente o Ricky que dançou e tentava convencer a Paloma à apertar o botão também, kkkk, “COME ON PALOMA”. Escolheu o melhor time pra ela na minha opinião, é bem a cara do Will mesmo, até porque o Will antes tinha a excelente menina da harpa, Anna, agora ela tem a menina do violino hahaha. Nota: 8,5 #TeamWill

Luana: Nossa, amei! Adorei demais a mistura de elementos dessa menina, que arraso! Além da pegada rocker, a música tinha uns versos bem compassados, que chega a se assemelhar com o rap e pra completar… Um violino! Sensacional, adorei demais! Nota: 9,5

Rick: Que loucura foi essa gente? Contagiou até o Ricky hahahaha. Achei Charley bem interessante, mas espero que ela não siga essa linha meio “country-rockeira/louca” por que vejo outras aberturas para ela se sair bem. Nota : 8,0

Chase Morton – If You Want Me to Stay

Michel: O Chase tem um timbre bem legal, porém bem comum também e achei ele meio limitado, fez uma boa perfomance, porém bastante linear, sem nenhum momento de destaque. Acredito que com um bom treinamento vocal e com uma boa direção ela possa a vir a surpreender futuramente. Nota: 7,5 #TeamGeorge 

Luana: Chase tem uma voz mega comum, um timbre não muito marcante também. Não houveram grandes deslizes em sua performance, o que mostra certa consistência. Mas passa longe de ser um dos meus favoritos. Nota: 7,5

Rick: Bom candidato, mas tem alguns pontos que me incomodaram, como por exemplo, o fato de parecer que ele encurta as palavras. Na maioria das vezes eu não compreendi perfeitamente o que ele dizia… então, isso é algo para se trabalhar. Mas sua voz é boa, tem um tom agradável e possivelmente faz o tipinho do UK se for bem trabalhado. Nota: 7,5

Divina De Campo – Poor Wandering One

Michel: O lírico é um gênero bastante comum no The Voice UK, porém eu não curto tanto o gênero e depois da excelente Lucy (finalista da temporada passada) eu fiquei bastante crítico com esse tipo de participante, além que esse ano já tiveram alguns cantores do segmento e todos eles não conseguiram uma vaga e dessa vez não foi diferente. A Divina foi até bem mas não me surpreendeu ou me cativou com essa perfomance, o mais interessante na perfomance foi mesmo o visual do candidato, foi impagável a reação dos jurados quando viram que se tratava de uma Drag Queen. #Eliminada

Luana: Ai gente, como eu queria que essa Drag tivesse passado e se juntado ao Team George, que dor! Mas admito que sua apresentação não foi das melhores e cantores líricos não andam com muita sorte nessa temporada, né. Pra compensar, adorei vê-la cantando “Bang Bang”, o que me faz pensar que ela poderia vir a ser bastante promissora… Porém, uma songchoice errada pode custar muito, não é verdade?

Rick: Socorro, mais uma trans finíssima para tentar uma vaga no the voice. Foi uma lástima ninguém ter virado (Why boy?? Why??) Achei que cantou muito bem, fez transições ótimas e tudo mais… Novamente, uma pena!

Megan Reece – What You Don’t Do

Michel: Megan tem um estilo bem vintage, tanto no visual como no comportamento, assim que a vi achei bem a cara da Paloma. Ela tem uma voz bonita e agradável de se ouvir, teve controle vocal, mas queria ter visto ela ousar mais nos vocais, quem sabe futuramente né? No mais, foi uma das que mais nesse segundo episódio e foi pro time que eu acho o mais coerente pra ela. Nota: 8,0 #TeamPaloma

Luana: Gente, e esse vestido que mais parece uma fantasia da Minnie pro carnaval? Haha. Megan tem uma voz até legalzinha, faz modulações interessantes também e irônicamente eu já imagino-a cantando algo da Meghan Trainor como “Lips Are Movin'”, ela tem o estilo pra isso. No mais, nada muito marcante. Nota: 7,5

Rick: Gostei, achei Megan com uma voz bastante agradável e fácil de ser trabalhada… Ela para mim é a cara da competição, e acho possível avançar com facilidade mais a frente (mas tudo pode acontecer nesse The Voice). Nota: 9,0

Stevie Calrow – Witchcraft

Michel: Ele tem uma voz que passa bastante técnica e percebe-se muita da sua experiência, mas esse não é um gênero que me empolgue muito e os jurados pelo jeito concordam comigo. #Eliminado

Luana: Ah, uma voz bem experiente e polida, né? Mas sinceramente, não teria muito o que acrescentar no programa.

Rick: Eu sou até adepto dos clássicos, mas sinceramente aqui não deu… Por minha sorte ninguém virou hahaha.

Lydia Lucy – Trouble

Michel: E temos aqui uma participante com passagem no The X Factor UK no ano de 2013 que permaneceu no programa até a fase do 6 Chair Challenge. Gostei muito dela, tem atitude e uma voz bastante pop, só espero que ela não peque nos exageros de fírulas desnecessárias, como algumas que aconteceram hoje. Acho que ele pode chegar longe no programa e acredito que ela também escolheu o mentor corretor pra prosseguir na competição. Nota: 8,5 #Team Will

Luana: O grito do começo já me deixou bem abusada. Eu ando numa fase bem anti-grito (o que é bastante complicado para alguém que assiste The Voice US, como eu), e Lydia já trouxe um agudo desses logo de cara. No entanto, ela parece ser bastante comercial e saber o que quer, e isso é muito importante. Tem uma voz boa e tem controle sob ela, e arrasou no agudo final (embora eu tenha chorado de abuso). Nota: 8,5

Rick: Nossa, adorei! Tudo bem aconteceu alguns exageros, mas como Boy disse (mesmo assim é bom). Gostei de sua atitude e presença, tem um tom bem marcante (estou na duvida se ela é capaz de fazer falsetes e firulas incríveis, mas o tom é bem propicio). Mas não criarei muitas esperanças pois sabemos o destino de cantoras como ela. Nota: 9,0

Janine Dyer – Bridge Over Troubled Water

Michel: Janine tem bastante técnica e controle vocal, é uma cantora que parece ser bastante experiente, porém achei sua escolha bastante previsível, não se arriscou muito durante a música e só fez o velho e bom “necessário”, mas nada que me fizesse vibrar ou torcer por ela, espero vê-la com mais ousadia nas próximas fases. Nota: 8,0 #TeamRick

Luana: Primeiramente, péssima songchoice pra uma blind audition. No mais, Janine possui uma voz bastante técnica e claramente sabe o que está fazendo. Não faz o meu estilo de cantora, mas pode ser que com um trabalho bem feito ela venha a surpreender. Nota: 8,0

Rick: Eu gosto muito de divas (até mesmo as datadas), mas ultimamente está sendo bem difícil encontrar uma que me faça ficar de queixo caído. Janie poderia até ser uma aposta, se não fosse aquele final, da qual ela exagerou bastante para mim alongando notas e tudo mais, deixando até mesmo difícil de entender a letra. Nota: 8,0

Niamh Breslin – Martha’s Harbour

Michel: Por mais irônico que pareça, minha favorita da noite foi a Niamh. Desde o VT, eu curtir muito seu visual e seu jeito mais introspectivo, amei seu timbre bem diferente, gosto muito de vozes assim únicas. Apesar dos deslizes de afinação, não achei que isso fizeram perder a beleza da sua perfomance e acredito que ela era um nome bastante promissor para essa temporada, uma pena que ninguém virou, absurdo que já que viraram para uns e outros bem duvidosos. #Eliminada 🙁

Luana: Ai não! Eu vivo por timbres diferentes, meu povo! Eu não acredito que ninguém virou pra esse anjo :'( Assim, claramente houveram alguns probleminha de afinação e ela estava bastante nervosa, mas um timbre desse merecia uma chance, pfv.

Rick: Meu Deus… como assim ninguém virou? Tudo bem, teve alguns probleminhas, mas eu acho que isso não atrapalhou na beleza e no tom singelo de Niamh. Estou choroso e por isso daria nota máxima (10)!

Melissa Cavannagh – Blame

Michel: Gosto muito dessa música e inicialmente eu estava até gostando da perfomance dela, da mudança de arranjo e tal, mas do meio da música em diante ele perdeu o total controle da voz e desafinou bastante, mostrando que tem uma deficiência grande com tons agudos. Para a sua sorte conseguiu virar uma cadeira e garantiu assim sua vaga. Nota: 6,0 #TeamGeorge

Luana: Bem, uma cantora bem mediana e houveram partes da música em que eu realmente não conseguia escutá-la direito. Ainda não sei como me sinto quanto à ela, mas não vejo muito futuro pela frente. Nota: 6,5

Rick: Nossa, sinceramente, merecia mais que Niamh? Não! Achei uma apresentação EXTREMAMENTE comum, e não vejo ela acrescentando novidades para o programa, pois vejo ela como uma pseudo diva datada. Nota: 5,5

Harry Fisher – Let It Go

Michel: Antes de tudo, que porra de sapatos são esses? Caralho que coisa mais horrível kkkk. Voltando pro comentários da sua perfomance kk, o Harry tem um timbre muito lindo, a música favoreceu bem isso, mas acho que sua perfomance foi bastante morna, não houve nenhum destaque, mas acredito que se bem trabalhado chegue longe na competição. Nota: 7,5 #TeamGeorge

Luana: Mais um timbre que amei, porém com alguns problemas. Harry tem uma voz muito doce e bonita, seu vibrato rápido é notável também. No entanto, há certas coisas que podem ser melhoradas. Nota: 7,5

Rick: Estava demorando alguém aparecer e cantar Let it go né? Enfim, achei bem simples, mesmo com alguns recursos vocais interessantes que Harry possui. Talvez vá longe se for bem trabalhado, mas acho ele bem morno. Nota: 7,0

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esse foi um dos episódios mais fracos que já vi do The Voice UK, não criei torcida por nenhum dos aprovados de hoje, achei todos bastante comuns e sem  nenhum diferencial. Espero que nos próximos episódio possamos ter candidatos melhores, com perfomances mais ousadas e surpreendentes.

Até o momento temos 14 participantes aprovados, divididos em: 4 do time George, 4 do time Will, 3 do time Paloma e mais 3 do time Ricky. O time mais forte até o momento, com certeza é o do George, que conta com a presença da até aqui a favorita Cody Frost, seguido do team Paloma com a Beth e o Will com a Charley e Lucy, já o Ricky na minha opinião não tem nenhum nome forte ou promissor, sendo ele o pior time pra mim até o momento, uma pena por sabermos o excelente mentor que ele é, mas a competição só está no início e ainda há muito o que acontecer.

EQUIPES

Team George: Cody Frost (28,5) Chase Morton (22,5), Harry Fisher (22) e Melissa Cavannagh (18,5)

Team Paloma: Beth Morris (26,5), Megan Reece (24,5) e Dwaine Hayden (16,0)

TeamRicky: Janine Dyer (24,5), Brooklynne Richards (22,5) e Aine Carrol (18,0)

TeamWill: Charley Blue (26,0), Lydia Lucy (26,0), Lyrickal (21,0) e Tom Rickels (19,0)

Então é isso galera, assim inicio a review de hoje e próxima semana Lindomar retorna trazendo a review do terceiro episódio. Então até breve e deixem aqui seus comentários sobre as impressões da temporada, jurados, candidatos e suas torcidas. FUI!

Michel Araujo
Michel Araujo

Baiano perdido em Aracaju, fã de realities show musicais e séries. Uma personalidade misturada a humor, sarcasmo e uma leve ousadia.
Deixe-nos um comentário!
%d blogueiros gostam disto: