Posts Populares

The Voice US – S13E16 – Playoffs, Part 2

Segunda noite de playoffs, do time mais lindo, do coach mais lindo do programa.

Ontem conhecemos metade do top 12 e, pra mim, não foi muita surpresa nenhuma escolha do Blake ou da JHud, na verdade achei tudo muito sensato, principalmente se levarmos em conta as apresentações da noite. Hoje tivemos o Team Adam e amanhã teremos o Team Miley encerrando as escolhas para o top 12, mais um pimp na conta da princesa do country americano. Quero desejar boa sorte a Addison e ao Jon, mas também falar que serei muito imparcial em meus comentários (mentira, mas vou tentar). Para me acompanhar hoje temos duas paneleiras que não podem ouvir o nome “Adam Levine” que aparecem mais rápido que o Beetlejuice: Clarice e Luana.

Adam Cunningham – “Have A Little Faith In Me” by Joe Cocker

Thaís: Eu não sou nada fã de country, mas eu nem sei se dá para colocar o Adam C. nessa categoria, porque ele tem uma vibe tão rock, que você acaba desassociando essa imagem de cowboy dele, talvez seja por isso que eu não tenha ranço por ele. Essa performance, por exemplo, foi muito bacana, de verdade. A escolha foi muito feliz, porque casou com a voz dele de um forma bem legal, não conseguiu pegar se foi escolha dele ou do coach, mas seja de quem for, tá de parabéns. Ele estava absurdamente conectado com a música, com a letra e com toda a performance, fazendo com que você embarcasse junto com ele, e é isso que a gente espera que façam sempre.

Clarice: Quem me conhece, sabe que não sou toda hater de country… o que me incomoda de fato é aquele country caipirão que é sempre linear, essas performances mais descontraídas, onde o act não tem medo de arriscar acabam me conquistando. Adam sempre fez boas performances e hoje cá estou eu novamente gostando do que ele apresentou. Notei uns rosnados bem interessantes, ele totalmente conectado com a música (que por sinal, foi muito bem escolhida) e se arriscou numas notas bemmm bacanas. Dá de 10 a 0 no boring do Red… hahahahaha

Luana: Uma coisa eu não posso negar: Adam estava bastante conectado com a letra da canção e claramente tinha uma verdade no que cantava. Eu curti ver mais da presença de palco dele hoje, já que estava sem o violão. Ele tem um raspy na voz que é muito interessante e não soa forçado. Enfim, eu tenho muitas ressalvas com artistas country, porque eles tendem a ir longe indepedente da qualidade, mas Adam C parece ser bom, então não vou ficar muito chateada (por enquanto, rs).

Whitney Fenimore – “If It Makes You Happy” by Sheryl Crow

Thaís: Ai, Whitney, eu gosto tanto de você, pena que está numa season que não tem espaço pra você. AAAA Sério,eu queria muito ver a Whitney avançando e crescendo na competição, mas com o time tão cheio de opções como o Adam está, não consigo ver espaço pra ela. Se fosse na season passada, linda, eu te juraria amor eterno, de verdade. Hoje não foi a melhor apresentação, mas no geral, Whitney fez um bom trabalho no programa

Clarice: SOCORRO! Ela tinha ALFINETES no cabelo! hahahaha O que havendo com as figurinistas do TVUS? hahahaha Sofri horrores com o KO de Whitney, pois entre ela e Moriah não tinha escolha errada… e ela rodou. Mas hoje voltou e fez uma performance tão picolé de chuchu! Vocais estavam bons, não me entendam mal, mas foi bem abaixo do esperado pra ela… ou eu que criei expectatives altas demais.

Luana: Ai, que bom que o Adam escolheu trazer a Whitney de volta, eu adoro ela! Por sinal, amei a songchoice, Sheryl é maravilhosa e deveria ser cantada com mais frequência no programa! Whitney teve um pouco de dificuldade nas partes mais baixas da canção, e a primeira nota aguda, que o Adam pediu pra ela arrasar, infelizmente ela não conseguiu alcançá-la tão laser perfect como deveria ter sido. No entanto, daquele ponto em diante ela foi totalmente no topo de seu jogo. E não sei vocês, mas a voz dela, principalmente no registro mais alto, me lembra um pouco a Taylor Swift, haha. Enfim, uma performance com falhas, mas muito bonitinha. Mas sendo wildcard, Whitney precisava ter o momento da noite para ter alguma chance, e infelizmente, não foi o que aconteceu.

Emily Luther – “Lovesong” by The Cure

Thaís: Lá vem ela com a vibe jazz again. Miga, isso não funciona no programa, não vende, desapega! Sério, eu tento me conectar com a Emily, mas nossa relação não avança. De todas as apresentações dela, achei essa a mais fraca, logo a que não podia ser. Durante toda a performance eu só pensava: “nossa, a Lilli arrasaria com essa música, com esse arranjo”. Porque Lilli, (Linda, te amo) tinha essa aura meio antiga, como se tivesse saído de um filme antigo, uma alma vintage, com um toque sassy, que tornaria essa performance mais interessante. Enfim, pra mim não rolou.

Clarice: Emily sempre teve um problema em se conectar com a música, nos KO já notei certa melhora mas hoje ela realmente pegou o jeito. A música encaixou bem pra ela, achei o arranjo maravilhoso, começando mais lentamente até a banda entrar pra valer… Vocais dela foram bons e consistentes, mas confesso que queria ver uma Emily mais ousada, trazendo algo novo pro palco, mostrando outras vertente, algo além dessas baladas puxadas pro jazz. Mas enfim, saldo de hoje foi positivo!

Luana: Eu amei a entrada da canção, foi poderosa e parecia estar progredindo pra um grande momento. Mas quando entrou o jazz, eu me senti um pouco off-set. Eu sei que continuo batendo na mesma tecla de “eu não sei de onde surgiu essa ideia de jazz”, mas é porque eu realmente não esperava esse caminho pra Emily e fico um pouco incomodada com isso. Mas não dá pra negar que ela é uma grande vocalista com uma grande voz e que pode entregar ótimas performances vocais sempre que necessário. Eu posso estar, talvez, traumatizada depois de Lilli Passero, mas realmente gostaria de ver a Emily um pouco mais pop (onde ela possa explorar o lado da conexão) do que jazz (que é muito composto e eloquente, mas te deixa um pouco “distante” emocionalmente do artista).

Anthony Alexander – “Perfect” by Ed Sheeran

Thaís: Eu já não gosto muito dessa música, fora da voz do Ed e com um timbre mais agudo ainda ficou mais incomoda ainda. Fora que o Anthony tentou imitar o pobre do Ed a música toda, migo pra que isso? Te defendi bastante depois da blind, porque te amei muito, mas depois só veio ladeira a baixo, sem chance de salvação. Hoje então, quem vai lembrar dessa performance no final da season? Ninguém, Thony. Mas não fica triste, eu ainda te amo.

Clarice: Li algumas críticas aqui no site por termos curtido o KO do Anthony, mas gente… o bixinho foi bem mesmo! Me surpreendeu… e hoje decepcionou! Tenho minhas dúvidas se foi a música certa pra ele, se foi o nervosismo, ou tudo isso junto! Anthony melhorou um pouco quando saiu do pedestal, mas ainda não foi o suficiente pra salvar a performance.

Luana: Eu fui muito criticada por ter gostado do Anthony nos KOs, mas sinceramente? Não poderia me importar menos, afinal, gosto é gosto, né non. Obviamente, eu vejo as falhas e espaços onde ele precisa de treinamento no menino, mas isso não anula o fato dele ser muito meu protegido. Eu tenho um ranço IMENSO dessa música, mas eu achei TÃO bonitinho a entrega e a ansiedade de evoluir do Anthony! Continuo achando sua audição sua melhor apresentação. Mas esse playoffs me agradou muito e nos mostrou diversidade nele, já que teve a oportunidade de cantar algo mais emocional e totalmente focando nos vocais juntamente com conexão. Ow, meu baby crescendo tão rápido! lol

Jon Mero – “When We Were Young” by Adele

Thaís: MEU JON DA BLIND TÁ VIVOOOOOOOOOOOOOO! Sério, foram duas escolhas bem estranhas na battle e no Knockout, mas ele voltou pisando. Vocais controladíssimos, um agudo executado de forma perfeita, uma performance que não tem aquela sensação de “hmm, isso foi mais do que precisava”, mesmo com o poder que sua voz tem, ele respeitou a música, respeitou a estrutura da canção e deixou para a crescer apenas quando podia, sem transformar tudo numa bagunça. Ai, Jon, você é um vocalista incrível, um dos melhores da season tem termos técnicos na minha opinião. Espero que você vá longe e todos vejam o quão maravilhoso você é.

Clarice: Fiquei bem receosa quando vi que Jon cantaria essa música, pois tenho a Blind de Billy bem fresca na minha memória… e comparações sempre surgem, ne non?! Mas eles são artistas tãooooo diferentes que é impossível comparar! Gosto bastante do Jon, ele sempre trouxe performances muito boas apesar de seu destaque ainda ter sido a Blind… mas posso dizer que meu Jon está vivíssimoooo!!! Ele poderia ter feito a performance toda no 100%, mas aumentou gradualmente e ficou lindo! Estava ansiosíssima pela nota… e fui surpreendida com um falsete fodástico!!! Brilha mais, monamour! <3

Luana: Eu AMO o Jon, e achei legal ele querer mostrar um outro lado dele, já que tudo que vimos antes foi bastante energético e dançante. Ele disse que ele próprio escolheu a música de hoje e eu sempre acho legal ter oportunidade de ver como o artista se saí quando tem controle. Talvez eu tivesse escolhido uma canção diferente pra essa fase, mas é importante notar que uma coisa não deu pra negar: ele se manteve conectado a tudo que cantou durante toda a canção, então talvez isso explique e pague a decisão. Confesso que esperava ver um pouco mais de dinâmica vocal dele, porque sei que ele é capaz de muito mais, mas mesmo assim a nota em falsete foi sensacional e ele levou toda a canção com muita entrega e coração!

Addison Agen – “Angel From Montgomery” by Bonnie Raitt

Thaís: Ai, amo meu bebê e vou protegê-la. Sério, olhem a carinha da Addison e me digam se dá vontade de colocar num potinho e proteger do mundo? Enfim, eu amo a voz da Addison, as quebras que ela tem naturalmente, me passa uma vulnerabilidade, me passa emoção. Eu sempre me conecto com ela por isso, porque, por mais que não seja vocalmente totalmente perfeito, são as pequenas imperfeições provenientes das suas emoções que me conquistam, porque é isso que eu quero, uma artista capaz de me emocionar e me fazer acreditar no que ela está cantando. E a Addison me conquista mais a cada programa.

Clarice: Ahhhhhhhhhh que fofa!!!! Addi precisa fazer as pazes com a colega figurinista, mas ela estava tão radiante no palco que até fingi não ver esse look pavoroso! Fashion Police nela! hahahaha Addizinha estava tão conectada com a música que me arrepiou, timbre dela é super diferente, ela consegue segurar a nota mas também consegue quebrar a nota, e em ambos os casos passa a emoção necessária. Ela já melhorou bastante desde sua Blind e tenho certeza que Addizinha vai longe no Team Adam! Já consigo vê-la na final… América, me ajude pfvr! hahahaha

Luana: Vou começar esse comentário, com o meu único comentário depois dessa apresentação: meu Deus, essa menina é um hino! De fato, hoje eu senti 3 pessoas muito conectadas com tudo que cantaram, mas a relação da Addison com o que canta é irreal. Ela te faz sentir cada palavra que sai da boca dela e isso é inexplicável! Eu tive que segurar minhas lágrimas aqui FORTE, porque essa menina é poderosa de um jeito lindo demais! Tudo o que eu quero na minha vida agora é baixar o EP dela no itunes, juntar numa playlist com os estúdios do The Voice dela que já tenho, me enrrolar no meu cobertor, fazer um chocolate quente e chorar por todas as minhas dores que nem sequer existem! Que princesa! Meu anjo DEMAIS! Por favor, deuses do The Voice, me deixem ter essa menina pelo máximo de tempo possível!

Ao final das seis apresentações, Adam anunciou suas escolhas:

Primeiro: Addison

Segundo: Jon

Terceiro: Adam C.

Eu concordei com o Adam em suas escolhas, principalmente se ele levou em consideração as perfomances dessa fase. Esses três foram os que tiveram as performances mais emocionantes, melhores executadas tecnicamente e/ou mais conectadas. Eu seria a primeira a gritar “xô, country” para o Adam C., mas eu realmente gostei da apresentação dele. Imagino que Adam deva ter levado muita coisa em consideração ao escolher, por exemplo: 1. Apenas um act country no top 12 ganharia todos os votos da máfia e a vitória seria fácil, e com o Josh Gallagher no time, Adam foi até a final na season 11; 2. Recordação da season passada. 2.1 Anthony lembra muito o Mark Isaiah da season passada e Adam levou o menino, mesmo vendo que ele não era abraçado pelo público; 2.2 A Emily parece estar interessada no mesmo estilo que a Lilli Passero tentou também na season 12, essa vibe vintage, meio antiga, um jazz meio modernizado, e o resultado disso foi um eliminação dupla do time no top 10. Enfim, acredito que a última escolha dele tenha sido mais estratégica do que qualquer outra coisa.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com o time do Adam escolhido, mais os seis saídos da noite de ontem, já são nove acts conhecidos do top 12 dos lives shows da semana que vem. E desses nove, posso destacar cinco nomes: Noah e Davon, os grandes destaques do Team JHud, Chloe do Team Blake e Addison e Jon do Team Adam. Nem preciso ver o Team Miley amanhã para afirmar que gostaria que a final fosse entre quatro desses cinco nomes que citei. Amanhã estarei de volta para fecharmos o top 12 e comentarmos sobre o que achamos de todos os nomes.

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

  • Pérola

    Eu juro que quando li sobre a Emily ter ido embora eu quase tive um treco. Nunca eu ia imaginar que ele fosse mandar ela pra casa. Achei que os encantos da voz dela iam embaçar a capacidade do Adam de ver como ela não se conecta com a música. Fiquei feliz pela Addison. Ela me conquistou.

    Rezando horrores pra Miley trazer a Karli de volta e tirar ou a Janice ou a Brooke dos lives. Seria excelente. Pra que duas power vocals, não é mesmo???

  • Jonas campos salles

    Eu gosto mesmo é das negonas pra mim aquela keisha a Janice e a bicha davon tem que ir pra final. Pena que já tiraram a cris, a bicha arrasava, bom que o povo não pode opinar dessa vez pq já fiquei puto na 12 por que o povo me decepcionou

  • Felipe Fagundes

    Cara, to aqui chorando com essa performance do Jon, não sei porque a voz dele desperta isso em mim, que voz, que vocalista, ainda acho o melhor disparado dessa season.
    Fiquei tão feliz com o Adam ter passado pra próxima fase apesar disso significar a eliminação da Emilly que pra mim teve sua pior performance até aqui, então acho totalmente coerente as escolhas de hoje.
    Não gostei muito da songchoice do Adam C mas o cara é demais e também não achei nada demais na Addison hoje, achei ela muito melhor no Ko.
    Team Adam entrando com melhor time nas live e quem diz o contrario que fique 24hrs ouvindo o time de gritadeiras da Jhud!!!!!!

  • Nyegirton Costa

    Jon – canta muito, mas com a emoção de uma porta.
    Emily – claramente a segunda melhor da noite. Adam se cagando como sempre
    Adam – melhor cantor country da competição. Você quer @red?
    Addison – DONA do programa salvando músicas datadas countries
    Anthony e Whitney o que tenho a ver?

  • Marcella

    Ah, que pena que o Anthony saiu… Mas foi a pior performance dele mesmo!
    O Time Adam só tá melhor do que o do Blake por causa da Addison, porque os outros dois são bem fraquinhos…
    Não gostei das músicas tb. Tenho curiosidade de saber se qdo chega nas fases em que os técnicos escolhem as músicas, a escolha é livre ou tem um catálogo, algo assim. Pq geralmente, acho as escolhas dos próprios candidatos muito mais interessantes que as dos técnicos.
    Pra mim, esse foi o pior episódio da temporada.
    Por enquanto, o time J. Hud tá pisando!

Thais Pereira

Feminista, leonina com ascendente em gêmeos e lua em virgem, viciada em memes, em Friends e problematizar na internet. Formada em História da Arte, mas consciente que nunca vai trabalhar com isso na vida. Normalmente eu escrevo e falo mais do que deveria. Eu mesma, Thais Mello.


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu