Posts Populares

The Voice US – S14E18 – Live Playoffs, Night 3

Hoje ainda tem mais…

Minha gente, QUARENTA E QUATRO PERFORMANCES, ISSO MESMO QUE VOCÊ OUVIU, QUARENTA E QUATRO PEROFRMANCES. E eu to como? Só o caco minha querida. Só em ouvir alguém cantar eu sinto vontade de chorar e sair correndo. Mas em enfim, recapitulando…

Na segunda 4 acts, um de cada time seguiram direto pro Top 12, ontem tivemos as apresentações restantes do Team Blake e Alissia, hoje ainda temos Team Adam e Kelly e o resultado do top12. Odiei isso deles pegarem o resultado de Blake e Alicia e colocaram para o dia de Adam e Kelly, uma tremenda falta de respeito com os dois que não vão ter tempo nem para pensar direito, mas como é The Voice eu nem sei porque me indigno. Nós já sabemos o sistema e é o seguinte:  1 act é votado pelo publico e o coach salva outro.

Como eu estou me sentindo muito cansado e injustiçado, hoje, eu trago Thais e Thairo para juntos darmos vida ao remake de Maria do Bairro. Y a mucha honra, Maria la del barrio soy!

[TEAM KELLY] Kaleb Lee – “Die A Happy Man” by Thomas Rhett

Dam Maria do Bairro: Gente, o que eu vou falar em? Performance preguiçosa? Bastante, mas o Kaleb tem uma voz boa e um timbre muito comum que as pessoas curtem ouvir, porém, ele é totalmente preguiçoso e duvido muito que entregue algo diferente disso que estamos vendo. Vai ser sempre uma song country com possua um forte apelo e faça com que as pessoas votem nele.

Thais Soraya: Você ganha o público na songchoice, né? Kaleb fez isso, usou o seu country card numa canção super conhecida e querida pelo público, para assim já criar um vínculo, fazer a pessoa cantar junto com ele e, consequentemente, votar. É espero, confesso, mas comigo não funcionaria, por exemplo. Kaleb é muito da safra dos cantores countrys que apareceram no programa nas últimas temporadas: básico. Não apresenta nenhum diferencial, eu mesma não sabia diferenciá-los, mas é como falam: choices. 

Thairo Luís Fernando: Ele é o que para mim mais representa country original no programa, o estereótipo. A Kelly é muito fofa cantando junto com eles, isso prova quão ligada aos candidatos ela é. Falando em jogo, ele é um bom competidor, atrai votos Country e pode ir longe na competição. Na performance de hoje achei fraco, não foi ruim, mas não me agradou, não curti.

[TEAM KELLY] Alexa Capelli – “Stop and Stare” by OneRepublic

Dam Maria do Bairro: Alexa sempre muito consiste e com um controle sobre seu talento que é raro de se ver nessa temporada. Amei a música mais emocional e ela conseguiu passar direitinho o que a música queria passar. Dava para ver a emoção nela, tanto que a técnica vocal fica um pouco de lado dando espaço para algumas falhas que não se sobressaem tanto assim. No geral eu amei.

Thais Soraya: Alexa é bem simples, né? Cumpre o papel dela, mas sem nada muito espetacular, que te faz perder o fôlego ou que te faça pensar: “nossa, que performance maravilhosa”. A de hoje foi bem honesta, eu, de verdade, não lembro das outras apresentações dela no programa, mas não sei se me levaria apenas pela de hoje. É boa, mas talvez não o bastante.

Thairo Luís Fernando: Que escolha musical estranha para ela, achei engraçado, “esta na hora de fazer um movimento” e ela andar, quer interpretação? Acho que a Kelly vê ela como uma mini-Kelly pela aparência e meio no estilo. Ela não foi consistente na performance, teve altos e baixos, notas certas e depois desafinadas, mas creio que foi pela emoção e pela idade pouca dela. Acho uma fofa e gostaria de ver mais, não sei se foi suficiente para garanti-la.

[TEAM KELLY] D.R. King – “All on My Mind” by Anderson East

Dam Maria do Bairro: D.R, para de querer impressionar tanto e acabar passando vergonha. Meu filho, tu já tem cara de datado, sua voz já não é lá essas coisas todas e ao invés de focar só no canto, tu quer ficar pulando e rodando igual um exú bebado com tontura. Ta dificil te defender meu filho kkkkk, o que foi aquele falsete no final? Volta para fuga das galinhas que seu cabelo só me lembrou desse filme hoje.

Thais Soraya: Eu não sei o que falar do DR, a Kelly tem uma conexão com ele que eu nunca vou entender. Ele não fez performances tão sensacionais no programa, talvez só a battle, mas muito porque a sua parceira subiu bastante o nível e ouso dizer que ganhou a battle e não ele. Só que quando o santo bate, ele bate né? Kelly desenvolveu uma conexão absurda com esse act e quando isso acontece, não há nada que a gente possa fazer. (ps. a tentativa falha de falsete no final da performance foi bem triste)

Thairo Luís FernandoTudo estava morno para fraco, até a hora do agudo e aí.. ele foi acender a faísca da fogueira, mas já tinha quebrado o galho. Ou seja, em dois minutos você tem que se jogar e não apenas prometer e deixar em aberto, DR veio com a Blind (Believer) e a Battle (Sign Of The Times) que foram sensacionais, mas desde lá não voltou ao mesmo e arrisco dizer que ele já está pronto para deixar o programa e sem novidades a apresentar.

[TEAM KELLY] Dylan Hartigan – “Mary Jane’s Last Dance” by Tom Petty and the Heartbreakers

Dam Maria do Bairro: Sabe qual o principal problema do Dylan? Ele se preocupa mais em ser sexy e sedutor do que um bom cantor. Talvez se ele focasse mais no que está cantando e na mensagem da música não importa ela qual seja, talvez ele seria um pouco melhor. Sinceramente, isso de querer se vender com o corpo achando que a voz em segundo plano da para engolir não rola mais.

Thais Soraya:  Dylan faz o tipo que ganha o povo pelas dancinhas (oi, Zach), o que falta de voz, ele compensa em carisma e presença de palco, e preciso dizer que isso funciona comigo (não as reboladinhas), mas eu prefiro ver uma performance mais fraca vocalmente, mas tenha que sido mais divertida, do que ver algo que foi vocalmente perfeita, mas que não me fez sentir nada. E hoje o Dylan foi bem, mas se me perguntarem, eu não falei isso.

Thairo Luís FernandoComparado a voz, visibilidade e outros quesitos no THE VOICE, ele esta atras de muitos candidatos. Mas levando para o lado comercial, ele tem muito apelo, seu falsete é gostosinho, ele é bonito e sabe se portar no palco. Sinceramente? Eu gosto dele haha, ele faz uma vibe bem legal e se sente confortável no palco, não sei como seria em votação no final do dia, mas ele me agrada.

[TEAM KELLY] Tish Haynes Keys – “At Last” by Etta James

Dam Maria do Bairro: O que foi isso minha filha? para engatar o espírito da música demorou uma vida e mesmo assim quando chegou lá não durou muito. At Last é sempre uma daquelas canções que ou você a domina ou ela toma conta de você e te deixa no chão. Isso aconteceu aqui, Tish foi totalmente sem emoção, e os vocais deixaram muito a desejar. Não foi um desastre, claro que não, até porque a Tish tem voz, mas se é para cantar At Last seja plena ou aceite ser gongada.

Thais Soraya: Tish, minha diva. Cantoras como você não tem muito espaço no The Voice, isso nós sabemos, mas a sua classe ao cantar vai ficar para sempre, porque é um controle, uma capacidade e uma voz, UMA VOZ, que te deixa até meio tonta. Ainda mais cantando um clássico desses. Maravilhosa é pouco para o que você é. Te amo desde as blinds, linda.

Thairo Luís FernandoQuer música de diva sendo representada corretamente, Terrence?. Comparando-as, não teria o por que da Kyla avançar e a Tish não, já que a segunda é melhor, apesar de hoje de longe não ter sido a melhor performance dela, mas Lady Marmadale não será esquecida tão cedo. Faltou um pouco mais de controle e atitude.

[TEAM ADAM] Reid Umstattd – “Long Cool Woman (in a Black Dress)” by The Hollies

Dam Maria do Bairro: Reid meu filho, o que foi isso? Tutorial de como ser morto durante uma competição; primeiro passo: Faça uma blind muito boa. Segundo passo: Tenha uma battle favorável. Terceiro passo: Seja combado no seu KO e por último, porém, o mais importante: Cague nos playoffs. É isso que eu tenho a dizer sobre essa performance. Coco de pombo do pior tipo.

Thais Soraya: Que escolha de música… estranha. Tipo, quando você depende do público para te salvar, escolha algo com o que eles vão se identificar e eu não sei se foi o caso. Reid já havia sido prejudicado com o combo no KO e combo nessa fase é matador, acaba com o act no programa. Então ele deveria ter compensado nessa fase e, bem, vimos que não foi bem assim, né? A escolha de segunda foi tão boa, uma música mega conhecida e hoje foi boring, básico e comum. Que pena, Reid, gostava tanto de você.

Thairo Luís Fernando: Para mim o Reid e o Prayor estão na mesma balança, a diferença é que o Prayor humilha ele. Digamos que o Reid começou com 20% da sua capacidade de exploração, e terminou com 15%, deu sono, não arriscou, ficou linear e cansativo. Nem tem muito o que falar, no meio de performances que irei baixar e passar pro iTunes, essa vai ser aquela que não vou lembrar nem de como foi.

[TEAM ADAM] Jackie Verna – “Once” by Maren Morris

Dam Maria do Bairro: Meu Deus, que hino de músicaaaaaaaaaaaaaa! Jackie V ressurgindo das cinzaaaaas. amei simplesmente tudo nessa performance, a voz caiu muito bem e a conexão dela com o que estava cantando também foi muito forte. O único defeito foi aquela desafinada no final da performance, mas, nada que tirasse o brilho dessa belezura de performance. Amei.

Thais Soraya: Jackie, espertinha, esperou o momento certo para fazer a sua melhor performance, é isso? Isso que é ser visionária, não é mesmo? Eu não sou muito fã da voz e do timbre da Jackie, mas hoje eu gostei da performance, de verdade. A música ajudou bastante, ela cria um clima meio dramático, que dá espaço para ela brilhar bastante. A música ajudou demaaaaaais, na performance e a Jackie, bem, ela arrasou quando precisou.

Thairo Luís FernandoA Jackie foi outra que se perdeu, veio de uma blind tao legalzinha para uma performance após a outra que não ficou nada memorável depois da apresentação, cadê o highlight dela? Ninguém achou. A performance de hoje foi boa, nada de excepcional, mas ela mostrou conhecimento da música, fez o necessário, mostrou que está lutando por um lugar na competição, eu gostei. Mas é aquilo, comparado a outros times, o que sobra? Para hoje ela foi boa.

[TEAM ADAM] Drew Cole – “Wild Horses” by The Rolling Stones

Dam Maria do Bairro: Não faz isso com a Sarah, por favooooooor. Porém, foi uma performance descente de se ver, nada excepcional, óbvio, mas comparado com as bombas que tivemos esses dias, ele foi muito bem e mais notável que segunda.

Thais Soraya: Mais um que sofreu com a escolha da música. Drew brilhou nos momentos em que escolheu músicas em que ele podia mescar sua veia pop rock com o soul e na música de hoje ele passou completamente apagado, porque a música não deu espaço pra ele se mostrar na performance. Uma escolha por algo acústico a essa altura do campeonato não é legal, porque enquanto o seu companheiro brilha com uma música animada ou com uma carga dramática, você passa completamente despercebido e o público precisa lembrar de você para querer te dar um voto.

Thairo Luís FernandoO típico candidato do Team Adam, ele foi outro que não consegui lembrar de momentos de destaque. Hoje ele foi bem, escolheu uma música do habitat dele, fez o que deveria fazer, mostrou controle, ligação sentimental com a música, trouxe afinação, passou originalidade. Não dava nada por essa performance mas gostei, não sei se seria o necessário, mas comparada nas anteriores de hoje.

[TEAM ADAM] Mia Boostrom – “Either Way” by Chris Stapleton

Dam Maria do Bairro: Mia maravilhosa né? Ela é uma das que tem a voz mais madura e que possui mais controle sobre a mesma. Em alguns momentos eu me incomodei com algumas notas que ela deu, mas a sua entrega foi tanta e sua emoção tamanha que mesmo nas partes gritadas você entendia que era necessário pela dor que ela estava transmitindo. Fiquei dividido mas direi que foi uma boa performance.

Thais Soraya: Minha gente, mas que desastre foi esse? Foi um festival de desafinações, que eu me senti envergonhada por ela, de verdade. Enquanto a Jackie escolheu o momento certo para brilhar, Mia errou no pior momento. Foi tão ruim, que eu não sei nem o que falar, só que sinto muito, de verdade.

Thairo Luís FernandoO que aconteceu com a Mia hoje? Essa desafinada no início, senhor foi horrível. Ela estava desconectada com a música e desafinada sem dó. Tentou dar uma de Aguilera mas sem o alcance necessário, me decepcionou hoje, pois para mim ela é a melhor do que sobrou do Time Adam. E ela já teria uma vaga garantida no TOP12, mas essa performance de hoje.. não tem como defender. Ficou só na aparência física semelhante da Madi mesmo.

[TEAM ADAM] Rayshun LaMarr – “I’m Going Down” by Mary J. Blige

Dam Maria do Bairro:  QUE SURRA!!!! Eu amo esse jeito exagerado do Ray e na segunda eu vou te dizer que senti falta dele mais por dentro do que estava cantando, porém, hoje ele voltou com a mesma energia daquele KO trazendo todo o James Brown que existe dentro dele e simplesmente arrasou. O que são aqueles pulinhos? E aqueles gritos no final? MIC DROPP!! Melhor sem dúvidaaaas.

Thais Soraya: Eu amo a energia do Ray, ele me contagia e é isso que me faz gostar das performances. Porque há tanta vida dentro dele e ele parece muito orgulhoso disso, sempre disposto a mostrar para todo mundo. É o tipo de act que eu não gosto, geralmente, mas tem alguma coisa no Ray que me encanta. E a performance de hoje foi, de longe, a melhor do time. Enquanto uns passaram despercebidos, Rayshun teve espaço para brilhar, sem nenhuma concorrência direta.

Thairo Luís FernandoISSSSSSSOOO!! Vai no chão mesmo que tu prometeu e cumpriu, outro que soube escolher a música certa, para o momento certo! Ele dominou o palco, me lembra o Jesse Campbell do Team Christina da S2, pulou no palco, brincou com a voz, não teve medo de arriscar, fez a Kelly ficar dançando, ENLOUQUECEU no palco, jogou notão, balançou a mão, me animou e despertou meu sono, lutou pela vaga e ARRASOU. Amei, vai que essa vaga é tua!

– – – – – – – RESULTADO #TEAMBLAKE – – – – – – –

SALVO: Pryor Baird

ESCOLHA DO BLAKE: Spensha Baker

Não! Eu não tenho o que dizer. Como Blake escolhe a Spensha e o maravilhoso do Wilkes fica de fora? Eu sinceramente encerro o Time do Blake aqui para mim.

– – – – – – – RESULTADO #TEAMALICIA – – – – – – –

SALVO: Jackie Foster

ESCOLHA DA ALICIA: Christiana Danielle

O mais dolorido, porém, o mais correto até então. Para ser melhor eu só deixaria a Kelsea no lugar no Britton, mas como nada é perfeito… Alicia tem acts maravilhosos em mãos, se souber trabalha-los bem, certeza que um ela leva para final.

– – – – – – – RESULTADO #TEAMKELLY – – – – – – –

SALVO: Kaleb Lee

ESCOLHA DA KELLY: D.R. King

Kaleb esperto em? Apelou, deu certo e agora está ai Tirando a vaga da Alexa, mas tudo bem, bola para frente que eu sei que esse já tem uma vaga na final. O D.R salvo pela Kelly não é surpresa nenhuma não é mores?

– – – – – – – RESULTADO #TEAMADAM – – – – – – –

SALVO: Rayshun LaMarr

ESCOLHA DO ADAM: Jackie Verna

Que tiro foi esse, viado? Jackie passando? Levei uma rasteira pesada, porém, muito justa. Ela foi uma dos destaques da noite e mereceu muito o voto de confiança do Adam. Acho que depois do da Alicia, o TeamAdam é o meu fave e tem os acts que eu mais gosto. Ray é o rei aqui e eu preciso vê-lo cantando Man´s World por favoooooor.

 

É isso mores, enfim chegamos ao fim dessa maratona de Playoffs onde tivemos um misto de emoções e muitas decepções, performances medianas, outras boas e algumas péssimas e o saldo final é de muitas, muitas decepções. Não sei o que esperar desse top12, mas sei que não espero muita coisa.

gostou da matéria? deixe um comentário!

Dam Souza

Baiano que tem caruru e vatapá no sangue, aquele que é o canto da cidade e só discute com quem entende de Inês Brasil.


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu