Posts Populares

The X Factor UK – S14E09/10 – Boot Camp

Ahh o Bootcamp, como eu amo essa fase. Olá minha gente, começando mais uma review do The X Factor e com o encerramento das audições da semana passada, ontem começou o Bootcamp. Vou ser sincero com vocês, fora a primeira semana, que foi a que eu fiz a review, eu não acompanhei as audições, as audições só servem mesmo pra me deixar uma boa ou ruim primeira impressão, aqui no Bootcamp as coisas já são mais diferentes. Primeiro que os artistas têm que trabalhar em grupo, segundo que aqui a gente vê realmente quem é quem, os que fazem drama, as cobras, quem ajuda, quem só pensa em si mesmo e claro o melhor dessa fase que são as tretas que nessa fase não foram poucas kkk.

Se por um lado tem isso tudo de positivo, temos o lado negativo também. Muitos artistas que foram exibidos nas audições acabam sendo esquecidos aqui pela produção. Nessa fase muitos, acho que foi a maior quantidade desde as 3 últimas temporadas que acompanho, foram esquecidos e não temos a menor ideia se foram eliminados ou se continuam na competição. Esse ano o bootcamp foi dividido em duas fases: A primeira é a fase de grupos, onde num imenso mural com uma grande quantidade de músicas os participantes correm e pegam a música na qual vão cantar, bem Jogos Vorazes mesmo sabe? Tem os ensaios, a performance em grupo e os que mais se destacam vão para a fase solo, podendo passar todos ou ninguém.

Nesse episódio comenta comigo Ives e Thairo, então partiu review.

[GROUP 1] Kevin Davy White, Tommy Kendall, Rebecca Kelly & Anthony Russell – Let It Be

Válber: Aparentemente o grupo foi bem formado, Kevin arrasou na música, Rebecca teve problemas desde o ensaio e pra mim já tinha ficado claro que ela seria eliminada, Tommy pra mim fez o feijão com arroz, mas bem temperado, o que eu quis dizer é que ele fez o básico, mas fez bem feito e agora uma dica que eu aprendi nessa performance, não tome energético ou algum tipo de adrenalina antes da performance, muito obrigado Anthony por nos ter ensinado isso. Sério gente, ele não estava puro naquela performance. Nem em uma versão reggae que eu vi uma performance o artista dançou. Enfim, o que parecia óbvio que era Kevin e Tommy passarem não aconteceu. Kevin e Anthony (??) foram aprovados e Rebecca e Tommy saíram, achei injusto Tommy sair agora, só pra deixar bem claro.

Ives: Gente do céu, esse Anthony estava no brilho, ele parecia eu no Telles depois de 5 antarctica ao som de Little Mix. Eu estou até agora tentando entender o porque dele ter passado, “let it be” se trata de esperança, paz e não faz sentido cantar se mexendo como se tivesse tocando “i gotta felling” em início de festa de formatura. Pra mim quase todos do grupo foram ruins, o único que merecia passar era o Kevin e pelo menos com ele os jurados acertaram.

Thairo: Com a audição do Anthony fiquei meio na dúvida se ele seria alguém bom de acompanhar ou se tornaria um daqueles candidatos datados, e como não ficar datado cantando Let It Be na versão original? Difícil. O restante do grupo acho que não foi mostrado na Room Auditions, pelo menos eu não lembro. Começou bem, depois as harmonias ficaram confusas, e a moça esqueceu uma parte da letra, o Anthony estava nervoso e animado ao mesmo tempo. Achei uma bagunça que não foi boa, gostei do grave do Kevin e acho que ele irá se empenhar.

[GROUP 2] Brad Howard, El’Tee, Elysa V & Sam Black – Locked Out Of Heaven

Válber: Estou completamente indignado com esse grupo, como que podem errar uma música tão fácil como essa!? Parece que pegaram essa música por pegar ou por ser conhecida. Não encaixou na voz de ninguém, NINGUÉM.  Estou bem chateado com esse grupo, decepção define.

Ives: Antes de comentar dessa performance horrível, eu gostaria que vocês vissem as versões da Khaya Cohen e da Reigan Derry. Sobre a performance, pra mim só a menina teria passado, mas claramente eles têm muito interesse no Sam e para não ficar feio passar ele após essa performance horrível, eles passaram todos.

Thairo: Gostei da entrada da Elysa, já pro El’tee totalmente fora do tom. Foi uma boa pausa do Simon pois a música realmente não os favoreciam, porém eles ficaram prejudicados pelo fator surpresa mas isso já acaba servindo de teste para ver se eles estão prontos. Com isso Sam Black esqueceu a letra, acredito mais no fato dele não saber a letra e não ter estudado a canção, mesmo assim conseguiu me dar uns arrepios e consigo ver algo a mais de estrela nele.

[GROUP 3] Taliah Dalorto, Georgina Panton, Peter Warwick & The Cutkelvins – Ain’t No Mountain High Enough

Válber: Da vontade né Group 2?? Esse grupo aqui arrasou e a música caiu bem para todos, ou melhor, quase todos, vamos concordar que Peter só estava ali pra compor elenco né. Minha gente o que foi Georgina nesse grupo, amei real e cada vez mais ganha minha torcida. The Cutkelvins foi o grupo de Runnin né, deles eu cheguei a ver e curti eles aqui também. Foi bem legal a interação deles com o grupo.

Ives: Georgina rainha, o resto nadinha, é isso mesmo produção? Apesar de concordar com os que passaram, a Georgina realmente pegou a performance pra ela e os Cutkelvins me decepcionaram de novo, eu vejo muito potencial nesse grupo, eles têm o visual, a voz, a presença, mas ainda falta algo, sinto eles muito presos, gostaria muito de vê-los com algo atual e animado.

Thairo: Georgina e The Cutkelvins prometem muito para mim, a música casou certinho com ela pelo tom e notas que ela pode alcançar e a agitação da música com a personalidade dela. A parte da banda não ficou tão boa, mas pelo que eles representam e já mostraram tem muito o que fazer ainda e podem ir muito longe no show e fora dele talvez.

[GROUP 4] Harry Davidson, Scarlett Lee, Jack Smith & Daniel Quick – History

Válber: Que tédio me deu esse grupo. Muita história, pouca performance, Daniel foi o destaque do grupo e só. Ainda quero ver mais desses participantes.

Ives: Eu sempre tenho que assistir várias vezes as performances dessa menina porque sempre fico preso a essa maquiagem horrível dela, gente, me dá nervoso e ela é maquiadora profissional, ela precisa de ajuda da produção. Harry não te conhecia, mas já te amo, por favor, salva essa categoria. Daniel, por favor, saia do meu X factor.

Thairo: Scarlett já chegou com a full voice, o Harry com o grave dele que não sei de onde veio, de cara o melhor grupo até agora. Além da presença do que para mim seria um dos underdogs da temporada que é o Daniel Quick cujo mandou bem e mereceu avançar assim como os colegas.

[GROUP 5] Charlie Cammish, Riley Peters, Jack Morgan, New Dynamixx & Rak-Su – 24K Magic

Válber: Esse grupo foi mais pra mostrar o Rak – Su mesmo né. Não foi a melhor escolha da música pra eles, enrolaram bem ao meu ver o resto não deu pra ver muito mas foi bem agradável ver a animação, todos bem descontraídos, completamente o oposto do Group 2.

Ives: Apesar de ser uma performance em grupo e terem passado mais gente além deles, essa performance serviu só para enaltecer o Rak-su e mostrar que muito provavelmente eles vão longe.

Thairo: I’m felling you (Rak-su) dominou a canção, porém já tô com medo de todas as performances deles serem semelhantes com o beat. O que foi o chapeuzinho amarelo dando aqueles pulos lá?

[GROUP 6] Chloe Rose Moyle, Karen Mullan, FAE & Holly Tandy – Ex’s & Oh’s

Válber: É óbvio que foi só pra mostrar Holly mesmo né. Mas o grupo ficou bem legal, inclusive quero ressaltar ao grupo FAE que fez uma homenagem belíssima a um desenho que fez parte da infância de muita gente né, que foi o Power Rangers, sério gente cada uma com o mesmo vestido de cor diferentes foi inevitável não achar parecido.

Ives: Minha Cece Fray tá vivíssima, desde as audições eu vi que essa garota era diferente e graças a Deus eu estava certo, olha que voz gente! Ela tem o pacote completo, já quero vê-la dançando nos lives. HOLLY EU TE AMO!!

Thairo: Holly é linda e canta muito, é mesmo a Louisa 2.0 a música casou direitinho com a voz dela, e o grupo todo feminino acabou tendo uma vantagem com essa música e para realizar em conjunto.

[GROUP 7] Aidan Marin, Liia, Caroline Widdows & Jodie Woolcott – Symphony

Válber: EU AMEI ESSE GRUPO E VOU VENERAR ATÉ O FINAL DA TEMPORADA SIM. Não é novidade que tem participantes que são esquecidos nas audições mas ganham destaque no Bootcamp (quem não se lembra de Gifty na season 12) aqui quem ganhou destaque foi Jodie e Liia. Nesse grupo teve um certo impasse com quem ficava com o refrão, Jodie “cedeu” o refrão para Liia dizendo que o refrão não era pra ela, que não tinha alcance pra isso. Liia mesmo assustada pegou o refrão. Eis que no dia da performance, no ensaio antes da apresentação Jodie canta o refrão com vozeirão (no vídeo é na parte 1:45) o melhor é a cara de Liia ao fundo kkkkk. Como diz o Ives, GENTE ELA FOI TÃO IMUNDA QUE NA PARTE QUE A LIIA ENTRA COM O REFRÃO ELA RI. É por essas e outras que eu amo o Bootcamp, ficou claro que Jodie faria de tudo pra continuar na competição e mesmo ela tendo essa super confiança artisticamente ela é ótima e por mim já tinha vaga garantida nos lives. No fim das contas Jodie derrubou Liia que foi eliminada junto com Caroline, já Jodie e Aidan continua na fase solo.

Ives: DA ONDE SAIU ESSA IMUNDA??? Eu to rindo tanto dela gente, não canta nada, mas tá ali se achando e rindo da cara de quem erra (amei essa parte), muito provavelmente não vai longe, mas serviu pra me divertir.

Thairo: O que foi essa audição de Dua Lipa não exibida? Apesar de não ter sido tão boa, mas quero na minha mesa p assistir, AMEI a audição do Aidan inclusive queria baixar a música desde quando foi exibida. Voltando para o grupo e a performance de hoje, não gosto de pessoas que querem rebaixar as outras para se aparecer e acho que isso acaba prejudicando a performance no geral, a música casou com a voz da Liaa e do Aidan, a Jadie pecou um pouco no exagero, e no final a performance desandou um pouco todo o grupo fazendo perder o encanto inicial, acho que a Liaa merecia uma chance.

[GROUP 8]  Ginny Lemon, Doctor Woof, Russell Jones & Descendance – You Spin Me Round

Válber: Um grupo só com joke e Russell Jones. Todos do grupo bem preocupados com a performance, mas quando foi pra valer virou uma bagunça generalizada. Realmente só deu pra salvar Russell. Ahh já ia esquecendo, dava pra salvar mais gente também. Descendance que é uma dupla de mãe e filha, a mãe é terrível, mas a filha claramente tinha qualidade. Simon propôs que a filha continuasse na competição sozinha e pasmem vocês, a mãe cogitou de não deixar e depois de um rio de lágrimas e muito drama a filha continuou.

Ives: EU ODEIO ESSA MÃE!!!!! Que ódio de vê alguém tão egoísta, eu já havia pegado ranço dela antes, mas agora só aumentou, tudo bem que no final ela aceitou, mas era pra ter aceitado na hora, foi ridículo e tenho certeza que muita gente pegou um ranço enorme dela. Brilha sozinha garota, fica famosa e se afasta dessa mulher.

Thairo: Dois Joke juntos cantando essa música? Isso foi armado, não é possível haha. Lembro do Russel, porém para ele essa escolha foi horrível, assim como Descendance que acho que deveriam seguir como cantoras solos no Girls e Overs. Por que a mãe não desiste logo pega e tenta um The Voice da vida, por que no XFactor ela não vai conseguir muito nessa bancada pelo menos. Realmente o brilho da filha é maior, porém acho que a mãe conseguiria pelo menos até o 6CC sozinha talvez.

[GROUP 9] Natalie Lomax, Alisah Bonaobra, Rai-Elle Williams & Gaga Lord – We Belong Together

Válber: Ai gente e vamos com mais drama. O grupo parecia ter se encaixado legal, mas a escolha da música comprometeu muito o vocal delas. Rai Ellie apenas tinha passado, Natalie e Gaga já tinham se conformado, mas Alisah não. Eu não gostei desse drama de querer por querer passar e tudo mais, isso pra mim remete a não saber perder. Enfim Alisah acabou passando.

Ives: Quando o ranço se instala, nada faz voltar, eu já quero essa filipina bem longe do meu reality. Por que ela foi a única a receber segunda chance? Foi ridículo, como eu já odeio essa garota, aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa que raiva que eu estou e essa maluca ainda vai estragar meu top 3 de girls. RIDÍCULO!!!!!

Thairo: As duas filipinas overs com vozeirão juntas? Outra armação não é possível novamente, quase uma batalha do The Voice isso. Rai-ele foi a que chegou toda diferentona nas audições né? Ela teve um diferencial ótimo antes, a música talvez não tenha combinado tanto com as quatro, mas mesmo assim a Alisah conseguiu tirar leite de pedra e merecia avançar, além da vontade de continuar e a luta por isso que eu admiro.

[GROUP 10] Deanna Mussington, Chelsie May, NQ & Rebecca Grace – Love On Top

Válber: Achei que o grupo foi bem, mas fiquei triste por Rebecca, teve uma audição tão boa e caiu de rendimento aqui. Deanna foi o destaque pra mim, não tinha visto a audition dela, Chelsie e NQ não foram exibidas cantando. Mais uma que é eliminada pela escolha da música.

Ives: Simplesmente não entendi, as duas foram ruins e tiveram o mesmo erro, apesar de amar a Rebbeca, nenhuma das duas merecia ter passado, Deanna pra mim tá de conchavo com a produção.

Thairo: Falando em versões 2.0 temos a da Kelly Clarkson que inclusive cantou a música mais emocionante da própria na audição e hoje não foi tão bom quanto antes mesmo merecendo um voto de confiança. O mesmo serve para a Deanna.

[GROUP 11] Grace Davies, Lloyd Macey, Gregor Coleman & Spencer Sutherland – Say You Won’t Let Go

Válber: Apesar de tudo e dos erros que cada um teve aqui eu gostei do grupo. Grace não entregou os melhores vocais, mas foi a que eu senti mais emoção, já Spencer entregou o melhor vocal do grupo, gosto de Lloyd mas ainda não acho isso tudo, Gregor foi ok.

Ives: Então, o grupo dos 4 que tiveram destaque, mas não mereceram, vamos por parte. Grace se mostrou o que Eu já esperava, alguém extremamente limitado e que pra encaixarem sua voz na música, ela terá que desconstruir a música inteira. Spencer ouviu minhas preces e parou de forçar algo que não era ele, viu como combinou mais? Foi genérico? Sim, mas foi melhor que antes? Sim. Lloyd mostrou que não é ninguém sem sua vó e Gregor nem quero comentar.

Thairo: Grace maravilhosa como sempre, a música super combinou com o Spencer no tom certíssimo. Lloyd mandou bem, mas poderia ter sido melhor. No geral o grupo surpreendeu e todos acabaram merecendo passar, poderia ouvir isso por uma hora e meus ouvidos gostariam do que estava sendo mostrado. Gregor pode vim a surpreender – ou não – mas curto bastante o estilo que ele demonstra. Não brinca com o nosso coração não Sharon por favor haha.

PS: Cadê o grupo que cantou Ain’t No Other Man?

.

E foi aqui que aconteceu mais uma surpresa. Se em temporadas anteriores eram dedicados quase 2 episódios inteiros a fase de grupos aqui muito mal foi um só. E o fim da fase de grupos nessa temporada ocupou quase 70% do episódio, surpreendendo o público, porque MUITA gente foi deixada pra trás aqui, não era pra eu me surpreender, mas é que não chegou nem a ter os combos de 10/15 segundos que só mostra o candidato cantando um verso e sendo aprovado. A próxima fase é o Bootcamp solo, depois de vermos como os participantes trabalham em grupo, e ter uma noção de quem é o artista, tá na hora deles mostrarem que são bons o suficientes para o 6 Chair Challenge.

Matt Linnen – If I Were a Boy

Válber: Um que foi esquecido na fase de grupos, mas foi lembrado aqui. Matt tem uma voz bem rouca e que cairia bem num rock clássico, mas ele resolveu ousar e vir com um dos sucessos de Beyoncé. Tendo em vista o tipo de voz, o arranjo e a pressão que ele tinha em cantar para o público ele foi muito bem, não seria uma versão que eu cairia de amores, mas foi o suficiente pra aprovar.

Ives: Será que teremos o terceiro Matt campeão? Ele melhorou bastante desde a audição, mas eu ainda achei ele comum, não vi algo que realmente me chamasse a atenção, mas como ele é bonito e tem voz rouca, tem chances reais de vencer.

Thairo: Gostei que inseriram a Arena Auditions dentro do bootcamp, é importante o contato com o público em geral. Dito isso chegou a hora do colírio para nossos olhos, falando nisso que olhar. Isso é favorável para ele pois já gera uma conexão imediata. A boca dele tava roxa de nervosismo? Senti um pouco disso na voz, porém ele conseguiu se manter linear com mudanças certeiras na voz, espero vê-lo sem o violão e desenvolvendo mais o corpo antes dos lives caso ele avance.

Shanaya Atkinson-Jones – Dance With My Father

Válber: Vamos voltar com esse cabelo cacheado, suavizar a maquiagem e tirar o boné, boné é só pra quem pode (oi Caitlyn Vanbeck). Desde as audições ela tem esse estilo mais emocional, vulgo Drama Card, mas eu não consigo gostar. Eu quero ver versatilidade, variações a cada performance, algo que supere a cada rodada. Não vi muita diferença daqui para a audição, não gostei. (Uma coisa que eu disse na review das audições e vou ressaltar aqui, eu procuro não saber das histórias de vida dos participantes porque geralmente me influencia na avaliação do vocal, sim, eu sei sobre a história dela e que ela cantou para seu pai)

Ives: Pode me chamar de insensível, mas quando vez que ela usa o plot de adoção eu pego mais ranço, em tem 19 anos e foi adotada com 3, foram 16 anos com uma vida maravilhosa, simplesmente não consigo me apegar e pra produção ficar insistindo tanto nisso é porque estão sem pouquíssimos dramas.

Thairo: Como ela mudou desde a blind audition fisicamente falando, não é todo mundo que está apto a cantar Christina Aguilera que é a maior voz de uma geração como ela fez, mas cantou bem. A música de hoje acho que combinou com a história dela, porém não me senti conectado. Houveram pequenas falhas, porém notas certeiras nos momentos adequados o que gerou uma boa performance, nem nada extraordinário nem nada ruim, uma nota 8.

Jodie Woolcott – Me Too

Válber: O grande destaque da fase de grupos retorna nessa fase. Ela tem estilo, tem pose de artista, mas na fila da humildade ela não passou. Apesar de gostar desse jeito afrontosa dela, já era de se esperar que caso ela continuasse na competição ia causar dor de cabeça demais aos jurados e a produção. Aqui Jodie cantou uma música que dentro do que ela mostrou que sabe fazer foi fraca. Ela podia facilmente cantar How Ya Doin ou até mesmo Look What You Made Me Do. E o excesso de confiança dela foi o que a eliminou. Mas tenho que reconhecer que mesmo sendo precoce e ganhado destaque em apenas um episódio ela deu um up na temporada com a melhor treta até aqui.

Ives: Quero deixar claro pra vocês leitores que essa menina pode fazer a melhor apresentação do X factor que eu vou arranjar algo pra criticar. ISSO AQUI NÃO É THE VOICE BEBÊ, que escolha datada, sem nexo algum, mas uma vez não merecia passar. Vocês veem ela no mercado atual? Porque é pra isso que o X factor serve, ela nunca vai fazer sucesso, é perda de tempo pimpar tanto.

Thairo: Isso dela ser tão prepotente me incomoda, não é excesso de confiança, mas algo de se sentir superior. Meio que algo como Mason Noise, acho que em um momento ela vá fazer a mesma no programa. A música disse por si só e as adaptações que ela fez só confirmaram, mereceu e bem dado o não.

Alisah Bonaobra – Defying Gravity

Válber: Depois daquele drama todo na fase de grupo e conseguir uma vaga implorada quase que de joelhos Alisah vem pra ser pimp nesse episódio. Mas não vou avaliar com base no que ela fez anteriormente. Surpreendam se, Alisah tem 22 anos, e parando pra analisar aqui, esse estilo Diva Powerhouse acontece mais em quem é Over. A execução foi impecável, ela cantou muito mesmo, mas as vezes me pergunto, quando ela vai deixar de fazer algo com powerhouse, com notas extremas e tudo mais? Alisah conseguiu obviamente uma vaga para o 6 Chair Challenge, inclusive tem grandes chances de passar, mas se ela seguir nesse estilo competindo com Girls, relativamente, mais forte, ela não chega aos lives.

Ives: Quero deixar claro pra vocês leitores que essa menina pode fazer a melhor apresentação do X factor que eu vou arranjar algo pra criticar. ISSO AQUI NÃO É THE VOICE BEBÊ, que escolha datada, sem nexo algum, mas uma vez não merecia passar. Vocês veem ela no mercado atual? Porque é pra isso que o X factor serve, ela nunca vai fazer sucesso, é perda de tempo pimpar tanto.

Thairo: Comecei a amar essa música depois de uma versão do The Voice e de Glee, ela é apta a deixar o intérprete flutuar pela letra e levar notas altas e baixar em uma intensidade impressionante. QUE VOZ Brasil, amei na voz dela e queria para baixar. Só de pensar que o Simon e a bancada quase eliminou ela que ficou em 2º lugar no The Voice Filipinas, AMEI. Mais que perfeita a forma de fechar a primeira noite do Bootcamp com o sorriso da Nicole e o Simon olhando agradecendo.

Sean and Conor Price – Beggin’/Sing

Válber: Quem é Sean and Conor comparado a Max Milner e Bill Downs?? Primeiro que Beggin é uma das músicas mais difíceis em cantar em realities, segundo que eu acho eles genéricos demais, já vi duplas semelhantes e até melhores que eles. Já em Sing deu uma certa melhora, mas ainda não achei o suficiente para a próxima fase.

Ives: Eles têm algo que capta a paixão do público. Tinha achado eles indiferentes na audição, mas me vi torcendo para eles passarem, simplesmente alguns participantes tem isso, o famoso likeability. Eu tenho certeza que o Valber vai mencionar a batalha favorita dele do the voice uk, mas como ouvimos pouquíssimo, não tem como analisar, já a segunda música achei apenas ok, como na audição. Não consigo vê-los no mercado atual e nem fazendo algo relevante nos lives.

Thairo: Eles possuem estilo e carisma onde sozinhos não seriam muito, porem juntos os dois acabam com um teor diferenciado e um atrativo para o show que não sei como funcionaria na indústria musical em si. A música realmente não combinou, mas as vozes deles estavam boas e mereciam a chance de tentar novamente e continuarem pois possuem algo a mais que é cativante. O que eu me pergunto é se sempre vai ser nessa dinâmica do outro irmão vim só na parte do rap e no violão, se vai ter algo diferente nas perfomances deles pois alguma hora irá cansar.

Jack Mason – It’s A Man’s Man’s World

Válber: Quando eu vi o nome da música eu achei que era um baita cantor, mas não, estava enganado. Inclusive acho que ele foi super esperto, ousou na escolha da música, mas fez pouco com o vocal, não exatamente pouco, mas também não decepcionou sabe.

Ives: Como eu amo meu reality, dão até VT para quem nem apareceu nas audições, só rindo mesmo. Foi ruim? Não, mas não teve nada de diferente, eu já vi milhares de performances com a mesma música melhores que essa, até mesmo a do negro francês nas audições. Ele é extremamente sem graça, parece ser esforçado, mas não o suficiente para se destacar.

Thairo: Depois de tantas versões maravilhosas dessa música eu sou meio suspeito para analisar, gostei da rasgada logo no início que ele deu porém faltou algo explosivo como a Aguilera e Louisa abordaram. Não entendi esses aplausos em pé dos jurados (o que é a primeira vez que é exibido nessa temporada).

The CutKelvins – Get Down On It

Válber: Até aqui achei a mais fraca deles, isso me assusta porque a audition deles foi ótima e são grandes nomes da categoria que representam. O grupo tem uma certa harmonia que é legal de ver, mas tem performances que deixam a menina mais em evidência realmente. Apenas ajustar as divisões das vozes nas músicas que tudo se ajeita.

Ives: Essa para mim foi a melhor performance deles até agora, mas ainda espero eles mostrarem todo o potencial que eu consigo ver, foi bom, mas eu quero algo bem urban. A garota como sempre se destacando, mas discordo dos jurados, ela sozinha não seria isso tudo. Ansioso para cantarem “no church in the wild” e “take care”.

Thairo: Talvez o melhor grupo venha daqui, a menina realmente é espetacular porém dessa vez achei tudo meio brega e fora do contexto para eles, chegando talvez a ser datado. Imagino eles cantando Hold On We Going Home e indo bem com as harmonias.

Gary Barker – Tennessee Whiskey

Válber: Achei que ele foi bem, curti a performance dele. Tem uma voz que eu gosto, encaixou bem na música e soube passar a mensagem necessária.

Ives: Ainda não entendi o porquê de ele estar sendo tão pimpado, se não me engano ele até pegou pimp nas audições, ele é muito sem graça, não apresenta nada de diferente, fez uma performance bastante karaokê. Próximo.

Thairo: Consigo compará-lo a tantos cantores de sucesso que não sei até que ponto isso é bom ou ruim, pois ao mesmo tempo vejo muitos desse estilo em programas de talentos, não me conquistou.

Holly Tandy – Sing Of The Times

Válber: Mais uma que ousou na escolha da música e quem diria, ela foi muito bem. Pecou no início da performance por ser muito abaixo do tom pra ela, mas quando a música ganhou força ela se soltou e foi muito bem. Não é minha favorita da categoria Girls, mas estou ansioso pra ver o que ela vai trazer no 6 Chair Challenge.

Ives: AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA AMO!!!!!!!! Como a Rebbeca saiu, todo meu amor foi para Holly, foi sua melhor performance? Não, mas calou a boca de muitos que falavam que era seria datada, aprenda @Alisah. Minha bichinha é tão querida que recebeu até parabéns da plateia, segura esse plot!!!! Acredito que depois disso ela seja certa nos lives.

Thairo: Um dos destaques da temporada até aqui para mim e acredito para o próprio show pelo destaque que ela vem tendo com tempo de tela, essa menina é simplesmente incrível. Achei no início que a música iria prejudicá-la pela batida mas ela conseguiu manter-se e imagino ela avançando e vindo a cantar na final em Dezembro caso tenha um jurado adequado ajudando ela.

Sam Black – Runaway

Válber: Curti a escolha da música, mas ele é MUITO genérico e não tem tanto vocal assim. Os jurados ainda deram chance pra ele desde a fase de grupos, mas não adiantou de nada. Aliás, adiantou sim, Sam pediu sua namorada em casamento diante de toda a plateia, ela aceitou. É como o Simon disse: “Você pode ter levado não aqui, mas ganhou um sim pro resto da vida”.

Ives: Realmente não entendi, pensei que os jurados queriam ele pelo menos no 6cc já que passaram ele mesmo com aquela apresentação horrível em grupo e eliminam ele do nada, tudo bem que não foi a melhor performance do mundo, mas achei que dava pra passar, pelo menos ele ganhou o sim mais importante.

Thairo: Seguido por outro em que a câmera tem um atrativo e consigo entender o motivo, ele acaba prendendo o nosso olhar ao vídeo. Como assim ele tem 27 anos? Fiquei igual a plateia no “oooooh” quando ele falou do bebê, a performance de hoje foi mais ou menos. Apesar de gostar do drama gerado pelo Bootcamp mas acaba sendo algo muito corrido e que prejudica os candidatos e podemos ver isso em várias perfomances assim como essa. É notável a diferença da versão acústica que ele realizou, melhorou muito a primeira porém fico na dúvida sobre o seguimento dele. Com esse final dele pedindo ela em casamento mesmo sem passar? Meu coração derreteu e eu fiquei apaixonado com “I can take a yes off you?”.

Berget Lewis – A Song For You

Válber: Acho que Berget o mesmo que eu achava de Relley C na última temporada. Eu sempre falo que não curto ver audições e tudo mais por não gostar de ver a história do participante, mas o público em geral até gosta porque gera identificação, a gente passa a torcer por ele. Infelizmente no caso de Berget ela não foi exibida nas duas primeiras fases ela não tem ainda muita torcida como por exemplo Emily e Grace tem. Ela foi muito bem, arrasou nos vocais.

Ives: Como eu amo essa música!!!!!! Eu a critiquei na audição chamando de genérica e minha opinião não mudou por completo, mas achei tão fofo ela se apresentando para o público que me simpatizei e amei o modo como ela construiu a música, mostrou bastante técnica. A produção fez meio que uma comparação com a que não passou e deu para perceber que eles estavam tentando dizer que ela não era karaokê. Se for para os lives, irá disputar votos com a Alisah, espero que esmague a filipina.

Thairo: A última que teve a audição exibida certo? Lembro que gostei dela e do alcance, amo powerhouses e não é por menos. Aqui temos uma songchoice escolhida certa, que ela pode atingir os objetivos para conquistar o público e a plateia já que a música cresce gradativamente e acredito que a cara da Nichole + Sharon definiu a todos enquanto ela cantava, a execução não foi 100% mas ela fez o necessário para agradar e garantir a vaga no 6CC.

Karen Kennedy – Chains

Válber: Eu ainda acho que ela ta tentando o reality errado, acho que num The Voice ela se sai melhor. Até porque não achei lá essas coisas todas para o The X Factor.

Ives: Muito karaoke né gente? Completamente sem graça, não devia nem ter passado nas audições.

Thairo: Não tenho muito o que falar, não senti nada, não gostei, achei genérico e datado, não me ganhou e ficou parecendo um Karaokê em um palco grande te julgando. Apenas acho que ela seria engolida por toda a competição e foi melhor sair agora.

Jordan Rabjohn – Souvenir

Válber: Essa música é tão boa, dá até pra viajar ouvindo ela. Jordan foi outro que ousou, não em trazer o diferente, mas ser original, por enquanto uma das melhores originais não superando Grace e Rak-Su.

Thairo: Outro que mudou fisicamente e eu meio que não reconheci, vi que inclusive ele tem vídeo clipe para a música dele México. Não sei o tanto que ele pode prometer pro show talvez até como um joker act talvez (?) mas hoje ele demonstrou um lado diferente que eu gostei e achei fofo do pai cantando junto a música e é algo que acaba contagiando todos a sua volta.

El’Tee – Search and Seek

Válber: Eu odiei ele na fase de grupos e aqui não foi muito diferente. Eu vejo uma certa qualidade nele, mas fora ele ser travado demais, ele não é muito bom na parte melódica da música, quando entrou o rap e estava começando a ficar interessante Simon para a apresentação.

Ives:  Por que mostrar isso gente? Perda de tempo, invés de mostrar alguém importante, fica me fazendo perder tempo.

Thairo: O ritmo ficou estranho com a letra, a batida não combinou e foi o momento errado para isso também, uma revisão de como ele deveria ser seria bom com uma repaginada, mas não consigo ver o Star Quality.

Benji Matthews – Sweet

Válber: Não sei se vocês lembram, mas já falei dessa performance várias vezes na review, mas performances assim só me lembra Second Hand High com Ask To Me Dance. A música é bem estranha, mas não é que é boa. Benji muito confortável com seus vocais também, gostei.

Ives: Que coisa mais fofa!!!!!! Eu acho tão fofo quando ele ri, foi esse cara que inventou o rindo de nervoso, ele tem um likeability enorme, essa imagem despojada de quem não se importa com a beleza imposta faz ainda garrar mais amor. A canção é realmente boa, tem um crescimento e seus vibratos não me incomodaram tanto. Em 2013, o vice-campeão foi o Nicholas McDonald e ele se parecem demais, sendo que o Benji é muito mais simpático. Em uma categoria tão fraca esse ano, ele tem chances reais de lives.

Thairo: O menino dos variados sorrisos na audição, lembro de ter simpatizado com ele. Possui certa facilidade com o palco, tendo presença e gostei da original song ele passa sentimentos bons que alegram a pessoa e fazem querer dançar e cantar junto, de mover o corpo.

Georgina Panton – Sweet Dreams

Válber: Essa pra mim é a pior dela, mas foi melhor que boa parte das performances de hoje. Uma palavra define bem Georgina: originalidade. Me digam que consegue fazer uma versão de Love On The Brain, nas auditions e depois Sweet Dreams, sem parecer a cantora original. Cada vez mais ela ta pegando força e torcida. Bom assim porque quero ver ela nos lives

Ives: Eu realmente não esperava que a produção desse o pimp para ela, mas eu gostei, a apresentação passou longe de perfeito devido as desafinações grotescas, explicadas por ela devido ao demais uso da sua voz, mas sua força e vontade ao cantar, mascarou um pouco tudo isso, ela realmente quer estar ali e ela vai lutar, ansioso por  sua performance no 6cc.

Thairo: Seguido por outra que é cativante, animada, alegre e vários adjetivos a simpatia que ela exala. Não consegui sentir a dificuldade dela, é o tipo de pessoa que tem personalidade sem se impor e faz com que você queria e torça por ela com positividade, além de explorar o palco maravilhosamente. Boa representante para as Girls, tornando a competição mais difícil para as suas concorrentes. E o que foi ela comemorando no final brasil?? ESSA MULHER É DEMAIS! Espero que não seja tombada, pois tem de tudo para arrasar Ao Vivo.

————- CONSIDERAÇÕES FINAIS ————-

E é isso minha gente, várias e várias performances em dois dias de bootcamp. O que dá para destacar aqui foi a passagem relâmpago e a treta de Jodie, a treta da mãe e da filha, o drama de Alisah e Georgina cada vez mais forte na competição. Amei a fase de grupos esse ano, apesar de bem rápido. O que vocês acharam dessa semana no XFactor, comentem aí e até a próxima review.

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

  • Vinicius Ribeiro

    Olhaa se Holly não for para os lives irei ficar muito irado, já basta ano passado a decepção de ver Caitlyn eliminada a um passo dos lives…

    • Valber Ferreira

      Eu penso o mesmo sendo que com Grace, é muito raro eu gostar de uma participante alternativa/indie então quero ela indo longe sim hahahaha

  • Fernando Costa

    Holly claramente nova Perry <3 Grace quero mais músicas originais dela, Deus abençoe sempre <3

    • Valber Ferreira

      Grace e Holly grandes nomes da temporada <3

  • Brunna Melissa

    Para você que está atrás da tela de um computador se achando o Simon Cowell brasileiro, deve ser muito fácil julgar alguém na posição da Alisah. No entanto, eu gostaria que você pesquisasse um pouquinho sobre a vida dessa guria antes de tirar conclusões precipitadas.

    Alisah Bonaobra nasceu no seio de uma família extremamente pobre e passou boa parte de sua vida vendendo comida nas ruas para sobreviver. Se você jogar o nome dela no YouTube, facilmente encontrará vídeos da mesma toda maltrapilha cantando em shoppings para conseguir visibilidade e alguns trocados. Tenho certeza que ela abriu mão de MUITAS coisas para participar desse programa e sei que está depositando todas as suas fichas na esperança de conseguir proporcionar à família uma vida mais digna.

    E aí eu te pergunto: como você se acha no direito de criar “ranço” por alguém que está batalhando e correndo atrás de seus sonhos? Ela não me pareceu arrogante ou má perdedora, e sim uma moça que conhece seu potencial e extremamente disposta a evoluir na competição. Devo te lembrar, ainda, que Simon não a passou de fase por ter ficado comovido, e sim porque a escutou cantando um trecho acapella de We Belong Together em frente à Nicole. Saara Aalto passou por uma situação semelhante no ano passado e – mesmo tendo sido duramente criticada pelo público britânico – conseguiu dar a voltar por cima e mostrar o seu valor.

    O maior problema de vocês é com o fato de Alisah ser filipina. Se ela fosse uma outra loirinha dos olhos claros como Louisa Johnson, ninguém estaria criticando a mesma por cantar músicas datadas (ou será que devo te lembrar que Louisa foi idolatrada desde o início cantando versões gritadas de músicas como Who’s Loving You e And I Am Telling You?). Se ela tivesse uma aparência condizente com a de qualquer popstar do Ocidente, a história seria outra.

    Acho que tá faltando um pouquinho de coerência e empatia. 😉

    • Valber Ferreira

      Brunna, primeiramente fico muito feliz em você dedicar seu tempo comentando a nossa review, mas vamos aos pontos. “(…) Alisah Bonaobra nasceu no seio de uma família extremamente pobre e passou boa parte de sua vida vendendo comida nas ruas para sobreviver. (…)”. E é exatamente por casos como esse em que eu não acompanho auditions, você conhece a história do artista e tudo o que levou a ele a chegar até ali. Histórias como de Alisah, Shanayah, Anthony são realmente tristes, mas diante de uma performance eu, Valber, não vou avaliar candidato por história de vida e sim pela performance que ele está executando, a voz, a presença de palco e tudo mais.

      Ah e eu não preciso me achar o Simon porque graças a Deus eu tenho uma coisa chamada personalidade. Sim, é a minha opinião. Sim, eu realmente penso isso e eu não preciso me espelhar em qualquer jurado que seja pra dar uma opinião de cunho pessoa e você tem amplo e total direito de discordar. Tudo o que foi escrito na review foi o que eu vi na hora e me chamou a atenção ao ponto de descrever aqui. Inclusive tem hora que eu acho Simon escroto demais, não tem porque disso ahahha.

      O “ranço” ao qual Ives se referiu e a minha crítica em “aparentar” não aceitar derrota é para a atitude de que Alisah teve diante da eliminação, completamente diferente e não mencionando e muito menos desmerecendo a história de vida dela, que alias nem tinha conhecimento. Não vamos muito longe temporada passada Annelise que era grande destaque na categoria Over (e retornante) fez praticamente o mesmo que Alisah implorando por uma cadeira no 6 Chair Challenge, Sharon não deu a vaga. Vamos com um exemplo mais conhecido então Rachel Crow, quem acompanha XFactor sabe o icônico drama que virou até gif, devido ao drama todo e a história de vida deles você daria a oportunidade de voltarem? Se sim ótimo, seria um gesto muito generoso, mas eu não faria assim. Inclusive, te convido a comentar uma das review do The X Factor e agradeço seu comentário e ponto de vista sobre a situação, são por comentários assim que me estimula mais a fazer reviews.

      OBS: Amo acts da Filipinas, fui e ainda sou fã de 4th Impact, muita dor fazer a review da eliminação delas. Passo longe de qualquer resquício de ser xenófobo.

      • Brunna Melissa

        Olá, Valber. Gostaria de esclarecer um ponto específico: eu não acho que histórias de vida devam (por mais comoventes que sejam) influir nas decisões dos jurados. O que eu fiz foi o cotejo entre quais eram as expectativas da candidata e a sua reação diante de uma possível eliminação precoce.

        É impossível mensurar o desespero de uma pessoa que passou boa parte da vida na miséria tendo que lidar com o fato de que seu sonho acabou. É por isso que eu não a julgo por implorar por uma vaga. Tanto a sua família quanto a comunidade filipina do UK depositaram todas as fichas na trajetória dessa garota dentro do programa.

        E sobre a decisão dos jurados, não sei se cabe a mim achar injusto ou não. Veja bem: diversas foram as ocasiões em que estes voltaram atrás de decisões descabidas e deram uma nova chance a candidatos que outrora haviam sido eliminados. Não é uma questão de ceder ao drama do candidato, e sim de avaliar o potencial do mesmo e ponderar se a decisão foi justa ou não.

        Abraço.

        • Vinicius Ribeiro

          Concordo um pouco com o Valber tomei um ranço dela pelo drama todo e sei que a história de vida dela é triste como é de varios candidatos, mas ali tem que mostrar realmente talento e ela vacilou com um apresentação ruim e acho ela muito datada.

          • Valber Ferreira

            Alguém que captou a mensagem, amém Vinícius! hahhaha

Autor

Valber

19 anos, atrapalhado, distraído e começando agora (Não tem paciência, a saída e logo alí). Aqui comentarei todo tipo de reality musical em especial The X Factor, The Voice e Superstar. E como diz uma grande pensadora atual “Quem não gostar do que eu falo, me dá um tiro na cara!”


Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu