Posts Populares

Bridgerton – Season 1 – Mostra o que de fato é uma boa adaptação

No natal do ano passado foi dado como presente através do serviço de streaming Netflix a adaptação em forma de série da saga “Bridgerton”, essa é a primeira produção da Shonda Rhimes dentro da plataforma e já começou quebrando as portas. A série se passa em torno de 1813 e conta a história dos irmãos Bridgerton durante a temporada de casamentos em qual as debutantes tem como missão encontrar um marido e tudo é noticiado pela coluna de um jornal da Lady Wistledown, uma escritora anônima que revela todos os segredos dos cidadãos daquela cidade.

No total são nove livros e cada irmão da família tem o foco em um deles, os Bridgerton são uma família poderosa que perdeu o patriarca recentemente, algo que só passa ter mais foco quando a história passa a ser contada pela perspectiva do Anthony. Uma característica bem legal da família é que cada um dos filhos possuem como primeira letra do nome por ordem alfabetica, indo do a ao h e apesar de haver uma protagonista de fato, a série já se distancia dos livros ao dar um pequeno foco aos outros irmãos mais velhos já nesse primeiro ano.

Assim como no primeiro livro, a primeira temporada tem como protagonista a irmã mais velha, a Daphne, a personagem é a que mais aceita o seu lugar no mundo e por isso pode parecer um pouco chata inicialmente, mas com o decorrer da série vemos a personagem amadurecer e se empoderar. Apesar de já ter lido os livros, eu não sabia qual seria a narrativa da série e fiquei muito feliz em ver que o caminho seguido foi similar, o grande foco dessa primeira temporada foi o casal Daphne e Simon, mas foi tão dinâmico todo o processo que me fez sentir que assisti cinco temporadas dentro de uma só. Se uma pessoa vai assistir a série sem ter visto nada, a cada episódio ela pode se encontrar em uma nova série, inicialmente temos a Daphne tentando arranjar um marido e sendo impedida pelo seu irmão, para depois se envolver em uma história clichê com o Simon, depois um triângulo amoroso com o príncipe e depois se casando com o Simon, tudo isso em apenas 5 episódios. Fazer algo com tantos acontecimentos e posteriormente claramente dividindo a série em duas partes arriscado, mas um grande acerto, em uma temporada pudemos ver todo amor do casal principal crescer de maneira muito convincente e a química entre os dois atores foi tão grande que eu fui até pesquisar se eles estavam juntos na vida real.

O livro é inteiramente focado no casal principal, mal abrindo espaços para outros personagens, mas mesmo assim eu achei que a série conseguiu trabalhar ainda melhor a dinâmica do casal. Episódio pós episódio fomos vendo os dois se apaixonando, todas as cenas entre os dois eram muito bem escritas, em especial a cena do quadro onde a Daphne ajuda o Simon a entender o porquê de sua mãe amar aquele quadro em específico, para depois ver a mão dos dois tentando se encontrar e finalmente eles aceitando que se gostavam. Vivendo a vida de casados, a dinâmica entre os dois só melhora, é completamente normal você não querer filhos, mas no caso do duque era muito mais por uma questão de vingança e não desejo próprio, então no final Daphne finalmente entendeu seu marido e ele desistir dessa vingança em prol do amor dos dois.

 

Uma série com apenas 8 episódios conseguir dividir a temporada em duas partes de modo coeso e satisfatório é algo surpreendente, mas o time de roteiristas conseguiram, acompanhando a história pós casamento é perceptível o amadurecimento da série junto com sua protagonista, já que toda a vibe de série teen vai embora para dar espaço há um crescimento da Daphne e suas descobertas de uma mulher casada e espaço para outros personagens terem sua história contada. Parecia de fato que eu já estava acompanhando a segunda temporada, pois os problemas era bem mais complexos e desenvolvidos, a própria protagonista parecia outra mulher, o modo como ela se mantinha presente em seus deveres como duquesa, ir socorrer a família quando necessário e batia de frente com seu marido deu uma força a personagem que ainda não havia sido apresentada, a postura dela nos três últimos episódios deram um novo gás a série e fizeram ela fechar seu arco de protagonista com um saldo positivo.

Por se passar em uma época tão antiga seria impossível não se ter um contexto extremamente patriarcal, o objetivo de vida era se casar e nem podiam escolher quem seria o seu marido ou não, mas eu gostei que a série conseguiu mesmo através dessa realidade colocar mulheres empoderadas. Elas não saiam por ai reivindicando seus direitos, mas tinham plena consciência da desigualdade vivida e rebatiam isso de uma maneira mais sutil, como naquela sequência de cenas onde elas espalhavam a fofoca sobre o Nigel ou quando mostra a reunião da mulheres bebendo e jogando. A Eloise era o telespectador introduzido dentro da série e o tempo todo escrachava o quão hipócrita são o ideias da sociedade que vivemos até hoje, fiquei com bastante receio de transformarem a personagem em uma militante (o que seria extremamente irreal se tratando da época em que se passa), mas eles conseguiram dosar bem as falas da personagem, ela é mais utilizada como uma pessoa sensata que não aceita o que é imposto a ela.

Há diversos personagens masculinos na série, mas todo o foco estão nas mulheres, todas são bem diferentes uma das outras e trazem um olhar diferente de qual é o papel da mulher na sociedade. Vemos mulheres mais liberais e outras olhares mais conservadores, a nossa própria protagonista tem como maior sonho se casar e ter filhos e justamente por ter metas um pouco antiquadas para o contexto atual torna os seus momentos de ascensão tão fortes. Dentro do contexto da vida escolhido, Daphne consegue mostrar força ao confrontar a realidade com as quais não concorda e amadurece, apresentando sororidade com uma personagem que está sofrendo sozinha a principal represália que uma mulher sofre até hoje.

A Marina Thompson é outra em que a história vive em constate mudanças, ela chega sendo a possível candidata que roubaria o holofote da Daphne para si, mas posteriormente é revelado que ela está grávida e essa é a pior coisa que poderia acontecer para uma mulher solteira naquela época. A personagem sofre do inicio ao fim e vemos episódio após episódio a angustia daquela mulher que se vê tendo que buscar um casamento o mais rápido possível para que seu destino ainda não fosse pior, a decisão de por o Colin como uma de suas vítimas foi um acerto, pois deu a chance de dar um maior destaque para “fan favorite” da maioria e mostrar o quão cavalheiro ele é, sem contar que esse plot é o “triângulo amoroso” da segunda parte, junto a Penelope. Chega a ser engraçado ver tamanha mudança dos livros para a série aqui, a Marina só aparece no quinto livro e o seu final na série é como ela já é apresentada para nós e logo depois ela pratica suicídio e seu ex marido e viúvo passa a se envolver com a Eloise, a personagem protagonista do livro.

Os Featherington possuem muito mais destaque nessa obra visual e apesar dos temas mais pesados que os envolvem, eles meio que servem como alívio cômico devido ao excelente trabalho expressivo da Polly Walker (Lady Portia Featherington), a família é a azarada e constante uso de cores fortes contra os tons pasteis utilizado pela série enfatizam bem isso. O final deixou uma ponta enorme aberta e acho que elas terão ainda mais destaque e será muito interessante ver uma mulher naquela idade e suas filhas tendo que se reinventar completamente.

Logo que o trailer saiu, a série já começou a ser comparada com gossip girl, afinal de contas eram pessoas da alta sociedade tendo seus segredos expostos por uma fonte anônima, mas a série inova ao revelar o maior segredo logo na primeira temporada e a Lady Whistledown é a maravilhosa Penelope Featherington. Não sei se gostei ainda de ter sido revelado tão cedo, até porque tal segredo tem uma importância enorme mais a frente, vou esperar a próxima temporada para ver como vão trabalhar tal revelação. Nos livros, a Penelope e o Colin são endgame e tem sua história contada no quarto livro, porém o Colin faz essa viagem pelo mundo no quarto livro, então talvez eles possam adiantar a história dos dois para o segundo ano e com os indícios que a série deu sobre o Benedict, eu acho que na próxima temporada, a história dos três irmãos mais velhos será contada ao mesmo tempo.

A história dos três filhos mais velhos são Anthony se apaixona pela irmã de sua prometida, Benedict vive um conto tipo cinderela com uma empregada e o Colin é com a Penelope. Eu não acho que eles vão enrolar mais 3 anos para fazer o casal mais aguardado pelos fãs acontecer e como houve pequenos indícios de que o Benedict possa ser gay, eu acredito que eles usarão a história da cinderela com a Penelope e a única coisa que eu torço é que eles não façam ela emagrecer para ser notada pelo Colin. Quanto mais eu penso sobre a decisão de por os três homens juntos como protagonistas na próxima temporada, mais eu acho acertada, pois as interações mais engraçadas são quando o trio abc se reúnem e se seguirem essa linha narrativa, teremos muitas interações deles juntos.

Metade da tamanha qualidade da série não ocorreria se não fosse o excelente trabalho de toda equipe de produção, chega a ser invejável ver o tamanho cuidado para que tudo realmente se parecesse de época, foram feitos mais de 6000 roupas do 0, todo o jogo de iluminação, fotografia, direção e arte são excelentes. A série ainda conta com dois trunfos que ninguém imaginava, a narração é feita pela icônica Julie Andrews, também conhecida como a noviça rebelde e o outro é uma sacada genial que é de por musicais atuais em versões de época, como bad guy e wildest dreams, essa trilha sonora traz um frescor e diferencial para série sem tamanho, foi muito bom.

Bridgerton encerra o seu primeiro ano de maneira excelente, eu sou um grande fã dos livros e fiquei muito feliz que eles conseguiram criar uma história ainda melhor e a possibilidade de trocar de protagonistas ao longo das temporadas tem tudo para dar certo e não ser uma história repetitiva, nós vemos no próximo ano.

Talvez Você também goste de...

gostou da matéria? deixe um comentário!

Autor

Ives

Um carioca estudante de direito querendo se formar, viciado em x factor´s do mundo e que ama uma praia

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries