Posts Populares

Dear White People – S03E02 – Chapter II

Um novo personagem no mínimo suspeito.

Este episódio girou muito em torno de Moses Brown, um velho/novo professor da Winchester, que saiu para se tornar um executivo da Google, no Vale do Silício, e voltou à vida acadêmica agora (e lançando um novo app de desenvolvimento pessoal e atenção à saúde mental voltado para jovens negros). Minha opinião é: Moses parece simplesmente bom demais para ser verdade. Conforme o próprio nome diz, ele chegou com uma atitude de “Moisés”, o salvador, no campus, já anunciando que uma das condições que ele impôs à faculdade para seu retorno é que os policiais do Campus sejam desarmados.

Esta, é claro, é uma reivindicação muito forte vinda dos alunos negros desde que um policial puxou uma arma para o Reggie no meio de uma festa lá no quinto episódio da primeira temporada. Policiais puxando armas para homens negros desarmados é, infelizmente, absurdamente recorrente nos Estados Unidos, ocasionando diversas mortes absolutamente desnecessárias todos os anos. Essa é uma mudança incrível na política do Campus, e Joelle e Reggie ficam totalmente embasbacados por Moses (e com razão, pois, além de tudo, o homem é lindo. Muffy que o diga, pois eu nunca vi uma estudante dar em cima de um professor de maneira mais óbvia do que ela fez).

Voltando ao Reggie: desde o episódio da arma, e juntando com diversas outras coisas desagradáveis que aconteceram com ele desde a primeira temporada (como ser apaixonado pela Sam, mas ela acabar namorando um homem branco), ele parece realmente estar passando por um quadro depressivo. Não quer sair da cama na maior parte do tempo, fica empurrando compromissos com a barriga e perdeu interesse até mesmo por lutar pelas causas negras na Winchester. Espero que esse aplicativo do Moses e o interesse que o professor mostrou nele façam com que ele se cuide um pouco melhor e consiga sair dessa.

E Joelle, coitada, foi pressionada por Reggie para tornar o relacionamento deles público e desde então só coisas não tão legais aconteceram, deixando ela bastante insegura sobre toda a situação deles. Primeiro, Rashid parece estar mais interessado nela e em ajudá-la do que seu próprio namorado. Depois, Reggie diz que vai ajudar em atividades do Black Caucus, e diz que vai a reuniões dos alunos com ela, e simplesmente não aparece. Qualquer um que já esteve em um relacionamento novo sabe o quanto este é um período cheio de altos e baixos e incertezas, e o comportamento do Reggie (mesmo que justificável, na minha visão, pelo período difícil que ele está passando já há muito tempo na sua vida pessoal) acaba não ajudando nisso.

Por fim, Sam e Lionel percebem que o Moses carrega um anel com o símbolo da irmandade secreta negra que eles descobriram e surpreendentemente deixaram totalmente de lado (o que foi no mínimo bizarro, considerando o tempo que a última temporada gastou indo atrás dessa sociedade – que, em si, já é um plot no mínimo duvidoso em termos de qualidade, por ser bem pouco verossímil). Espero que nessa nova busca pela sociedade a Sam tome um rumo, porque esse documentário dela precisa sair! A menina precisa se formar uma hora ou outra, e talvez venha daí a inspiração. A terceira temporada começou ruim, no primeiro episódio, mas deu uma guinada pra cima aqui e continua ácida e pontual em suas críticas (principalmente à série The Handmaid’s Tale). Só esperamos que continue assim.

gostou da matéria? deixe um comentário!

Isabella Oliveira

Poderia estar matando ou roubando, mas provavelmente levaria pouquíssimo jeito para a coisa, daí eu faço Direito. @brockhxmptxn no Twitter.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries