Posts Populares

Especial: Unbelievable [Análise Crítica]

Unbelievable” é, sem dúvidas, uma das produções mais relevantes e bem-feitas que a Netflix nos entregou nesses últimos tempos. A minissérie é contada em apenas 8 episódios de cerca de 50 minutos de conteúdo, mas se preparem, pois a série irá lhes envolver, emocionar e impactar de uma forma muito interessante.

ATENÇÃO: Se você ainda não viu a minissérie, pare por aqui! O post contém spoilers e detalha acontecimentos importantes da trama!

BASEADO EM UMA HISTÓRIA REAL

Baseada no famoso artigo publicado pelo ProPublica, “An Unbelievable Story of Rape” (“Uma inacreditável história sobre Estupro”, a minissérie conta um caso de abuso sexual de uma menina de apenas 18 anos chamada Marie Adler (Kaitlyn Dever) na cidade de Lynnwood em Washington em 2008.

O caso intriga pela série de erros da polícia do distrito ao tratar a vítima do abuso, com uma abordagem extremamente burocrática e desnecessária, pressionando a vítima a todo tempo. A forma desrespeitosa como os investigadores tratam o ocorrido nos deixa extremamente irritados e, como reforçado pelo título da trama, incrédulos.

ERROS DA POLÍCIA DE LYNNWOOD

As consequências da falta de preparo da polícia e de seus investigadores induzem a vítima a desmentir sua própria versão sobre os fatos e aceitar a história descabida criada por eles. O desenrolar da investigação e a forma como os detetives abordam a menina a fazem acreditar que fosse melhor mentir sobre seu caso para evitar possíveis retalhamentos da própria polícia.

Por fim, a garota, que acabara de ser vítima de um trauma com consequências físicas e psicológicas irreparáveis, torna-se, também, vítima do próprio sistema que deveria protegê-la. A credibilidade da menina é, então, questionada por todos, inclusive seus pais adotivos e amigos mais próximos.

Como reforçado pela própria série, casos de erros em investigações são comuns quando são resultado da falta de preparo, empatia e por preguiça da equipe investigadora. O mais interessante é ver como esse “erro” não só destrói a vida da menina por completo, como traz prejuízos futuros irreparáveis.

A HISTÓRIA POR TRÁS DE MARIE ADLER

A história da jovem Marie Adler (Adler no caso real) é marcada por diversos traumas e situações problemáticas durante a infância. A garota cresceu em diversas famílias adotivas, afastada de sua família biológica, passando por diversos traumas psicológicos, físicos que a fizeram assumir comportamentos problemáticos em consequência desse passado.

Na situação do estrupo, Adler havia recentemente se mudado para um abrigo para jovens, onde morava sozinha. Numa noite, a menina chama a polícia relatando ter sido abusado sexualmente por um homem mascarado que invadira sua casa.

A menina conta que o homem, aparentemente branco, alto e forte entrara em sua casa mascarado e a forçara a fazer sexo ao ameaçá-la com uma faca. De acordo com seu depoimento, o homem havia amarrado suas mãos com os cadarços de seu tênis e a abusado por horas. Ao finalizar, o homem tirou fotos da menina e foi embora sem deixar evidências.

A polícia realiza, então, uma abordagem extremamente despreparada e ineficiente de investigação e ao receber um depoimento de uma das mães adotivas da garota sobre seu passado problemático, conclui sem mais evidências, que a garota inventara a história e a pressionam para que assuma essa versão dos fatos.

Marie é duplamente agredida, tanto pelo trauma do abuso, quanto pela polícia e pelas pessoas próximas a ela, que começam a julgá-la e culpá-la pela suposta mentira que contara. Não contentes, o departamento de crimes de Lynnwood abre um processo contra a menina por “denunciação caluniosa” e a garota é intimidada a pagar uma multa num valor de U$ 500,00.

NOVOS CASOS DE ABUSO SEXUAL INVESTIGADOS

A história aborda simultaneamente o caso de abuso de Marie em 2008 e a investigação iniciada por duas policiais do Colorado sobre casos de estupro ocorridos em 2011, cerca de 3 anos depois da primeira história.

Tudo começa com a investigação da policial Karen Duvall (Merritt Weaver) sobre um caso de estupro em seu distrito. Por coincidência, a investigadora percebe que outra policial em outro distrito também estaria investigando um crime de abuso com a mesma descrição.

A investigadora inicia um trabalho conjunto com a policial Rasmussen (Toni Colette) que enfrentam diversas barreiras e limitações em relação as evidências que surgiam dos casos de abuso, muitas vezes inconclusivas, até que por um detalhe, a equipe de investigação chega a um ex-militar chamado Chris McCarthy (Marc O’Leary no caso real).

O ex-militar foi, então, preso e condenado a mais de 300 anos de prisão acusado de ser responsável pelo abuso sexual de cerca de 28 mulheres, dentre elas, Marie Adler. Na residência do abusador foram encontradas diversas evidências que comprovaram os crimes realizados por ele, inclusive fotos e itens das mulheres que abusara. Foi, através dessas evidências, que as investigadoras do caso chegaram até Marie.

O DESENROLAR DO CASO

Após comprovado que a menina realmente fora abusada pelo ex-militar, Adler entrou com um processo contra o município pelas graves consequências que os erros da investigação de seu caso lhe causaram. Em acordo, a menina recebera cerca de 150 mil dólares como indenização e usou o dinheiro para recomeçar sua vida longe da cidade.

Uma das cenas mais impressionantes da série passa com o investigador do caso procurando a menina para pedir desculpas, com um envelope com os 500 dólares pagos pela menina pelo processo que respondera por denunciação caluniosa. Realmente, Adler teve que ser muito forte para resistir a todas as situações que passara e entrega uma mensagem muito bonita de resiliência e força.

Adler, vítima da história real contada pelo artigo premiado, hoje trabalha cruzando o país pilotando caminhão.

A MENSAGEM POR TRÁS DA SÉRIE

Definitivamente “Unbelievable” não é só uma série muito bem produzida, com um casting maravilhoso e atuações brilhantes. A minissérie traz consigo mensagens de extrema importância em relação aos crescentes casos de abuso contra mulheres pelo mundo e a responsabilidade que o Estado, os órgãos responsáveis e a as pessoas tem em situações como essa.

As consequências psicológicas são traumáticas para a vítima, que precisa de muito apoio, amparo e cuidado. A vítima precisa se sentir segura e abordagem feita pela investigação tem papel fundamental. A série apresenta de forma bem clara a diferença entre a abordagem feita pela investigação do caso Marie, realizada por policiais homens, e a investigação realizada pelas policiais do colorado, que conseguiram resolver o caso. Claramente, a falta de empatia e comoção dos investigadores homens influenciou a conclusão erronia do caso.

A minissérie também aborda as consequências que uma má investigação pode ter, tanto na vida da vítima, quanto no acontecimento de casos futuros.

Ao ser entrevistado pela mídia, o estuprador disse que em seu primeiro crime (caso da Marie) ele deixara diversas evidências e resquícios de DNA que o fizeram ter certeza que seria preso no dia seguinte. Segundo ele, como nada aconteceu, ele se sentiu empoderado para cometer mais e mais crimes e foi aprendendo e se aperfeiçoando com cada um deles. Foram 2 anos e mais de 28 vítimas, o que nos faz concluir que a péssima investigação dos detetives de Lynnwood não só estragou a vida da jovem menina, mas poderia ter evitado o estrago em outras 27 vidas.

REPERCUSSÃO

Unbelievable” já coleciona ótimas críticas e avaliações, sendo considerada uma das melhores minisséries do ano. No site Banco de Séries, a série acumula uma nota média de 9 e no site IMDb, o mais popular em críticas e avaliações de série do mundo, acumula a nota 8,7, resultado esse bem positivo visto o nível de exigência da crítica. Na plataforma Roteen Tomatoes, que reúne críticas de especialistas, a série acumula 95% de aprovação da imprensa e 91% de espectadores em geral.

Em um ano onde produtoras como HBO e Amazon Prime vem dando start na produção de minisséries de peso e muito bem avaliadas como “Years and Years” e “Chernobyl”, a Netflix chega com conteúdo de peso para se destacar nessa nova tendência do mundo das séries, com destaque também a uma das produções já premiadas nesse ano, “When They See Us“.

Dá uma olhada só no Trailer dessa minissérie sensacional.

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

Carlos Alberto

Estudante de Engenharia, amante de música, viciado em séries e programas de TV! Fã de carteirinha de The 100, Flash, Game of Thrones e etc, se arrisca escrevendo reviews de suas séries favoritas!

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries