“Sometimes you have to work with people you don’t like,”

Orphan Black segue fazendo uma temporada maravilhosa, e se os três primeiros episódios nos explicaram mais sobre o passado envolvendo personagens como Beth, finalmente tivemos um pouco de explicação sobre personagens como Mika. Além disso o episódio abordou a questão da confiança, em que realmente podemos confiar? Ainda mais em um mundo cheio de conspiração, teorias, pessoas que agem sem medidas pelo que acham ser o melhor para o mundo.

Em seu desespero para descobrir o que o verme implantado em sua bochecha faz e na tentativa de descobrir como removê-lo, Sarah acaba se aliando a Ferdinand, no mínimo uma aliança curioso. O chefão da Topside anda caidinho por Rachel Duncan, e na tentativa de descobrir onde Susan Duncan guarda sua amada resolve procurar Sarah para buscar respostas. A aliança de ambos acaba se tornando algo perigoso, Sarah tem que ir atrás de MK para tentar descobrir sobre a localização, já que os dados estão todos criptografados.

Mas durante essa busca acabamos conhecendo um pouco mais sobre Mika, vimos que ela era uma das clones mantidas em Helsinque, Finlândia onde ocorriam diversos testes e onde o projeto Helsinki que consistia na morte de uma clone defeituosa e de todos os seus familiares. Mika, que na verdade se chama Veera Suominen acabou escapando, mas não antes de perder sua BFF ou amada Nikki, e todo esse projeto envolvia pessoas da Dyad e Topside, e Ferdinand foi um dos responsáveis por queimar a BFF de Nikki. Sendo assim, Mika viveu todos esses anos envolvida por um desejo de vingança, e quando viu a oportunidade ao localizar Ferdinand não perdeu tempo.

Em um trabalho a parte, vimos que Cosima e Scott conseguiram respostas, o verme implantado na bochecha de Sarah e Dr. Leekie na verdade parece ser um sistema de gene delivery, ou seja um sistema capaz de enviar uma versão de um gene para o sistema biológico da pessoa que o porta. Um exemplo prático de como usar isso para o bem, séria uma pessoa que porta doenças relacionados a imunodeficiência, onde o organismo não consegue produzir proteínas e enzimas que auxiliam no sistema imune, e com um sistema desses esse problema séria resolvido. Mas pensando no contexto de Orphan Black e na localização do mesmo, aparentemente ele pode estar mudando o gene contido em células próximas ao sistema nervoso. Agora será que essa mudança de genes acarretaria em mudanças de personalidade? Em mudanças de pensamento? Eu não sei, sigo perdido. Ou pode ser algum tipo de melhoramento genético? Vamos ter aguardar os próximos episódios.

Por fim, vimos que Sarah afirma ser mais forte que Beth, e que poderia suportar toda a dor e todas as histórias que MK téria a contar, mas nossa nova Seestra prefere não arriscar, passa a mão nas contas de Ferdinand e o deixa para morrer ou ser salvo, isso dependeria de Sarah. E dessa vez acredito que nem Dizzy (novo amigo de Sarah) será capaz de rastrear Mika.

cdn.indiewire.psdops.ccom

Enquanto tudo isso rola, vimos Helena se despedindo dos seus bebês científicos e deixando os Hendrix, após uma conversa com Donnie, onde ele conversa com Helena, sobre o que todo mundo havia percebido, os ciúmes de Alisson e a mudança de tratamento dela por Helena. Obviamente Helena fica triste, na BAD e decide partir. Eu fiquei triste, não sei para onde nossa doida seestra vai, mas já estou com saudades. Sobre toda essa situação, acredito que Alisson deveria ter aberto o jogo e conversando com Helena, mas sei que é algo muito difícil. Mas falando em Alisson e Donnie, vimos aquela cena hilária envolvendo a ida de Félix e Donnie a LifeSpring Fertility, em busca de informações sobre os tratamentos que a clínica faz que envolveram um contato de Beth que apareceu mais uma vez. Assim nasceram o novo casal que já estamos shippando forte: Julian Gray e Douglas Andrews! JULIAN GRAY, quase um Julian GrEy mesmo esse Félix! HAHAHA, mas a cena hilária ficou por conta de Donnie e Alisson no telefone, onde ela arrasa ao ajudar o marido a se masturbar. No final vimos novamente Evie Cho aparecendo em um vídeo sobre o Brightborn, que deve ser um outro procedimento louco usado para produzir super babies.

Mas voltando a falar da confiança, tivemos aquele dilema envolvendo Sarah e Mika, a relação conturbada entre Sarah e Félix, mas nada superou a confiança entre Rachel Duncan e a pequena Charlotte, fiquei chocado quando vi que foi a menina que entregou a mensagem para Ferdinand. Que garota esperta, mas infelizmente, na segunda mensagem, vimos que Susan Duncan interceptou e elas vão se mudar novamente. Sobre aquela opinião de Rachel, sei que ela parece ser bem Bad Blood, mas sei que no fundo ela fará de tudo para salvar nossa pequena Seestra.

Mas agora vamos a um questionamento, cadê a DELPHINEEE? Já se passaram 4 episódios e nada de respostas! Necessito! Espero que tenham gostado do texto e comentem sobre a opinião e teorias de vocês sobre a série, vou adorar responder.

 

Lindomar Albuquerque
Lindomar Albuquerque

Canceriano com ascendente em Sagitário, ou seja UMA ÓTIMA PESSOA! Atualmente um louco que faz Doutorado e que já se formou em Química. Viciado em The Voice, séries e Indie Rock. Gosta de gastar o tempo que não tem para escrever sobre The Voice, The Flash, Bates Motel, Orphan Black, The Vampire Diaries e Westworld.
Deixe-nos um comentário!
%d blogueiros gostam disto: