Posts Populares

Panela Indica
Panela Indica #23

Especial consciência negra

Dia 20 de novembro é celebrado o dia da consciência negra, e o debate da representatividade negra no audiovisual vem sendo cada vez mais respaldado por movimentos e ações para engrandecer produções, músicos, atores e atrizes pretos. Sendo assim, trouxemos aqui uma listinha com algumas indicações para enaltecermos nessa data tão importante. Contarei também com as indicações de Valber e Luiza. Vamos lá então!

Podcast: Afetos (Por Gabi Oliveira e Karina Vieira)

Conheci o podcast recentemente e não posso deixar de indicar ele aqui. Eu, simplesmente, AMO a abordagem delas aos assuntos, a maneira bem didática que explicam e como esse Panela Indica é temático eu quero indicar a vocês ouvirem o episódio 65, vale muito a pena.

Indicado por Valber

 

Filme: The Hate U Give

Starr Carter é uma jovem negra de 16 anos que se desdobra em duas para se adequar aos diferentes mundos em que vive. No bairro onde mora é uma, quando vai para a escola é outra. Ao reencontrar um amigo de infância em uma festa e fugir do lugar com ele depois de uma confusão, os dois são parados pela polícia e o rapaz é morto com tiros por um policial branco. Única testemunha do ocorrido, a menina luta para honrar a amizade que tinham e a vida do jovem Khalid. O filme, que em português tem o título de “O ódio que você semeia”, pode ser visto no NOW ou no Telecine Play. A história aborda o racismo, a violência policial, o privilégio branco e emociona o espectador, além de que a temática é super atual e, apesar de ser uma obra de 2018, nos remete ao movimento Black Lives Matter, que aconteceu nos Estados Unidos este ano.

Indicado por Luiza

Álbum: Kendrick Lamar – DAMN.

Um dos álbuns mais importantes da última década, DAMN. de Kendrick trouxe elementos que ressaltam a luta da comunidade negra, e assim o rapper compartilha suas vivências e experiências, bem como demonstra de forma forte e inteligente a sua luta e a de muitas outras pessoas.

O álbum em sua capa minimalista, mas que por tamanha simplicidade acabou ficando cravada em nossa mente, tenta passar também algumas mensagens. O maniqueísmo colocado sobre as cores preto e branco como o bem e o mal, e Kendrick vestindo uma camisa branca na traseira do álbum estando de pé do lado preto, representando essa antítese racista. As músicas, como já dito, são reflexo de experiências do cantor, e ele aborda temas importantíssimos, como a violência policial, religião, a visão sexualizada sobre o homem negro, dentre outros assuntos necessários.

O álbum recebeu vários prêmios, dentre eles, o Grammy de melhor álbum de Rap, e a nomeação na principal categoria do prêmio, de melhor álbum do ano.

Indicado por Rick

 

Podcast: Flow Podcast

Apresentado por Igor 3K e Monark, o flow podcast cresceu bastante nesse período de pandemia. Seja pelo formato (inspirados em Joe Rogan), o papo descontraído e sem filtro, ou até mesmo convidados aleatórios que abordam assuntos que a gente jamais imaginou. Trazendo convidados de Super Xandão a Guilherme Boulos, o podcast conta com mais de 200 episódios com duração variando entre 2 a 4 horas.

Indicado por Valber

Filme: Bixa Travesty

Esse documentário perfeito só poderia ser da maravilhosa Linn da Quebrada. Nele nós conhecemos a fundo a história dessa cantora transexual, negra, de comunidade e que produz sua música com o propósito de reivindicar os corpos negros e transexuais na sociedade. As músicas de Linn são agressivas e não tem a intenção nenhuma de “educar”, mas sim de combater diretamente toda essa ladra preconceituosa que divide espaço com nós.

Revisitamos todo o passado de Linn, conhecemos algumas canções antigas e a história por trás dela. Acompanhamos de perto as batalhas que Linn precisou enfrentar, como por exemplo um câncer. E por fim, vemos o quanto ela é importante enquanto um símbolo de empoderamento para taaantas pessoas. Por favor, só vejam esse filme!

Obs: Eu só queria deixar essa imagem aqui

Indicado por Rick

Série: I May Destroy You

Produzida, dirigida e protagonizada por Michaela Coel, I May Destroy You vem sendo extremamente aclamada e recebendo o título de melhor série de 2020. Isso não é a toa, a série é incrível, e retrata uma experiência real vivida pela própria Michaela. Na série acompanhamos Arabella, uma jovem escritora, que após um grande sucesso com seu primeiro livro, se encontra em um bloqueio criativo para produzir seu segundo trabalho. Dito isso, em uma noite ela decide sair com alguns amigos para beber, e acaba sendo drogada e estuprada no banheiro do bar. A partir disso, a série começa a mostrar a confusão mental de Arabella e todos os problemas que esse acontecimento geraram em seu emocional.

A série, que tem o elenco principal majoritariamente negro, conta também com histórias paralelas muito importantes, como Kwame, um homem negro e gay que acaba sendo abusado em um encontro.

Por se tratar de uma história real, que foi vivenciada por Michaela durante a produção de sua outra série de sucesso, Chewing Gum, ela não mede esforços em retratar o assunto da forma mais realista e chocante possível. Temos episódios que falam sobre racismo, sobre violência sexual, drogas dentre outros extremamente necessários nos dias de hoje. Vejam essa série, acho que nunca indiquei algo com tanta veemência como estou indicando I May Destroy You.

Indicado por Rick

Fique atento, pois o Panela Indica vai ao ar todo segunda quarta-feira do mês. E se você tiver alguma indicação bem bacana e quiser usar esse espaço aqui também, entre em contato com o site pelo email ou pelas nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Talvez Você também goste de...

Panela Indica 15.10.2020 Panela Indica #22

gostou da matéria? deixe um comentário!

Autor

Ricardo

Tem gente que diz que sou um amorzinho, eu digo que sou um trouxa. Viciado em maratonar séries e ficar na bad depois de assistir tudo em um dia. Amo muito música indie, quando quiser me chamar pra ouvir Florence já sabe onde procurar. Mineiro do interior que não puxa o 'r' quando fala, mas adora um pão de queijo.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries