Posts Populares

Panelaço: As Melhores Séries Originais Netflix

Vocês já desfrutaram de tudo que a Netflix tem a nos oferecer?

Acho que em pleno 2018 é raro alguém que goste muito de séries e não tenha acesso à tão famosa Netflix não é mesmo? De início o serviço de streaming era apenas um site para se assistir as mais variadas séries e filmes de outros canais, mas o sucesso foi tanto que com o tempo eles começaram a produzir suas próprias séries e filmes. Alguns não são lá grandes coisas, mas devemos reconhecer quando vemos algo grandioso ou inovador. Então nosso panelaço da semana vai ser sobre as melhores séries originais Netflix! Em suma, era para se tratar de séries que foram exclusivamente produzidas por ela, já que recentemente está acontecendo bastante da empresa comprar o direito de algumas séries de sucesso. Então eu coloquei como menção honrosa uma dessas séries compradas que merecia ser citada. Vale lembrar que está lista é completamente parcial, refletindo meu gosto e as séries que eu considero como as melhores. Caso alguém não concorde, sinta-se à vontade para montar sua própria listinha nos comentários e trocarmos algumas ideias, desde que sem atacar ou ofender a opinião alheia, paz e amor gente <3

Black Mirror

A maioria já deve ter ouvido falar da tão famosa série futurista. Pois é, Black Mirror é uma série antológica, ou seja, cada episódio possui uma história completamente diferente do outro, e a única coisa que os une é a utilização de tecnologias futurísticas e suas consequências na vida humana. A série inicialmente pertencia a emissora Channel 4, um canal britânico também conhecido por outras séries (Skins e The End of The F***ing World), mas em 2015 foi comprada pela Netflix, e desde então teve duas grandes temporadas, que continuaram a chocar seus espectadores. A série foi renovada para sua quinta temporada, mas ainda sem data de estreia.

Carregada de objetos tecnológicos, plot twists de cair o queixo, e até mesmo histórias emocionantes, Black Mirror se tornou famosa mundo a fora. Como se trata de uma série antológica, cada episódio costuma ter um elenco diferente, um cenário diferente, e as vez até mesmo se passa em mundos diferentes (ou outras realidades, como alguns chamariam). A questão é que a série é carregada de ensinamentos, mesmo que passados de forma não muito “bonitinha” no final de cada episódio. Não é uma série que indicaria maratonar, pois os episódios costumar “comer a mente”, então aconselho que você, caso ainda não tenha assistido, desfrute individualmente de cada episódio, e tire um tempo para refletir, aposto que vai mudar sua forma de ver muitas coisas.

Confira nossas reviews aqui

Stranger Things

Sabe aquelas séries que você olha pela sinopse e pelo banner e parece que vai ser uma coisa mais divertida, e as vezes até mesmo para um público mais infantil? Pois é, Stranger Things é uma dessas, só que quando você dá play, ela na verdade é bem diferente do que vende. A série possui um elenco de crianças, mas que nem por isso deixa a desejar na interpretação, e na verdade traz muito mais drama e suspense do que série que se propõem a isso. A história gira em torno do desaparecimento de um menino em uma pequena cidade, e a aparição de uma menina com poderes especiais.

A série vai muito a fundo em questões de universos paralelos e seres não existentes na nossa realidade, contendo um fundo de ficção cientifica. E por se passar nos anos 80, a série conta com uma trilha sonora impecável, sem falar nas roupas, cabelos e até mesmo a ambientação, que não falhou em nenhum momento. Diferente de Black Mirror, Stranger Things é aquela série que eu indico para uma maratona com os amigos, com o(a) mozão, ou até mesmo sozinho com seu baldinho de pipoca para desfrutar da sua própria companhia. Caso não tenha assistido ainda, é uma das séries do momento que você PRECISA colocar na sua lista.

Confira nossas reviews aqui

Dear White People

Ta aí uma série que me surpreendeu muito, em ambas temporadas. Cara Gente Branca é um dos trabalhos originais Netflix que teve pouco impacto levando em consideração a importância dos temas abordados no decorrer dos episódios. E não to falando de “militância”. Um seriado que mostra o cotidiano de estudantes negros dentro de uma universidade dos Estados Unidos, demonstrando que o racismo que muitos pensam já estar extinto, na verdade está mais presente do que possamos imaginar, em pequenas atitudes que nem mesmo nos damos conta. Mas vai além disso, trazendo debates como homossexualidade, aborto, e vários assuntos que ainda são tabus na nossa sociedade.

A série já está a caminho da sua terceira temporada, e um dos pontos mais interessantes é a forma como a história é contada, sempre jogando o protagonismo de cada episódio para cima de um personagem diferente, não deixando uma coisa maçante, e demonstrando diversos pontos de vista, e várias histórias de vida diferentes, mostrando como cada um chegou ali, e se tornou aquilo que é agora. Dear White People, apesar de se tratar de uma série com protagonismo negro, deveria ser assistida por todos, independe de cor, gênero, sexualidade ou credo. Bora maratonar?

Confira nossas reviews aqui

Dark

Séries inteligentes te assustam? Então é melhor não se aproximar de Dark. A série estreou na Netflix no final do ano passado, e logo foi um estouro em vários países. É a primeira série alemã do serviço de streaming, e trouxe um assunto talvez já bastante debatido no mundo cinematográfico, mas de uma forma (e visão bem diferentes): a série trata sobre viagens no tempo. A história se passa em uma pequena cidade alemã, onde quatro famílias possuem vários segredos, segredos estes que se veem abalados quando duas crianças desaparecem misteriosamente, e o clima de tensão começa a rodear os moradores. Não satisfeitos, os roteiristas ainda colocaram uma caverna macabra, que é na verdade um dos pontos chaves da trama, que não vou contar para não dar spoiler, né? Hahaahahaha

A questão é que Dark embaralha seu cérebro, pois apesar de poucos personagens, estes possuem formas no presente, no passado, ou em um passado ainda mais distante. Conforme os episódios vão se desenrolando algumas coisas vão se encaixando, e outras peças vão surgindo, e sempre que você acha que está perto de solucionar, vem aquele balde de água fria e você se vê mais uma vez completamente perdido em meio as novas informações. Contando com pouquíssimos diálogos, e com bastante drama e suspense, Dark deve ser digerida com bastante paciência, e cada episódio deve ser assistido com máxima atenção, mas eu juro que no final tudo vale a pena.

Confira nossas reviews aqui

Marvel’s The Punisher

Aposto que a maioria quando era criança cansou de assistir aqueles filmes de ação, com carros, muito tiro, bombas, sangue, porrada para todo lado. É, os pais AMAM esse tipo de filme. Acredito que eu deva começar a falar de O Justiceiro dizendo que ele traz todos esses artifícios de filmes de ação clichês, com violência para dar e vender. “Então você quer dizer que The Punisher é uma série clichê?” J A M A I S. Apesar de tudo isso, o seriado possui um enredo incrível, uma construção de personagens que deixa muitas séries no chinelo, mesmo se tratando de um herói (na verdade um anti-herói). Frank Castle (interpretado por Jon Bernthal) surgiu pela primeira vez em Daredevil, e sua participação foi super elogiada e aclamada. Em 2017 tivemos finalmente a série independente do justiceiro.

A história é focada em Frank, um ex-militar que teve toda sua família assassinada em uma chacina organizada por uma conspiração contra a qual ele decide fazer justiça por si mesmo. Podemos dizer que ele utiliza os métodos mais convencionais, como a boa e velha pancadaria. Punisher não é como os outros heróis da Marvel, pois ele não tem superpoderes ou mesmo uma roupa descolada (a não ser a caveira que é sua marca), a única coisa que o move é sua raiva, sua dor, se tornando dessa forma uma máquina mortífera imparável. Talvez uma das melhores apostas da união Marvel + Netflix, e com toda certeza não deve ficar de fora da sua lista.

Confira nossas reviews aqui

Sense8

Então vamos para o primeiro lugar de melhores séries originais Netflix, que reservei para essa coisa linda aqui, que infelizmente já foi finalizada. Sou suspeitíssimo para falar de Sense8, porque ela é minha série nº 1, favorita da vida, mas vamos lá. A série foi lançada em 2015 e foi escrita e produzida pelos irmãos Wachowski (mesmos produtores de Matrix) e por J. Michael Straczynski (criador da série Babylon 5). A história é contada por 8 desconhecidos que estão em diferentes locais do mundo, e que acabam se conectando mental e emocionalmente de uma hora para a outra. O que acontece é que a partir de um evento específico todos os 8 passam a se ver quando bem entende, conversam, e as vezes até agem em função do outro. É como se fosse uma espécie de mutantes, que recebem o nome de “sensates”, daí o trocadilho no nome da série. Mas não para por aí, existe uma organização que tem a função de exterminar os sensates, e com isso todos os oito que mal entendem o que está acontecendo, ainda estão com suas vidas em risco, tendo que lidarem com seus dramas pessoas, como essa nova transformação na vida deles, e ainda a possibilidade de estarem sendo caçados.

Sense8 não aquela série com um ritmo rápido que você não vai conseguir desgrudar os olhos da tela, mas sua premissa é original, e os personagens são cativantes e bem construídos. Conforme os episódios vão se passando, você vai se vendo cada vez mais envolvido e apaixonado por eles, torcendo fielmente pelo time. Além da série trazer uma enorme diversidade de gêneros e sexualidade, como a Nomi, uma hacker transexual e lésbica (detalhe que ela é transexual na vida real também), Lito que é um ator mexicano famoso que é gay mas não pode se assumir por causa do preconceito no meio em que vive. Uma série diferente, com um enredo completamente único, e com muitas mensagens incríveis, sem dúvidas Sense8 foi uma das melhores criações da Netflix. E a série conta com 24 episódios no total, sendo que já foi finalizada. Não deixem de assistir esse hino de série.

Confira nossas reviews aqui

Menção Honrosa: Good Girls

E aqui temos nossa menção honrosa que na verdade não foi uma série produzida originalmente pela Netflix, mas teve seus direitos comprados recentemente, como expliquei na introdução. E o que falar de Good Girls? A série é inicialmente uma comédia, não um sitcom para você morrer de rir, mas no fundo sempre achamos graças em várias coisas, e o mais hilário é que nos identificamos com os dramas. A série é focada em 3 mulheres, que vivem seus dramas pessoais, e de alguma forma todas estão precisando urgentemente de dinheiro, e então elas decidem fazer o mais óbvio que é: roubar um supermercado. Pois já imagina o quanto isso pode dar errado, agora multiplica por 10, pronto, temos Good Girls. É a famosa Lei de Murphy, o que puder dar errado, vai dar errado. Elas se envolvem em uma trama com traficantes, notas falsas, e até mesmo roubo de carros, e o mais incrível é que você torce por elas em todos os episódios, mesmo sabendo que elas estão erradas.

Se procura uma série leve, para maratonar sem precisar esquentar a cabeça, bom, essa é a ideal. Fica aqui minha dica.

Bom pessoal, por hoje é isso. Quem gostou, deixa o comentário aqui em baixo, coloca quais são as suas favoritas, se concorda com a minha lista, se discorda, mas lembrando: sempre respeitando a opinião alheia 😉 Até a próxima, galera!

gostou da matéria? deixe um comentário!

João Pedro

Canceriano de 20 anos localizado no Mato Grosso. Fã de divas pop, porém viciado em muitas bandinhas indies também. Assisto séries e filmes em horário integral, e estudo Direito nas horas vagas.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries