Posts Populares

Panelaço: Especial Cory Monteith

The Quarterback

Nesse sábado, dia 13, se completa seis anos do falecimento de Cory Monteith, o nosso eterno Finn Hudson de Glee. Sabemos o quanto essa perda foi grande para os fãs da série e para o elenco, pois ninguém esperava e imaginava que ele passava por tantos problemas sozinho. Seu personagem era um grande líder de bom coração, que na maioria das vezes estava disposto a ajudar todos por um bem maior. Aprendemos lições valiosas acompanhando esse personagem por quatro temporadas, e o vazio que ficou ao recebermos essa notícia tão brusca ainda reside na maioria dos corações daqueles que acompanhavam Glee. Por conta disso, decidimos fazer essa homenagem relembrando alguma das melhores performances do nosso querido Finn. Esperamos que vocês gostem, pois está sendo feita com todo carinho de fã para fã, para essa pessoa que faz falta no mundo.

—————————————————————-

Losing My Religion (2×03 – Grilled Cheesus)

Abrindo nossa homenagem, temos essa performance cheia de significado que aconteceu em um dos episódios mais emocionantes da série. Losing My Religion é uma música que pode ter uma batida boa e uma letra fácil de decorar, mas ela tem uma mensagem bem intensa, e para o momento em que Finn cantou, acabou sendo bem apropriada. Construindo um debate sobre fé/religião, e acreditar ou não em Deus, Finn, após muitas orações efetivas, acabou percebendo que os pedidos que ele fez em suas orações se realizaram por competência (e sorte) dele, o que o fez bruscamente parar de ter fé, ou pelo menos coloca-la em dúvida. Sua voz para essa música combinou perfeitamente, ele coloca certa agressividade que só Cory conseguia expressar, e acaba por fazer desse um de seus melhores solos enquanto membro do New Directions.

Jessie’s Girl (1×18 – Laryngitis)

Finn estava aqui fazendo uma das coisas que fazia de melhor… Cortejando Rachel Berry. Sabemos que a relação dos dois sempre passou por altos e baixos, mas eles nunca deixaram de se amar. Com o surgimento de Jessie e Rachel se apaixonando por ele, Finn se viu entrando nesse triângulo amoroso e mais do que nunca tentou demonstrar todo o seu amor por Rachel. Eu morro de amores pelo olhar fervoroso dele para Rachel, apesar de ser meio estranho saber que ela esta namorando e ele ficar insistindo assim. Mas sem aprofundar nessas questões, Finn da um show com um grande clássico do rock, coisa que ele sabia fazer muito bem. 

Hello, I Love You (1×14 – Hell-O)

Aqui temos um Finn sexy e confiante, superando as barreiras que o personagem sofria. Apesar de ele ser um dos garotos mais populares da escola, Finn sofria muito por não se sentir confortável com o seu corpo, tanto que temos alguns episódios que retratam isso. Mas aqui nessa performance, Finn mostrou uma confiança que talvez tenha sido a vez que ele mais demonstrou isso junto do seu lado sensual. Novamente ele pega uma música bem rocker e da um show de atitude e voz, com uma interpretação bem poderosa e voraz. Os olhares dele são afiados, e com essa performance ele acaba por conquistar todo mundo ali, incluindo Rachel. 

I’ll Stand By You (1×10 – Ballad)

Agora teremos aqui uma sucessão de apresentações que mostram como Finn Hudson era carinhoso, generoso, cuidadoso e especial. Ao descobrir da gravidez de Quinn e e que ele supostamente seria o pai, Finn acaba por entrar em conflito e se desespera por, obviamente em sua idade, não ter ideia do que fazer. Mas depois de perceber que ama Quinn e que estaria ao lado dela para tudo, inclusive para enfrentar essa gravidez, ele canta carinhosamente essa música que no momento significou tudo para nós. Apesar de curtinha, a performance é muito linda e em poucos segundos Finn consegue expressar o grande amor que sente e que o fato de sua namorada estar grávida não fará com que ele a ame menos, pelo contrário, ele estará sempre ao lado dela para o que der e vier. 

Just The Way You Are (2×08 – Furt)

Em certos episódios, Finn começa a ser acusado de não ser um bom líder por diversos fatores, um deles é por não proteger Kurt em meio a todo ataque que ele vinha sofrendo. Por conta disso, Finn decide fazer uma homenagem para ele e para os seus pais, que estavam se casando. Provando que ama Kurt e que a partir dali ele irá sempre o proteger, os dois se despem de qualquer preconceito e acabam dançando juntos enquanto Finn cantava lindamente essa música para ele. Foi um momento muito lindo e que eu sempre choro quando revejo. Como eu disse anteriormente, nessa performance vemos o quanto ele era carinhoso, generoso e especial. 

Girls Just Wanna Have Fun (3×07 – I Kissed a Girl)

Desde a segunda temporada Santana vinha sofrendo com o fato de sentir atração por Brittany e não poder externalizar isso por conta do preconceito e julgamento que as pessoas teriam. Sendo assim, ela ficou presa por quase uma temporada inteira, quando depois de algumas desavenças, decidiu se assumir lésbica. Apesar de Finn ter feito algo bem ruim antes, que fez com que Santana se assumisse meio que a força, ele acabou posteriormente apoiando ela em sua decisão, o que foi na verdade o mínimo a ser fazer. Mas a forma com que ele fez isso foi muito bonita, e mesmo Santana sendo uma personagem de atitude forte, ela acaba por se emocionar com a homenagem e o agradece por isso. Finn tomou a atitude certa após um deslize, o que foi um emocionante momento de redenção da sua parte e por isso tão especial. 

We’ve Got Tonight (4×14 – I Do)

Eu não poderia deixar de colocar o último dueto de Finchel, que ficou muito marcado na minha memória e que sempre me traz lágrimas ao lembrar dessa constatação de que esse é o fim. Apesar disso, esse dueto é simplesmente perfeito, em que o casal traduz tudo que ambos tiveram ao longo de toda a série. Os olhares apaixonados, Finn dizendo antes de cantar que eles são end game, a combinação da voz dos dois, que sempre foi perfeita. Eu acho que nunca um casal vai ser tão lindo juntos para mim como Rachel e Finn foram, até porque, a conexão dos dois era tão forte que extrapolou a ficção e acabou indo para o mundo real, fazendo com que Lea e Cory se apaixonassem. Eu nem sei mais o que dizer, porque nesse momento me encontro aos prantos. Apesar do triste fato, temos esse e outros momentos para guardamos em nossas memórias para sempre, e eu creio muito que Lea Michele deva ter o mesmo sentimento. 

 

—————————————————————-

Pessoal, espero que vocês tenham gostado e se emocionado tanto quanto eu. Foi um prazer relembrar os momentos dessa pessoa que marcou a minha vida, e creio que a de muitas outras pessoas. Cory Monteith e Finn Hudson sempre viverá em nossos pensamentos e corações. 

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

Ricardo Souza

Tem gente que diz que sou um amorzinho, eu digo que sou um trouxa. Viciado em maratonar séries e ficar na bad depois de assistir tudo em um dia. Amo muito música indie, quando quiser me chamar pra ouvir Florence já sabe onde procurar. Mineiro do interior que não puxa o 'r' quando fala, mas adora um pão de queijo.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries