É a mesma temporada?

Mais uma temporada começando e mais uma vez temos a presença brilhante das nossas divas de rosa: As Chanels! A segunda temporada já começou agitada, situando o telespectador na história e nas ações da temporada.

Vamos começar por partes: a reitoria Munsch desistiu da vida acadêmica e com o dinheiro que ganhou falando sobre feminismo ela comprou e fundou um hospital. Esse hospital, no passado, foi o local de um descaso médico, onde jogaram um paciente vivo no pântano ao lado. Acontece que o paciente tinha uma mulher grávida, o que é um fato importante para o enredo da temporada.

Como médicos do hospital temos o Dr. Brock Holt, que segundo ele mesmo foi escolhido pela ex-reitora por ser bonito, e o Dr. Cassidy Cascade, interpretado pelo Taylor Lautner. Fatos importantes aqui: Dr. Cascade é frio como gelo (olha a referência Pop de Crepúsculo), enquanto Dr. Holt perdeu uma mão e tem uma cicatriz após colocar outra no lugar. Essas características serão importantes para determinarmos o vilão da temporada: uma versão verde do diabo vermelho da primeira temporada.

Da primeira temporada, ainda temos Zayday, que trabalha num restaurante para pagar as despesas com sua faculdade de medicina, até Munsch decidir contratá-la para o hospital. Além dela, temos as nossas lindas Chanels, que haviam sido presas injustamente e estavam na rua da amargura, até que Munsch vai atrás delas e propõe que elas também se tornem médicas no hospital (mesmo sem estar cursando medicina).

Bom, a história da segunda temporada parece um repeteco da primeira, onde temos um grupo de suspeitos ao redor das personagens principais (as Chanels) e temos um assassino em série que usa uma máscara verde e uma capa, como se fosse um monstro do pântano. Basicamente, eu acredito que seja algum resquício do paciente morto no passado naquele hospital, e que veio em busca de vingança.

No geral, a série me ganha pelas pegadas na cultura pop, com referências super divertidas, principalmente feitas pelas Chanels. A história é muito surreal, mas acho que vai render boas risadas ao longo dos episódios.

Ah, o hospital tem uma particularidade: serve só para doentes com doenças incuráveis… vai entender! Pra começar tivemos uma mulher com a síndrome do Lobisomem, que acabou sem pelos graças à ajuda da Chanel. Uma pena que no fim do episódio o demônio verde acabou matando-a. Aposto que veremos mais doenças incuráveis sendo curadas, principalmente essas doenças excêntricas.

Sigam conosco a temporada e digam pra mim o que acharam desse primeiro episódio!

Gerson Elesbão
Gerson Elesbão

Nem tão complicado demais, mas nem tão simples assim: quebra-galho, colunista e seriador. Dificilmente atualiza o Banco de Séries, mas adora gongar as séries amadas pelo público. @gersonelesbao
Deixe-nos um comentário!
  • Bruno

    Os primeiros episódios da primeira temporada eu detestei e só segui vendo pra acompanhar meu namorado. Depois me apaixonei pela Denise Hemphill e pelo restante da série. Só acho que é uma série para não se levar a sério e apenas se divertir com as situações totalmente nonsenses

%d blogueiros gostam disto: