Scream Queens tem seus pontos altos e baixos…

Depois de mais um episódio de Scream Queens não dá pra deixar passar algumas coisas. Do lado bom, temos as ótimas atuações, as cenas cômicas e as referências à cultura pop, que fazem a série se sustentar e seguir lindamente. Por outro lado, o roteiro é tão óbvio que chega a dar sono. Eu juro que achei que teríamos um plot novo e que pudesse mudar os rumos da temporada, me surpreendendo. No entanto, parece que vai ser o feijão com arroz mesmo.

Neste episódio tivemos mais 2 doenças “incuráveis” sendo apresentadas: a de Tyler (Colton Haynes), que tem o corpo coberto por tumores, que segundo a Chanel parecem espinhas inflamadas; e a da Reitora Munsch, que praticou canibalismo em uma de suas viagens e acabou pegando uma doença que dá dores no corpo, na cabeça e que retarda o andar da pessoa. Essa doença de Munsch, aliás, foi descoberta por Zayday, que desconfiada que a reitoria pudesse ser o monstro assassino foi atrás de explicações e arrancou da reitoria justificativas para abrir o hospital.

 

Sobre o fim do episódio anterior, parece que Chamberlain ouviu os gritos de Chanel n. 5 e foi ajudá-la, espantando o monstro. Acontece que o corpo da menina morta sumiu, restando apenas a cabeça e levando Chanel n. 5 a se tornar suspeita.

Este episódio também trouxe 3 personagens ótimos de volta: Chad, Denise e Hester. Chad trouxe ao hospital um amigo que adquiriu uma síndrome de gritos, e que não consegue controlar seus sustos e reflexos. Por falar em Chad, ele chegou ao hospital fantasiado de Demônio Vermelho, da primeira temporada, dando um susto e tanto em Chanel. Ele também rendeu uma cena ótima com Dr. Brock Holt no chuveiro, discutindo e brigando por Chanel hahaha. Ah, e pra finalizar, Chad está o investigando e descobriu que a mão que ele implantou no lugar da perdida era pertencente a um serial killer, que jogava squash. Eu amo as tiradas da série!

Lea Michelle também está de volta! Presa num hospício, Hester parece estar tendo visões e sabe do que acontece no hospital. Mais referências!! Ela fez alguns requerimentos, inclusive um quarto no hospital de Munsch e algumas maquiagens, para ajudar no problema do monstro verde. Aposto que ela ainda vai se tornar importante para o enredo da história.

Por fim, o retorno de Denise foi o que mais curti. Agora como uma agente do FBI, Denise citou a série Quantico tantas vezes que eu morri de rir. Ela veio para ajudar a reitora a descobrir quem é o monstro verde e logo já desconfiou de Zayday, como na primeira temporada. Alguém entendeu a crítica social? Vamos logo apontar o negro como culpado, mesmo sendo negro. Não tem como não amar as sacadas de Ryan Murphy.

 

Pra encerrar, ainda tivemos Chanel n. 5 se envolvendo com Tyler, que acabou morto no fim do episódio pelo monstro verde. Este, por sua vez, levou uma surra de Munsch, que quase descobriu quem era o monstro verde.

No geral, foi um episódio legal, mas mostrou a fragilidade do enredo principal. Por hora, temos alguns suspeitos, mas ainda não é possível determinar quem é o assassino da história. A série tem me lembrado cada vez mais as histórias de Scoob Doo e sua turma, com gente comum se fantasiando para cometer crimes. Aposto que é uma das referências dos roteiristas…

Gerson Elesbão
Gerson Elesbão

Nem tão complicado demais, mas nem tão simples assim: quebra-galho, colunista e seriador. Dificilmente atualiza o Banco de Séries, mas adora gongar as séries amadas pelo público. @gersonelesbao
Deixe-nos um comentário!
  • Bruno

    Por mim, Denise Hemphill poderia ter um Spin-off como agente do FBI! Melhor personagem da série!

%d blogueiros gostam disto: