Posts Populares

Segunda Chamada – S01E07 – Episódio Sete

Depois da tempestade, a calmaria? Acho que não.

Depois de dois episódios frenéticos e que remexeram as vidas de Lucia, Eliete e Sonia, tivemos nessa semana um episódio que trouxe uma certa calmaria e um espaço para cada uma dessas personagens compreenderem a situação onde estão.

Começando pela maravilhosa Eliete que após conseguir tirar lágrimas de mim na semana passada com a história do morador de rua Sílvio, se viu nessa semana mergulhada em um mundo de preconceitos quando uma presidiaria em regime semi-aberto começa a frequentar a escola. Um típico caso de preconceito ocorre quando Joelma começa a fofocar com as amigas sobre os motivos de uma presidiaria estar na escola, ela fica ainda com mais receios quando vê que a mulher usa uma tornozeleira eletrônica.

No intervalo, Joelma começa uma briga por achar que Verônica pegou seu celular, uma verdadeira confusão começa e Eliete interveem, no momento seguinte Eliete não resiste em uma oportunidade começa a mexer na bolsa de Verônica, que depois em uma cena emblemática despeja todo conteúdo de sua bolsa na frente da professora. Os momentos seguintes, disso mostram um breve momento de reflexão da professora Eliete que faz um discurso na frente de sua sala, sobre respeito, sobre empatia, sobre segundas oportunidades de certa forma onde Alice assume que estava com o celular de Joelma por acidente e pede desculpas a Verônica. O interessante foi que o pedido de desculpas de Joelma não rolou, apenas o AUGE neh?

Eu achei um debate bem emblemático, principalmente quando a presidiria pergunta a Eliete sobre ela não estar curiosa para saber o porque que ela foi presa e Eliete diz que não, que para ela o que importa é o que ocorre dali pra frente. Achei uma cena bem bonita, mas mostrou a problemática que todos nos teríamos ao se deparar com uma situação assim, de julgar o próximo e virar o dedo apontando alguém no primeiro episódio onde algo estranho acontecesse, fica a reflexão.

Se Eliete, enfrentou essa batalha vimos Sonia numa sinuca de bico, quando um aluno é acusado por portar drogas tarja preta e quando ela sabe que na verdade o verdadeiro autor da venda é outro. No mesmo momento, Sonia passa por um momento complicado quando se depara com seu filho sendo o autor de agressões a outros estudantes, repetindo as atitudes do pai dele. A situação evolui quando Wallace começa a ser acusado pelo diretor e num momento de desespero Sonia confessa tudo a Marco André.

A atitude de Marco André de proteger Sonia e o estudante falsamente acusado foi linda, ele consegue intervir e fala que foi ele mesmo que estava comprando as mercadorias ilegais. Jaci age, chamando Jiraya para depor, e Jiraya fala que Sonia é a maior compradora naquela escola. Jaci ameaça expulsar Sonia de certa forma, mas ela pede por uma segunda chance que ele lhe da. O mais lindo dessa história toda foi ver uma pequena esperança para Sonia que vem comendo o pão que o diabo amassou, ela finalmente cede e cai num beijão com Marco André que continua mais tarde no carro dele. Será que veremos uma mudança dessa situação precária que Sonia vive? Eu espero que SIM, ela merece muito mais.

A terceira e última linha do episódio envolveu Lúcia que novamente se depara com o luto, novamente de alguém em sua vida que morreu na porta da escola. Lúcia se sente extremamente culpada pelo óbito de Maicon, e começa o episódio de forma triste e estranha na busca pela última redação de Maicon, após uma leitura digna de vencer um Emmy Internacional, Lúcia decide fazer algo pela família de Maicon.

No meio do processo de chegar até lá, Lucia ainda se deparou com a escola com grades, cerca elétrica e cadeados, se deparou com um Jaci ácido e que a deixou ainda pior e por fim, mesmo após confessar a Jaci que ela deixou Maicon fugir, não encontrou as palavras que ela esperava. Sua atitude a tudo isso, foi entrar na favela, ir a casa da esposa de Maicon, lhe entregar sua última redação e por fim se oferecer para ajudar em algo, ficando agarrada a criança no final e não a querendo soltar. No fim, por intermédio de Jaci ela deixa a criança com ele, mas Lúcia está cega e não consegue enxergar que ela precisa de ajuda, uma ajuda que a escola, os alunos e Jaci não podem lhe dar naquele momento.

O episódio foi bem menos frenético que os anteriores, mas acho que era necessário dar um momento de respiro, um momento para se colocar tudo no lugar. E vocês queridos leitores o que acharam deste episódio?

gostou da matéria? deixe um comentário!

Lindomar Albuquerque

A indie/gótica do @PanelaDeSéries! Paulista, canceriano, 27 anos de dores na coluna, faço Doutorado em Biotecnologia e vivendo pelo mundo. Me chama para beber @ e vamos falar de série, falar de Imagine Dragons e Lana Del Rey, falar de signos, falar de ciência e xingar os fascistas.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries