Posts Populares

The Flash – S05E11 – Seeing Red

E teve aquele dia, muito louco, que o Cicada fez com a Nora aquilo que o Bane fez com o Batman.

The Flash tá sofrendo daquele mal que as séries da dupla Netflix/Marvel sofre: muitos episódios. Nas duas primeiras temporadas, isso não foi um problema, inclusive era ruim quando as temporadas acabavam. Mas aí nas últimas, tá sendo um não-tão leve tormento. Não só pela forma como tão alongando histórias e tramas que podiam ser resolvidas em metade do tempo, mas principalmente pela forma como abordam os vilões do Velocista Escarlate. A Galeria de Vilões (assim mesmo, com letra maiúscula) é algo incrível, com uma infinitude de personagens para serem explorados. Aí, o que a série faz? Utiliza um grande vilão por temporada e desperdiça outros em episódios da semana. E isso vem irritando muitos dos fãs da série.

Mas enfim, o episódio da semana. Não teve muita coisa acontecendo, pra variar, mas coisas importantes aconteceram. O Cicada voltou depois do sumiço e conseguiu uma lista de meta-humanos que até pararam de cometer crimes e tão tentando recomeçar a vida. E o que ele faz com quem ele encontra? Exato.

E com os satélites do S.T.A.R. Labs a pleno vapor, eles conseguem encontrar os traços de matéria escura que levam até o Cicada. Killer Frost, Flash, XS e Homem-Elástico vão atrás do vilão e num primeiro momento, como sempre, até parece que as coisas vão funcionar. Mas aí a adaga faz sua função, todo mundo fica meio atordoado e o Cicada quebra a coluna da Nora. De um jeito bem pesado, bem cru. Ele podia ter derrotado todo mundo ali? Podia. Mas a Killer Frost é um trunfo eterno e ele decide fugir. E aí que o episódio começa a ficar interessante.

O Barry se descobriu pai recentemente. E, com essa descoberta, diversas coisas, diversos sentimentos, vieram junto. E esse amor quase que infinito pela filha foi um dos principais. Aí surge um vilão que ele não consegue derrotar e que paralisou a filha dele. Tudo que ele sente nesse momento é raiva (inclusive isso explica o nome do episódio, já que ele enxergava tudo vermelho por causa da raiva) e ele quer descontar isso, o mais rápido possível. E, dessa vez, a ideia não é só derrotar o vilão. A vontade dele é ir além.

Já que essa lista existe, graças ao policial Jonesy, aquele que foi controlado pela meta do celular, a polícia e o Team Flash precisam fazer algo pra resolver essa situação. O jeito encontrado é envolver os federais e colocar os metas numa lista de proteção pra testemunhas, mudando identidades e tudo o mais, impedindo que o Cicada encontre eles. Todos os metas da lista conseguiram ser salvos, graças ao Ralph e ao meta com o poder mais inútil de todos, aquele da cobra dentro do olho. Colocar isso fora de ordem da história, no meio do texto, nem é exatamente um spoiler, já que nem foi algo tão imprevisível assim.

Na treta muito louca que rola entre a Caitlin e a Killer Frost, a “vilã” começou a entender que não existe uma sem a outra e que, por isso, a cura não vai ser utilizada pela cientista. Elas são uma só e as duas reconhecem isso e prezam pela existência da contra parte. E depois de uma birra inicial de ficar atrapalhando os cálculos das mais diversas formas, a Nevasca até ajuda a pesquisa da Cait, pegando o sangue do Cicada, que era exatamente o necessário pra avançar na descoberta da cura (provavelmente é assim que vão resolver a temporada? Talvez. Mas a moral é torcer pra eles não serem tão óbvios).

Aí teve também a luta do Barry com o Cicada. Dessa vez, a Killer Frost conseguiu segurar a adaga e permitir que o Flash lutasse contra o vilão. E ele tá descontando toda a raiva, toda a dor, todo o medo que tem dentro dele. E ele não vai parar, inclusive tá lá, canalizando energia suficiente pra criar três relâmpagos. Mas é o retorno da filha, que finalmente conseguiu voltar a andar, que acalma ele, que impede que ele mate o vilão. O Cicada foge no meio disso tudo? Sim. Mas vamos comemorar as pequenas vitórias né.

Ah, no meio disso tudo, o Sherloque bateu na barreira materna da Iris, que basicamente obrigou que ele parasse de investigar a Nora. A gente sabe que não vai dar em nada, mas ela fez o que deveria. E, numa cena muito boa, ele descobriu que existe outra pessoa por trás do caderno e daquela escrita temporal. Tudo bom, Thawne?

gostou da matéria? deixe um comentário!

Rafael Augusto

Um hiperativo que não sabe viver sem ler, escrever, ouvir música, ver séries e filmes, geralmente tudo ao mesmo tempo. Fã de ficção científica, suspense, Stephen King e histórias em quadrinhos.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries • Hosted by flaunt.nu