Posts Populares

The Four Brasil – S01E07 – Repescagem

Tivemos tudo para ser o melhor episódio de The Four Brasil. Mas o que aconteceu aqui foi uma alteração do formato que comprometeu tudo, escolhas apelativas demais por um lado e escolhas sem o menor sentido do outro.

Olá minha gente! Começando mais uma review de The Four Brasil. E hoje é o episódio que eu mais esperava na temporada inteira que é o Comeback Challenge, vulgo repescagem, mas aqui na review vou chamar de comeback por questão de costume kkk.

Na última semana foi anunciado que teríamos de fato a repescagem, mas diferente do formato americano, apenas os participantes que conseguiram lugar na cadeira terão direito a repescagem. Fora os Original Four que são Stanya, Manso, Bruna e Erik, também podiam disputar uma vaga na repescagem Arthur, Victor, Kacá, Rully, Tay e Santaella também tinham direito a participar. Tudo isso aconteceu numa votação que foi aberta após o programa de semana passada e durava até ás 13h do outro dia.

Quase todos os envolvidos fizeram campanha em suas redes sociais. Erik, Manso, Tay e Santaella fizeram live logo após o programa para pedirem votos, já Rully , Arthur e Stanya optou por pedir em seu stories sem fazer live também após o programa. Kacá foi fazer sua campanha as 3 da manhã e por último, e não menos importante, tivemos Bruna Oliver, que me chocou bastante, não fez nenhuma campanha em seu instagran para voltar a competição.

Foi feita uma live para encerrar a votação e deixar em “aberto” quem voltava a competição. E aqui vamos ao primeiro erro desse comeback. Como fazem um episódio de repescagem com uma limitação de participantes. Quando saiu essa condição do comeback eu fiquei triste pois queria ver Quinara e Nano voltando também, inclusive queria muito Nano ganhando a batalha de semana passada, Léo estaria certo na repescagem.

Enfim, com 10 participantes disponíveis para o comeback, uma não fez campanha e incluindo o fato de Stanya e Tay praticamente juntarem torcida e fazerem campanha uma para outra mais o Kacá começando a fazer sua campanha atrasado, ficou meio óbvio quem voltava né.

E depois desse longo recap, vamos a review. Quem comenta comigo essa semana é Mizael e Davi.

Os candidatos começaram o programa cantando o hino Stronger (What Doesn’t Kill You) da Kelly Clarkson, vocalmente foi uma das melhores aberturas, arrisco dizer que foi melhor até que o terceiro episódio, mas em relação a presença chega me deu tédio, destaque aqui vai para Vivian, eu amei ela liderando os vocais na parte alta e tudo mais.

APRESENTAÇÃO DO THE FOUR – Stronger (What Doesn’t Kill You) 

Os pareamentos das batalhas dos participantes que foram repescados eram feitos pela produção, nada mais justo até. E o primeiro Comeback Challenge é entre Rully vs Victor, meu coração até doeu quando vi esse pareamento. Gosto muito dos dois e por mim seriam facilmente os finalistas.

 

DESAFIO REPESCAGEM: Rully x Victor Filgueira

Victor Filgueira – Crazy in Love by Beyonce

Valber: Essa apresentação teve apenas um erro que foi durar muito. Victor aqui soube dosar todo o ar misterioso que a versão da música pede, teve explosão no fim, amei o agudo. Mas senti que a apresentação ficou massante, se reduzisse um pouco mais eu gritava hino.

Mizael:  Não queria esses dois se enfrentando agora. Os dois mereciam desafiar um dos finalistas e os dois são melhores que a Nega, por exemplo. Victor detonou demais, cantou com força, com atitude e cantou muito bem. Já reclamei dos exageros dele, mas aqui acho que ele poderia ter se entregado e se  desesperado um pouco mais no final, essa versão pede isso. Saldo bastante positivo. Gostei demais!

Davi: Ai gente, não curti esse arranjo não. Eu entendi a proposta, mas achei mal executado. Os primeiros segundos foram interessantes, mas chegou um ponto que estava bem entediante. Acho que ele tinha que chegar com algo bem mais impactante. Tudo foi muito básico nessa apresentação.

 

 

Rully – “Umbrella” by Rihanna

* A Record não disponibilizou o vídeo separado por apresentação

Valber: Quando vi a música que ela ia cantar eu fiquei me perguntando “Pra que essa música!?”. Passei toda a performance esperando um grande momento que não veio. E apesar de a escolha musical não a favorecer e não a destacar, ela foi bem.

Mizael: Que escolha de música inusitada! Acho que ela se sairia melhor em várias outras músicas, mas ela me surpreendeu aqui. Rully tem uma voz muito bonita e pesada, mas que tem um certo brilho  e surpreendentemente a música também funcionou na voz da mesma e ela deu show! Rully canta como se estivesse lutando pela sua vida e é um pacote completo: Tem identidade, uma voz incrível e muito carisma. Vai buscar tua cadeira!

Davi: AAAAAAAAA minha fav lindaaaaaaa! Rully sempre foi um das minhas preferidas e fiquei arrasado quando ela saiu. O timbre dela é maravilhoso. Eu não esperava essa música para ela, mas eu curti. Ela também usou um arranjo diferente, mas não tanto. Continuou bem divertida e engajante.

 

E assim terminou o primeiro Comeback Challenge, com as duas performances os jurados escolhiam quem deveria passar e enfrentar um dos The Four. Nessa batalha os dois não estavam 100% e eu gostei mais de Victor. Mas vamos combinar uma coisa aqui, Rully era a favorita da temporada e desde que foi falado sobre a repescagem ela se tornou um nome favorito. E assim por decisão dos jurados Rully vence o Comeback Challenge. Rully não pipocou e escolheu batalhar com Nêga, sendo essa uma das batalhas mais esperadas da temporada.

 

Antes de falar da batalha de fato, eu me sinto na obrigação de falar da maior alteração que pra mim alterou e muito o andamento do episódio que foi o desafiante cantar primeiro que o membro The Four. A temporada inteira foi membro The Four primeiro e logo depois o desafiante. O que isso altera de fato? Nesse caso Rully poderia fazer a performance da vida dela, que Nêga que se apresenta logo depois já teria uma certa noção do que fazer para ganhar de Rully. E não, não falo especificamente dessa batalha mas de todas que envolveram comeback challengers vs Membros The Four. Conforme for rolando a review vocês vão entender o porque.

DESAFIO: RULLY VS NÊGA

 

Rully – “Como Nossos Pais” by Elis Regina

 

Valber – Assim que ela começou a cantar ela foi tão bem, eu fiquei tão empolgado, que por um momento eu achei que fosse realmente a melhor batalha da noite. No momento em que a música cresceu eu já fiquei um pouco em dúvida, os drives nos grandes momentos, os vocais no momento em que entrou a banda na verdade eu não gostei muito. Queria que a performance fosse inteira no piano e vocal, ela seria maravilhosa.

Mizael – Me arrepiei do começo ao fim. Rully deu um show, desde a escolha da música até essa interpretação maravilhosa. E ela não fez mais do mesmo, ela cantou em português e mostrou uma região diferente da voz. Foi bonito demais. Não vou dizer que Nega não tem talento, pois seria mentira, mas Rully se saiu muito melhor e merecia a sua cadeira de volta!

Davi – Socorro!!!!! Geeeeeeente, eu amo essa música e amo Rully. Fiquei emocionado do começo ao fim, o timbre dela ficou perfeito na música. Que escolha musical maravilhosa!!! Quando ela segurou aquela nota no final, eu gritei horrores. Rully é definitivamente uma das melhores desse programa. Tem consistência, tem voz e tem presença. Ela é o pacote completo pra mim. Incrível.

 

 

 

Nêga – “Envolvidão” by Rael

 

* A Record não disponibilizou o vídeo separado por apresentação

 

Valber – Foi como eu disse, com Rully cantando primeiro, Nêga apenas tinha que fazer aquilo que chamasse a atenção do público. Nêga sentou na cadeira de novo, afrontou de novo. Resumindo fez tudo o que fez de novo na terceira semana e a platéia amou. Eu, sinceramente achei bem ok, foi bem “vou apelar para vencer”. Se Nêga tivesse feito o que fez na semana passada eu gritava hino, mas pra uma semifinal achei pouco.

Mizael – Nega tem muita presença de palco e uma voz agradável, mas é limitada e se escora na atitude. Rully também tem muita atitude, mas seu ponto forte é a voz. Não consegui entender a decisão da plateia, mas já estou acostumado com as injustiças nesses programas. No fim Nega fez uma boa performance, mas sem nenhum diferencial (fora a atitude). E eu ouvi notas graves não sendo alcançadas, ela respirando errado em alguns momentos e um deslize no final? Ouvi sim!

Davi – A presença de Nega aqui é muito importante pra mim. Ela traz a música brasileira para esse programa, onde quase todas as apresentações são de músicas internacionais. Mas é isto. A apresentação dela foi ótima, mas não me chocou, até porque eu esperava justamente isso dela. Agora, isso é uma competição musical! E é inegável, pra mim, o poder e a consistência de Rully. Então, não acho justo que Nega passe.

 

 

E então o que acharam da batalha. Nesse caso eu acredito que a ordem das apresentações influenciou no resultado sim e também acredito que Rully estava mais preparada que Nêga para a final. A platéia decidia a segunda batalha e quem venceu, com uma boa vantagem foi Nêga, sendo a primeira finalista do The Four Brasil.

 

Nêga vence e se torna finalista do The Four Brasil

Logo após a primeira batalha vamos ao segundo Comeback Challenge que será entre Erik vs Arthur. Erik é Original Four e perdeu na segunda semana pelo Léo que manteve a cadeira até hoje. Já Arhur ganhou de Bruna, que era Original Four na primeira semana. E na semana seguinte ele perde para Victor Filgueira.

 

DESAFIO REPESCAGEM: ARTHUR OLLIVER x ERIK MORAES

 

Arthur Olliver – “The Way You Make Me Feel” by Michael Jackson

Valber: quando vi essa performance eu confesso que não fiquei muito surpreso. Arthur tem algo na presença que o torna meio um funboy, os vocais hoje estavam ok. No geral foi legal a apresentação mas não é algo que me agradou de fato e que veria numa batalha com um membro The four.

Mizael: Arthur nunca me agradou muito, mas o início foi muito bom. Depois que começou a colocar português no meio ele se cagou todo, fiquei com vergonha. Se ele agora iria cantar para o Brasil, por que continuou cantando em inglês? E antes ela estava cantando para quem? E essa nota alta também não foi nada agradável!  

Davi:  Sempre achei o Arthur muito interessante, desde a voz dele até a forma que ele se apresentava. Hoje,”eu achei uma escolha bem certeira. A música estava muito na zona de conforto dele e ficou muito agradável de assistir. Ele estava se divertindo no palco e isso, acredito eu, torna muito mais fácil uma conexão com o público. Em geral, eu gostei. 

 

Erik Moraes – “Always” by Bon Jovi

Valber: O cara voltou com a música certa. Ele reconheceu que o erro foi a escolha errada da música e mostrou que aprendeu como se faz. Gostei bastante.

Mizael: Acho o timbre do Eric um pouco forçado. O começo não me agradou e no primeiro refrão parecia que tava no começo. Depois ele finalmente entrou nos trilhos. O final foi realmente muito bom. Acho que ele poderia entregar algo bem melhor, mas foi o suficiente para ganhar esse embate.

Davi: Genteeee, a música começou e eu já estava no chão. Esse começo grave foi muito bom. Ele estava extremamente conectado com a canção e isso deixou o número ainda mais bonito. Houveram alguns momentos em que a banda estava muito alta, principlamemte no refrão, então ficou difícil entender algumas frases. Contudo, ele soube aproveitar as melhores partes da voz dele e isso me surpreendeu. O saldo foi muito positivo pra mim. 

 

DESAFIO: LEO MAHUAD VS ERIK MORAES

 

Erik Moraes  – “Volta Pra Mim” by Roupa Nova

Valber: Poxa Erik, você prometeu. Eu fico bem triste ver que ele não vai voltar de novo por uma escolha de música errada. Aqui pareceu bem mais uma música que ele queria muito cantar do que algo que se ele cantasse seria certo dele voltar. Não vou mentir, queria muito ver ele cantando Malta ou um rock nacional um pouco mais melódico. 

Mizael: Gente, essa música é brega demais. Que escolha musical terrível e que além disso não combina em nada com o Erik. Estava tudo fora do lugar, parecia que ele estava cantando no karaokê uma música no tom inadequado e pela primeira vez. Não consegui gostar de nada.  Já era quase impossível Erik tomar a cadeira do Léo e depois dessa performance ficou impossível.

Davi: Música muito bonita, mas talvez não seja a melhor para uma fase tão importante e complicada. A voz dele é legal, ele tem um boa articulação no palco, o que acabou resultando em um performance boa, mas nada muito surpreendente.

 

LEO MAHUAD – “O Tempo Não Para” by Cazuza

Valber: Em um dia em que Erik escolhe uma música que não o favorece, de novo e Léo, como sempre, se mostrando um dos mais sensatos em relação a escolha musical. Isso porque eu vejo essa música como música a ser cantada numa final de reality show. E por ser uma batalha que o grande público esperava o Léo soube trazer a música certa, provocou Erik e ainda levantou o público.

Mizael: É assim que se escolhe música e é assim que se defende uma cadeira. O Léo não me agradava muito no início, mas ele se mostrou muito talentoso e defendeu essa cadeira com toda sua força, talento e humildade. Foi massa demais. Léo se entregou de verdade e deu um  show de garra, de atitude e de emoção, mas o maior show foi com a voz mesmo!  

Davi: Meu Deus, você quer pisão???? Gente, toda semana esse menino foi desafiado e subestimado. Olha onde ele chegou, olha o que ele proporcionou. Apresentação impecável. Dos vocais à presença, tudo foi incrível aqui. A música também é excelente. Me arrepiei a apresentação inteira. Um finalista extremamente merecedor. 

 

Léo Mahuad vence e se torna o segundo finalista do The Four Brasil

 

Stanya – “Killing Me Softly” by Fugees

Valber: Me chocou um pouco ver Stanya com essa música, mas, como disse no início da temporada, Stanya tem um tom de voz muito único e não seria qualquer música que combinaria com ela. Quando estava só o instrumental eu estava amando, mas, assim como, Rully com Umbrella quando entrou a batida da música todo o momento que ela criou no início da apresentação com uma voz praticamente de criança se foi.

Mizael: Primeiramente você nem deveria está aqui (o Kacá merecia muito mais que ela). Gente, eu estava ouvindo essa música agora a pouco e justamente a versão da Zhavia que é maravilhosa. O timbre da Stanya não me agrada nem um pouco. Quem curte o timbre dela deve ter gostado, o que não é o meu caso. Achei uma versão muito fraquinha, fiquei até sem palavras.

Davi: Então, a música é boa, mas eu já estou enjoado dessa música. Todo reality alguém canta! A apresentação foi básica, ousou alguns momentos mas nada demais. O timbre dela me incomoda um pouco, as vezes ele acaba ficando estridente. Em suma, não curti muito não, esperava mais. 

 

 

Tay – “Try” by Pink

Valber: Eu não entendo o hype da Tay. Hoje ela se mostrou mais forte, mais presente e dinâmica vocalmente, mas apenas isso. Na real queria Kacá no lugar dela.

Mizael: Amo essa música e nunca imaginaria Thay a cantando. “Try” combinou demais com a voz dela. Embora Thay não tenha tanto alcance e tenha desafinado um pouco no segundo refrão, eu acho que ela deu um show e deu conta da música sim. Sua derrota foi injusta demais. Mas levando em conta o mercado brasileiro, onde cantoras com  timbre irritante e com voz limitada fazem sucesso, eu entendo o resultado.

Davi: Outra fav do meu coração. Quando vi a música, achei que seria hit, mas acabou ficando meio “meh”. O começo da música ficou muito bom, a voz dela estava no ponto. Mas quando a música chegou no refrão e nas partes altas, ela ficou meio desconfortável, parecia um pouco fora do tom. Eu acho que um música mais calma podia favorecer mais o timbre lindo dela. Maaaas como é fav, vou passar pano e dizer que foi hino. 

 

 

DESAFIO: VIVIAN LEMOS VS STANYA

 

 Stanya  – “Ginga” by Iza

Valber: Por essa escolha eu também não esperava, mas aqui ela foi muito bem até. Mas o destaque aqui não foi somente na voz e presença de palco de Stanya e sim para o deboche e Vivian. A todo o momento em que Stanya a afrontava, Vivian respondia a altura debochando, gesticulando durante a performance dela, o que simplesmente eu amei.

Mizael: Thay ainda teria alguma chance, Stania não. Não foi terrível, mas a voz não é boa. Foi a melhor apresentação de Stania e não percebi erros, mas não gostei.

Davi: Querida, você nem devia estar aqui. Essa batalha era da Tay! Mas já que está aqui, vamos lá. A voz dela conseguiu me irritar mais ainda nessa música, mas até que compensou com a ousadia. Ela deu nome à música. Contudo, nada realmente digno de uma semifinalista. 

 

 

Vivian Lemos – “Hello” by Adele

Valber: No momento em que eu vi que ela ia cantar Adele e logo uma das mais difíceis que é Hello, eu sabia que aqui não tem meio termo, ou eu ia gostar muito ou odiar. Eu simplesmente amei, gostei de todas as variações que ela deu a música. Mandou muito bem.

Mizael: Derrubou tudo, gente. É assim que se batalha. Vivian apostou todas as suas fixas e venceu. Na semana passada Vivian exagerou um pouco e deslizou em algumas notas, mas hoje foi quase perfeito. Acho que ela se inspirou um pouco na versão do James Graham, mas deu seu toque e não acho que foi melhor, mas ela fez algo ainda mais difícil, pois alcançou praticamente as mesmas notas sem recorrer ao falsete. Foi demais!

Davi: Meu Deus , o massacre!!!! Não vou mentir, estranhei de começo o arranjo da música. Mas chegou em um ponto, onde eu estava tão fascinado com potencial vocal dela que eu nem me importava mais com o arranjo. Vivian é uma força da natureza, ela é destruidora. Que apresentação poderosa! A marca de uma competidora que está li para vencer!

 

Vivian Lemos vence e se torna a terceira finalista do The Four Brasil

 

DESAFIO REPESCAGEM: SANTAELLA VS MANSO

 

 Santaella – “Me dê Motivo” by Tim Maia

 

Valber: Eu só tenho uma palavra pra definir essa performance: INJUSTIÇADA!! Eu discordo completamente do que os jurados disseram sobre a apresentação e a escolha da música. Ele cantou muito bem, amei os agudos aqui, o novo arranjo que me lembrou Higher Ground e dava pra perceber claramente que ele seguiria esse nesse estilo de arranjo de tão bem e confortável que estava.

Mizael: Esse cara é demais. Mas acho que ele errou aqui. O tom tava alto demais. Ele alcançou as notas? Sim, mas a voz dele não brilha nessa região e ele passou zero de emoção. Esse arranjo não combinou nada com a música, foi o grande vilão e na minha opinião a banda não merece palmas e sim um puxão de orelha. Eles mais erraram do que acertaram durante a temporada.  Queria ver o Santaela batalhando pela cadeira novamente, mas no fim não faz diferença já que a cadeira do Ivan nunca vão conseguir tirar.

Davi: Ai gente, eu esperava tanto desse batalha. Além de ser pessoal, ambos os candidatos já fizeram ótimas apresentações, mas no final achei bem morna. Santanella trouxe uma música bem chata, na minha opinião. Muito fraca para essa fase, o que gerou uma apresentação abaixo de esperado. O falsete no final foi até legal, mas não foi suficiente. 

 

 

Manso – “Tente Outra Vez” by Cazuza

Valber: Então Manso, apelação card aqui é meio complicado. Seria muito interessante ver essa apresentação na batalha com o Ivan, faria mais sentido porque entraria todo num contexto do The Four, mas no geral eu gostei muito de Manso e também curti ver ele voltando com essa música.

Mizael: Não curto muito o Manso, mas o cara detonou na escolha da música. Ele deveria ter cantado com um arranjo mais lento, que permitisse mostrar mais a voz e passar mais emoção. No fim acho que ele foi melhor que o Santaela, mas acho que foi só pela escolha da música mesmo.

Davi: Sempre achei que Manso era um dos candidatos mais fortes ao prêmio e fiquei chocado com sua eliminação. Hoje, eu também esperava uma abordagem diferente dele. Eu acho que uma música que mostrasse mais de sua voz singular. Enfim, eu até gostei da apresentação, nada muito surpreendente mas dentro do padrão de qualidade. 

 

 

DESAFIO: MANSO VS IVAN LIMA

 

Manso – “Iris” by Goo Goo Dolls

Valber: Eu AMO essa música e o que Manso fez aqui foi super correto, bem intimista , mostrou fortes vocais e conexão com o público

Mizael: Essa é uma das minhas músicas favoritas e vou ser bem crítico. Na parte inicial Manso deixou a desejar pois sua voz nessa região tão grave não tem peso e acho que ele não alcançou todas as notas. Na parte alta ele deu conta e atingiu várias notas legais, mas não me empolgou muito. Acho que foi uma boa performance, mas não gostei haha

Davi: Nossa, essa música é muito lindaaaaa. Fiquei feliz que Manso tenha escolhido uma música assim. Dessa vez, eu consigo apreciar mais a voz dele. Foi bem consistente vocalmente. Alguns problemas de dicção, mas nada que realmente atrapalhou a conexão do público com ele. 

 

Ivan Lima – “Bohemian Rhaspody” by Queen

Valber: Essa é outra música que amo, mas a apelação aqui foi forte viu? Ivan praticamente fez a performance da vida ao cantar essa música e foi bem escolher ela e entregou tudo que a música pedia.

Mizael: Essa música é incrível e muito difícil, seria minha escolha caso eu fizesse audição para algum programa musical hahaha.  Quando se trata de “Bohemian Rhapsody” só existem duas possibilidades:  Desastre ou glória e nem preciso dizer qual foi o caso do Ivan.  A voz do cara é bonita demais, além dele ter um alcance fantástico.  Hoje ele mostrou até certa vulnerabilidade, o que na minha opinião o deixou ainda mais forte na competição. Apresentação sem defeitos. Ivan é o vencedor do The Four Brasil, gente. Entreguem esse prêmio para ele.

Davi: Gente, eu estou impactado com esse homem. Ele é muito talentoso!! E muito corajoso, porque cantar pra cantar uma música dessas… Incrível! Pisou muito! Ele imposta a voz muito bem, além de arrasar nos vocais. E a afronta de mandar o Manso vazar?! Ivan foi magnífico nessa apresentação! 

 

 

Ivan vence e se torna o quarto finalista do The Four Brasil

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS 

E assim foi a semifinal do The Four Brasil, todos os desafiados venceram suas batalhas e se tornaram finalistas. Não vou tirar o mérito dos participantes que são finalistas porque eles souberam escolher muito bem a música que iam batalhar, fora a ajuda do formato de deixar eles performarem depois do repescado e por ultimo e não menos importante, a péssima escolha musical dos desafiantes na batalha com um The Four.

 

Na real quem eu queria ver passando pela batalha da repescagem era Victor, Erik, Stanya e Santaella. E diante desse cenário, considerando que seriam as mesmas batalhas por ordem de performance, eu queria ver na final Victor, Vivian, Ivan e Erik. 

 

Na próxima semana teremos a final que será ao vivo e quem decide as batalhas é o público de casa!

 

Beijos e até a próxima gente



gostou da matéria? deixe um comentário!

Autor

Valber

19 anos, atrapalhado, distraído e começando agora (Não tem paciência, a saída e logo alí). Aqui comentarei todo tipo de reality musical em especial The X Factor, The Voice e Superstar. E como diz uma grande pensadora atual "Quem não gostar do que eu falo, me dá um tiro na cara!"

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries