Posts Populares

The Handmaid’s Tale – S02E03 – Baggage

“Nenhuma mãe é, totalmente, o ideal que um filho tem do que uma mãe deve ser.”

Queria pedir licença para fazer uma review diferente dessa vez. Nesse episódio conhecemos Holly Maddox, mãe de June. Holly era uma mulher ativista, que levava sua filha para protestos quando ela ainda era nova, que teve a sua vida voltada para a luta pelos direitos das mulheres. Vemos a pequena June, com os olhos brilhando, vendo a mãe reunida com outras mulheres, gritando palavras de ordem, queimando os nomes de seus abusadores. Não nos espanta que June seja tão lúcida quando se trata desses assuntos e do seu posicionamento diante do novo governo. Anos antes deles tomarem o poder, Holly já sabia o que estava para acontecer, pena que June só percebeu que ela estava certa tarde demais.

Holly queria mais para June, talvez mais do que ela mesma queria para si. Um trabalho que exigisse mais, uma vida que fosse mais. Provavelmente esperava que a filha fosse mais como ela, que também lutasse, que fosse ativa, que buscasse sempre um mundo melhor. E quando a viu se “acomodar” num emprego comum, que não exigia todo o seu potencial, que não lhe dava a chance de ser a grande mulher que Holly sempre sonhou, ela sentiu como se todos os sacrifícios que ela fez, não estivessem sendo recompensados.

Já June tem aquela pequena mágoa de não se sentir a coisa mais importante da vida de sua mãe, talvez não da forma como ela veja Hannah. Ela, provavelmente, queria ter a mãe mais por perto, contente com as suas conquistas, que celebrasse o seu emprego, a sua promoção e o seu casamento, não questionando todas as suas escolhas. Quando June disse que iria se casar com Luke, Holly foi contra. Não porque não gostava do futuro genro, mas porque não queria que a vida da filha fosse condicionada a de um homem sendo ela tão nova. Isso deve tê-la atingido de uma forma muito dolorosa, pois June estava muito apaixonada e muito animada. Então imagina ouvir da própria mãe que ela não acha aquele casamento uma boa ideia, que ela muito jovem. Mães tentem a espelhar suas vidas, seus sonhos e desejos em seus filhos, não por maldade, mas porque eles querem o melhor e sempre pensam que o melhor é o que acham que seja. Talvez seja por isso que Holly queria mais de June, porque ela via o potencial da filha e não o queria desperdiçado. Porque ela criou uma filha para ser forte, para ser feminista, para lutar. E o mundo estava mudando, ela queria impedir e queria que a filha estivesse ao seu lado. Naquele momento June não entendeu isso, pode ter demorado anos, mas ela entendeu em algum momento, talvez enquanto fugia com um bebê em seu ventre e tendo que deixar sua outra filha para trás.

June entende, enfim, que nenhuma mãe será tudo o que um filho deseja quando ela tem que escolher, basicamente, entre ela mesma e Hannah, e escolhe continuar, deixando a filha para trás. Talvez Holly nunca tenha atendido todas as suas expectativas como filha, mas nenhuma mãe nunca conseguirá isso. Mães são pessoas como todas as outras, com vontades e desejos, com erros e acertos. Talvez Holly fizesse algo diferente se tivesse a chance. Talvez June entendesse a mãe se tivesse mais tempo com ela. Talvez elas tivessem sido mandadas juntas para as colônias se tivessem seguido as ideias de Holly, teriam vivido seus últimos dias catando lixo tóxico, mas juntas. Talvez Holly estivesse em Gilead se tivesse uma vida parecida com a da filha. São muitos talvez, mas nada disso muda qualquer coisa. Cada uma seguiu sua vida fazendo aquilo que acreditava ser melhor para si mesma. O que realmente importa é que elas eram felizes. Que elas se amavam. June perdoa Holly porque tudo. Espera que Holly a perdoa também. Assim como Hannah.

Criar filhos é um trabalho mais complexo do que se imagina. Ajudar uma pessoa a moldar o seu caráter é uma enorme responsabilidade. Tenha sempre em mente que a sua mãe está fazendo o seu melhor.

gostou da matéria? deixe um comentário!

Thais Pereira

Feminista, leonina com ascendente em gêmeos e lua em virgem, viciada em memes, em Friends e problematizar na internet. Formada em História da Arte, mas consciente que nunca vai trabalhar com isso na vida. Normalmente eu escrevo e falo mais do que deveria. Eu mesma, Thais Mello.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries