Posts Populares

The Voice AU – S07E05 – The Blind Auditions 05

George vs Kelly …

Antes de tudo, olá querido leitores, eu finalmente faço minha estréia nessa temporada do TVAUS, minha franquia favorita do programa <3. Uma pena que achei que justamente no meu episódio de estréia, o episódio teve mais polêmica do que qualidade, considerando os participantes. Como tem acontecido nas temporadas passadas, todo ano temos uma treta diferente acontecida, não sei se é algo armado pela produção, porém sabemos bem que o George não é nada fácil e até mesmo no TVUK arranjou uma briga com a fofa Paloma Faith. Mas vamos deixar para falar melhor sobre isso no fim da review.

Apesar de ser a sétima temporada já, podemos dizer que o TVAU tem provado que ainda tem muito gás. Temos muitos nomes interessantes já aprovados, além do Dj do episódio anterior que tem dado o que falar e gerado bastante curiosidade quanto ao que podemos esperar dele. Outra coisa que preciso falar é do excesso de ‘4 chairs‘, nessa temporada está tão fácil eles quatro virarem que nem tem mais emoção o candidato virar todas as cadeiras. Como já antecipei acima, esse quinto episódio não teve nenhum act de muito destaque ou possível frontrruner, entretanto julgando por maravilhosas como Fasika, Tash e outras undergrounds, alguns dos aprovados podem até vim a surpreender futuramente. O comentário extra desse quinto dia de Blind Audition, ficará por conta do nosso leitor e meu colega pessoal, Doug.

[TEAM GEORGE] Chrislyn Hamilton – “(You Make Me Feel Like) A Natural Woman” by Aretha Franklin

Michel: Começamos até bem esse episódio, a Chrislyn tem uma voz poderosa e foi muito bem boa parte da música, porém quando chegou a parte mais alta da canção achei que existiram muitos exageros e faltou bastante controle, aliás alguns trechos soaram extremamente gritantes, bateu até a vontade de colocar no mudo. Acredito que por conta da sua emoção e vontade de entrar no programa quis mostrar demais e acabou pecando pelo exagero, mas nada que um bom coach não possa trabalhar com ela, porque como disse uma bela voz e poderosa ela tem. A escolha de coach dela achei super sensata e particularmente só conseguia enxergá-la mesmo no team George.

Doug: Cara, que potência, que poder, que voz. Essa mulher representou muito bem essa música, não fez grandes mudanças, mas mesmo assim conseguiu mostrar a sua voz, seu poder. Gostei que ela tem um bom controle pra alcançar notas mais agudas, apesar de ter dado umas pequenas semitonadas, mas nada que interferisse na beleza da sua performance. Eu geralmente gosto de candidatos assim é gostaria de ver ela mais pra frente. Só espero que não fique com músicas “datadas” e o povo enjoe rápido dela.

[TEAM JOE] Liv Bevan – “Goodbye Yellow Brick Road” by Elton John

Michel: Eu amo timbre diferentes, porém a Liv me deixou muito confuso com sua performance. Gostei de algumas coisas em sua performance, porém outras nem tanto. Inegável que ela tem um belo timbre e escolheu uma bela song, achei que por conta de seu evidente nervosismo sua voz algumas vezes soaram bem trêmulas e alguns melismas não soaram tão legais. No geral, posso dizer que o início da performance eu amei forte, porém do refrão em diante eu confesso que não me cativaram tanto, achei que nas notas mais agudas da canção ela acabou escorrendo um pouco na afinação. Porém no final das contas, acho que ela acertou mais que errou e mereceu a chance dada no programa.

Doug: Aaaaaaaaa que mocinha maravilhosaaaaa!!! Eu amei demais, sua voz combinou muito com a música. Me lembrou um pouco da versão da Sara Bareilles que eu acho incrível demais. Voltando a Liv, ela entregou a emoção certa, estava tão imersa na música é me fez sentir cada palavra, cada nota de uma forma singular. Me incomodou um pouco o começo que às vezes ficava meio baixo, mas nada que tirasse a beleza dessa performance, a qual teve um crescimento muito bom até o final, com ela utilizando aquele lindo falsete no final.

[ELIMINADOS] Shikye Smith – “I Wanna Dance With Somebody” by Whitney Houston, Rachel Costanzo – “Your Song” by Rita Ora e Abel Firew – “Sun Comes Up” by Rudimental ft. James Arthur

Michel: Os combados desse episódio dentre o pouco que mostraram dos três, a Shikye acabou apostando alto cantando Whitney e pelo pouco exibido acabou pecando muito afinação, a Rachel sinceramente não vi muitos erros que possam ter atrapalhado sua performance, mas também foi uma performance sem muito destaque. Por fim eu até gostei do Abel, o pouco que ouvir dele eu gostei bastante, não entendi por que não viraram a cadeira pra ele, mas sinceramente não parece que fará muita falta não.

[ELIMINADO] Jordi Davis – “Cake By The Ocean” by DNCE

Michel: Olha muita coragem cantar a música de um dos coaches, dou maior valor, porém para o Jordi ficou apenas na coragem mesmo, porque faltou muito para convencer que foi decente. Ele já entrou na música no tom errado e a medida que a música foi crescendo, ele foi se perdendo ainda mais, os falsetes soaram horríveis. Não gostei nem um pouco da audição dele, infelizmente sua audição foi um desastre e sinceramente não vi nele muito potencial ou que tenha sido prejudicado pelo nervosismo, acredito que realmente falta mais preparação vocal para ele. Ao menos ele cantou com Joe e poder ir mais feliz pra casa.

Doug: Uma blind bem fraca, o cara chegou e tentou cantar a música de um coach, o que é uma puta de uma responsabilidade, mas infelizmente fracassou. Ele se perdeu nas notas, não teve a animação necessária. Acho que ele se concentrou demais em se alguém ia virar e não se entregou a música. Muitas vezes senti ele desafinar e os falsetes estavam baixos. Uma pena porque a voz dele parecia ser muito boa e acho que com as músicas certas ele poderia ir bem longe.

 

[TEAM DELTA] Oskar Proy – Asturias, Patria Querida (Traditional)

Michel: Surpreendentemente eu gostei muito dessa performance, ele arriscou bastante cantando uma canção espanhola tradicional, mas no final das contas ficou uma performance muito fofa e ele ainda conseguiu mostrar que é dono de um vozeirão, amei muito o grave dele e nos agudos ele também não ficou a desejar. Ele é muito novinho, fiquei muito curioso pra ouvi-lo cantar uma música mais contemporânea e vejo nele muito potencial, de longe o meu favorito desse episódio e o que sentir uma vibe que pode vim a surpreender muito nas fases seguintes, tomara!

Doug: Gente eu tô apaixonado, pqp, que menino lindo hahah. Bem, além dele ser lindo ele fez uma blind linda. Adoro quando os cantores se conectam com as músicas e mostram mais do que apenas uma linda voz, e ele fez isso aqui, ele mostrou emoção, me arrepiou. Sem contar a voz linda que ele tem. Ele é um dos acts que quero muito ver mais pra frente, saber o que ele vai cantar e ter várias surpresas, pois acho que ele vai avançar muito haha.

[TEAM KELLY] Seanny Millar – “If You Could Only See” by Tonic

Michel: Sério que a Kelly vai querer nos enviar um roqueiro genérico apulso novamente? Achei Seanny tão genérico e sem diferencial quanto o sem sal do Spencer da temporada passada. A performance dele foi bem sem graça, faltou mais personalidade na música e vocais mais versáteis. Foi tudo muito karaokê, achei que ninguém iria virar para ele, até que Kelly fez esse ‘favor’. Até aceito ela levá-lo para ser cordeirinho no seu forte time, mas não perdoo duas vezes se levar mais um roqueiro sem sal.

Doug: Eu não sou muito fã de acts Rockers masculinos, mas esse ano alguns estão me conquistando, e o Sean (apelido carinhoso haha) é um deles. Ele tem aquela agressividade na voz, mas que ficou super bem nessa música mais suave. Ele soube escolher uma música boa e soube trabalhar bem em cima dela, e subiu no palco mostrando que não estava pra brincadeira virando uma cadeira. Acho que com o trabalho certo ele pode avançar muito.

[ELIMINADA] Jordynne Emmett – “Scared To Be Lonely” by Martin Garrix & Dua Lipa

Michel: Que timbre lindo dessa garota, uma pena que ela ainda não sabe usá-lo da melhor forma. A forma que ela emite algumas notas soam um pouco desafinadas, não sei se é o nervosismo ou se é por conta de algum vício na sua forma de cantar, aliás sentir uma grande diferença entre sua voz na extensão média e alta, o que me fez ficar na dúvida se o seu timbre não seria um pouco forçado. Gostei muito das dicas que a Kelly deu pra ela, pontualmente ela falou justamente da sua emissão das notas nos finais das frases, algo que me incomodou bastante, seguindo bem essa dica acho que Jordynne e conhecendo melhor o seu timbre, numa próxima temporada pode facilmente virar uma cadeira.

Doug: Eu amei a voz dessa menina e fiquei hyper triste pelos coaches não terem virado. Eu percebi que eles gostaram dela, ela tem um timbre lindo, foi bem no decorrer da música, mas não mostrou nenhum diferencial na performance. Ela ficou numa mesma linha e não teve crescimento que pudesse fazer algum dos coaches virar. Eu particularmente viraria pelo timbre, mas pensando pelo outro lado eu ainda hesitaria. Ain, tô um misto de emoções com essa blind hahahah

 

[TEAM KELLY] Ricky Nifo – “I Can’t Make You Love Me” by Bonnie Raitt

Michel: Essa música é um hino, sou extremamente apaixonado por ela e por conta disso acabo exigindo bastante de quem ousa cantá-la. A interpretação do Ricky passa bem longe de ser uma das minhas preferidas, sentir falta de mais emoção na sua performance, soou um pouco linear a falta de notas mais ousadas. Achei que ele optou em mostrar um lado mais suave e intimista, porém uma música como essa acho que pede uma interpretação que nos deixe com aquela sensação de desespero e dor. Apesar disso, tenho que dizer que ele é um ótimo cantor e representa muito bem o estio R&B/Soul, sendo assim é uma ótima adição nessa temporada.

Doug: Uma das coisas que mais amo nesses realities é ver pessoas cantando as músicas que amo, claro que algumas vezes a pessoa está abaixo das expectativas fazendo uma versão ruim, mas esse não foi o caso do Ricky, não mesmo, o cara mandou super bem. Sua voz é meio comum, mas ele soube trabalhar de uma forma tão linda a música que pra mim ela se tornou única naquele momento. Achei justíssimo ele ser 4 chairs. Me arrepiei a cada nota a cada palavra, pois ele soube passar de uma forma incrível a emoção dessa música. Tá aí um candidato forte a eu pegar amor, se ele continuar cantado dessa forma haha

Explicando um pouco a briga entre George e Kelly, foi justamente quando ambos brigavam pelo candidato Ricky. George como sempre, as vezes pega um pouco pesado em seus comentários ácidos para conseguir os participantes, mas Kelly não deixou barato e respondeu à altura e o ironizou se referindo a ele como ‘o cara de chapéu’, depois disso foram várias trocas de farpas e o George com seu ego ferido, completamente desnecessário, passou horas falando do seu currículo e de quem já tinha cantado com ele. No fim ela bem que tentou um abraço, mas George não aceitou e mostrou certa mágoa, até porque no fim de tudo ela quem levou o candidato. Armado ou não, o episódio acabou sendo mais atrativo pela briga do que pelos acts, uma pena porque não gosto muito quando focam mais nos coaches que acts e espero que não prolonguem muito nessas briguinhas como a produção já fez em  temporadas anteriores.

 —— COMO OS TIMES FICARAM  ——

#TEAMBOY:  Sheldon Riley, Chang Po Ching, Rene Le Feuvre, Luke Anthony e Chrislyn Hamilton.

O George tem sofrido bastante para conseguir bons nomes ao seu time, nesse episódio apesar de ser uma cantora poderosa, não sei se a Chrislyn tem muito potencial para chegar longe. Até então Sheldon é de longe o frontrunner, até mesmo porque ele foi o dono da melhor audição da temporada até o momento.

#TEAMDELTA: Mikayla Jade, Jacinta Gulisano, Ben Clark, Tim Karkoswki e Oskar Proy.

Deltinha também nem tem tido muita sorte essa temporada, porém como no caso do George, acredito que Mikayla seja um act bem popular com o público, além de ter uma linda voz. Fez uma boa adição no seu time com o Oskar que promete surpreender nas próximas fases, já os demais do time eu não vejo ainda muito futuro na competição.

#TEAMJOE:  Aydan Calafiore, Homegrown, Jackson Parfitt, Pete McCredie, Sally Skelton, Josh Richards e Liv Bevan.

Joe é o rei dos novinhos, o time é quase todo composto por jovens talentosos. Minha favorita aqui é a Sally por já conhecer ela da temporada passada, mas vejo o trio e o Josh como bons nomes para seguirem longe na competição. A adição da Liv acredito que foi muito bem acertada e já prevejo uma battle entre ela e Sally. Até o momento esse é o time onde não desgosto de nenhum act em especial e vejo potencial em todos eles.

#TEAMKELLY: Erin Whetters, Jake Nicholls, Somer Smith, Madi Krstenvi, Bella Paige, Sam Perry, Seanny Millar e Ricky Nifo.

Olha Kelly tem reinado muito nessa temporada como favorita dos acts, no seu time eu amo a Bella que me impressionou com sua poderosa voz e o Sam que tem sido o grande fenômeno dessa temporada por conta do fator novidade. As duas adições de hoje não me empolgaram tanto, mas vejo o Ricky possivelmente passando para outras fases.

Portanto, aqui encerro mais uma review e até breve, até porque o TVAU não nos dá descanso haha. Até mais, abraços!

Para assistir e/ou baixar o episódio completo, CLIQUE AQUI.

gostou da matéria? deixe um comentário!

Michel Araujo

Meio baiano, meio sergipano, já passou dos 20 anos e um sofrido estudante de engenharia, com uma personalidade cheia de atitude e uma leve ousadia. Viciado em séries, realites e músicas, vai me encontrar sempre por aí escrevendo reviews, numa diversidade de gêneros de série e programas de TV.

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries