Posts Populares

UnReal – S04E01 – All In [SEASON PREMIERE]

E chegamos ao primeiro episódio da última temporada da nossa querida UnReal…

Como vocês já devem saber, infelizmente fomos bombardeados esses dias com o cancelamento de UnReal e a mudança de exibição da série, da Lifetime para o Hulu, isso mesmo, a mesma plataforma de streaming da impecável The Handmaid’s Tale. Isso não significa que a lifetime não vá exibir a última temporada da série, ela vai, porém quem tiver o Hulu terá a chance de assistir antes, assim como os eps acabam saíndo antes na web e já temos informações que as legendas serão postadas de semana em semana, então se você não é fluente em inglês, tem 8 semanas para sofrer com o fim da série, e vai ser assim que nós do Panela de Séries vamos postar as reviews, por semana.

Hoje quem está com vocês sou eu, Andy, e já estou SEDENTA para comentar todos as bombas do primeiro ep de uma das minhas séries favoritas, afinal ela fala sobre a área da profissão que eu escolhi que eu mais amo, produção de conteúdo para TV, como séries, novelas, reality shows, entre outros. Então vocês já devem estar imaginando como estou sofrendo </3

Fomos apresentados de inicio a “The New Rachel” (referências, saudades glee!), com luzes, aparentemente mais segura, destemida e sexy como nunca antes, num jantar com um carinha que nunca vimos e que também me pareceu meio sem sal, um personagem que pode vir a causar algo na série ou ser completamente irrelevante, eu acho que a opção dois é a mais provável. Obvio que o visual novo da Rachel chocou geral e principalmente a Quinn, que infelizmente voltou com o chato do Chat, quem aguenta essa forçação bicho?

Descobrimos que ao invés da Rachel ser a pretendente da temporada, como deixaram a entender no trailer da season, alguns dos participantes de outras temporadas voltaram para a All Stars Season, o que eu achei uma pena, já que estava muito interessado em ver como seria a Rachel de pretendente, além de que eles trouxeram participantes bem esquecíveis e uns muito irritantes, como August. Mas sem dúvidas o maior choque foi o primeiro desafio, com as mulheres sendo julgadas pelos pretendentes por sua aparência e como tudo isso foi ideia da Rachel, mas berrei com a Quinn amando tudo no final, e como se não pudesse piorar, as meninas que caíram no lago ainda tinham que brigar umas com as outras para conseguir um lugar no show. É pesado e sem graça, mas é sobre isso a crítica em UnReal e essa situação foi só uma especie de Tinder e vários outros aplicativos de relacionamento, exagerada, mas no final do dia todos julgam os outros pela aparência e isso é extremamente podre.

Tudo isso aconteceu sem que as garotas se quer soubessem o rosto dos meninos, o que é mais uma crítica maravilhosa colocada no episódio, mulheres sendo sexualizadas e julgadas por suas aparências e até mesmo brigando por um lugar, enquanto os homens ficam em posição de poder e superioridade, mesmo sem mostrar seus rostos.

Mas Rachel não parou por aí, uma das participantes que voltou foi a Maya, lá da season 1, uma das contestants da season 13 do Everlasting e que foi ESTUPRADA por um dos caras que voltou e nunca nem tinha participado do reality, mas óbvio que a Rachel viu uma ótima estratégia de marketing nisso e ainda expressou seu desejo em coloca-los juntos e trancados num quarto. Realmente minha Rachel feminista está morta!! Quando eu pensei que elas já tinham ido longe demais, elas me provam que tudo sempre pode piorar.

Uma das bombas de seasons anteriores que voltou foi o August, como eu disse antes, mas sinceramente eu não sei como tem gente que ainda é capaz de gostar desse nojo de homem, aquela cena dele com a Quinn no bar foi mais um dos momentos que eu fiquei revirando os olhos e com vontade de dar um soco na cara desse otário. O melhor que nossa Quinn King não deita para macho nenhum e foi maravilhoso vê-la mandando segurar o pinto logo depois dele manda-la segurar a vagina dela. Assim como foi incrivelmente gostoso ver ela dizendo ao novo personagem aquela frase:

“Ótimo, mais um homem tentando dizer o que eu quero” 

Quinn eu te venero!!

Pelo que percebemos, mais um dos problemas da Quinn nessa temporada será a Fiona, mas não da para negar que ela acabou causando isso de certa forma. Fiona é o tipo de personagem maravilhosa, que merece mais destaque e que grande parte do público pode odiá-la pelo simples fato dela ser uma mulher negra, segura, inteligente e não muito carismática. SPOILER: Todas as mulheres do cast principal de UnReal exceto Madison são assim. Ou seja, se você odiar a Fiona, é melhor odiar Rachel e Quinn também. Portanto, eu consigo achar Fiona tão badass quanto Quinn e Rachel, e amar ela igualmente, apesar de achar que ela merece mais aprofundamento.

O fato é que Quinn voltou com o Chato, saiu em longas férias e pouco se importou com o Everlasting, sendo assim, tanto Fiona, quanto Rachel tem motivos para estarem com o pezinho atrás com ela. Mas eu vejo essa cobrança de Fiona mais como um alerta por Quinn estar meio perdida por culpa do Chat e precisa acordar e voltar a ativa, a uma ameaça real. Mas precisamos de mais episódios para saber do que Fiona é capaz.

Foi na tentativa de impressionar Fiona que Quinn e Chat tiveram a PÉSSIMA ideia de trazer Alexi, isso mesmo, o famosinho problemático da season 3 e que colocou Jay em muitas roubadas, de volta, e com ele Bebe Rexha uma “famosa quem” que a Quinn inventou uma storyline louca que era uma grande fã do show, quando a garota é o completo contrário disso. Apesar de ser uma ideia sem pé nem cabeça criada por #Chinn para mostrarem produção, eles são muito talentosos no que fazem e perceberam que ambos eram personagens interessantíssimos para o programa. E sério gente, a menina de longe era IGUAL a Bebe, mas de perto elas são realmente diferentes.

Obviamente Jay e Rachel odiaram a ideia, Jay com muita razão, afinal Alexi deveria estar na rehab. O novo produtor, o qual eu ainda não decorei o nome, tentou usar a justificativa de que eles não tinham episódios a mais para incluir duas novas pessoas, então Quinn foi lá e eliminou dois participantes e ainda difamou ambos, deu pena, mas eu ri. Inclusive a garota eliminada foi a mesma que caiu no lago e lutou com as outras mulheres para conquistar uma vaga, coitada gente.

Uma das novas participantes que me agradaram muito foi Naomi, preciso dizer que posso estar completamente errado quanto ao nome dela, mas acredito que seja esse. Descobrimos que ela foi finalista da edição de um dos pretendentes e sofreu bastante com a rejeição da final, porém era extremamente amada pelo público por sua confiança aparente.

Ficou bem nítido como ela é um tanto obcecada pelo carinha e eu consigo ver isso como mais uma crítica colocada em UnReal. O desejo de uma pessoa negra em ser amada por uma branca para que assim ela sinta uma falsa segurança, obviamente isso não pode ser generalizado, mas infelizmente ainda acontece muito devido ao racismo estrutural, isso pode ser potencializado nesse caso da Naomi se você for trocado por uma mulher branca, como contou Beyoncé em “Sorry” do seu ultimo álbum solo “Lemonade”. Por enquanto não sabemos quem foi escolhida no lugar dela, mas todos sabemos que existe uma enorme possibilidade que tenha sido por uma mulher branca.

O que me deixou mais irritado, foi o novo produtor usar isso para deixar essa mulher ainda mais insegura e surtada, colocando uma mulher negra no esteriótipo que reality shows norte-americanos AMAM coloca-las, como uma pessoa raivosa, isso aconteceu recentemente em RuPaul’s Drag Race com The Vixen. Me deixou irritado, mas glorificado ao mesmo tempo, afinal é aí que está a crítica de UnReal a reality shows, isso foi genial e muito bem colocado no episódio.

Foi após assistirem uma das atividades do programa que Quinn e Rachel tiveram seu primeiro barraco da season no meio da sala de controle e na frente de todo mundo. Rachel acusou Quinn de ter abandonado ela e Quinn acusou Rachel de narcisista e que tudo ali tinha a ver com ela. Eu consigo concordar com as duas, realmente acho que Quinn vacilou ao deixar Rachel sozinha na produção do programa depois de ter prometido que elas fariam isso juntas, ainda mais pensando que ela fez isso para ficar com o Chat. Ao mesmo tempo que Quinn tem bastante razão ao falar do egoísmo da Rachel, pois ele é real.

Acho que Rachel sofre do que costumo chamar de “A Crise da Garota Branca Militante porém Narcisista”, que é aquela pessoa branca que adora militar e levantar bandeiras, falar que sente muita empatia por tudo e todos, mas na realidade tudo que ela se importa é seu próprio umbigo e ninguém pode sofrer mais que ela ou fazer algo sem pensar nela. Rachel te amo, mas isso é um mico e um dos seus maiores defeitos.

Então gente, fui pesquisar e o nome do moço é Tommy Castelli e já podemos dizer que ele é o par perfeito/imperfeito pra Rachel? Digo isso porque o talento de ambos para a mesma coisa é muito boa e a forma que eles conversaram e lerem um ao outro no caminhão foi UAU, até o cinismo dos dois é parecido.

Será que Tommy vai ser o cara certo pra Rachel ou será que ele vai ser mais uma destruição para ela? Difícil hein!

E temos mais dois casos perdidos, Jay e Alexi. Alexi parece viver em outro mundo, extremamente apático a tudo e continua achando que a vida é uma festa, sem um pingo de sensibilidade pelos sentimentos alheios. Enquanto o Jay sofre calado pelo amor reprimido que sente por Alexi, uma realidade que fica bem evidente desde a última temporada.

Toda essa situação me deixa bem triste, afinal o Jay é um dos meus personagens favoritos e ele só está caminhando pro fundo do poço, ao mesmo tempo que ninguém naquele espaço realmente se importa com ele e conversa com ele, é a tão pouco falada “solidão do homem gay negro”. E que de certa foi foi causada também por ele, afinal a única pessoa que de fato se importava e cuidava dele, ele afastou, lembram daquele namorado super fofo da season 3? E ainda descobrimos que ele continua usando cocaína e não é pouco não. Eu fico triste gente.

E ai Rachel e Quinn tiveram mais um embate, obvio que Quinn se preocupa com Rachel, acho que já deu para percebemos como a relação das duas é muito parecida com uma mãe-filha. Ambas tem gênios muito fortes e é isso que torna essa cena tão boa, o dialogo instaurado aqui. Rachel querendo provar a todo custo sua evolução e como ela é capaz de conseguir um amor, enquanto Quinn desacredita completamente disso, percebendo as atitudes de Rachel como blindagens para esconder seus reais sentimentos. E eu concordo muito que tudo isso seja uma capa criada por Rachel.

O ponto crucial da conversa é quando Quinn fala sobre a necessidade que Rachel tem de se sentir amada e ter um companheiro, e como é triste que ela se submeta a tanta merda para conseguir isso. No mesmo momento que Rachel aponta a Quinn que Chat não é o melhor exemplo de cara ideal e nem muito menos o cara certo para Quinn. Foi nesse momento que eu percebi que no final do dia ambas estão no lixo, uma louca para ser amada (como não se identificar? Somos bombardeados de “amor romântico” diariamente, o segredo do sucesso, segundo eles, é estar num relacionamento com um cara perfeito) e outra apaixonada ou fingindo estar apaixonada por um cara que não vale nem um pouco a pena. It’s all unreal.

Eu fico triste de ver UnReal ser cancelada, mas eu acho necessário que ela seja e é triste dizer isso. É uma das minhas séries favoritas e eu realmente amo ver como é a produção de um reality show, porém mesmo amando essas personagens é preciso reconhecer que elas estão num ciclo vicioso, Rachel e Quinn evoluíram da season 1 para a 2 e depois voltaram a estaca zero e esse episódio é a grande prova disso. Isso não significa que seja cansativo de ver, eu continuo amando, mas acho necessária a evolução de personagens em séries de tv ou fica parecendo que a história não anda.

Outra que tinha mostrado uma aparente evolução e nos provou que voltou a estaca zero, é Madison, foi só o Tommy fazer uns elogios bobos ao programa dela, claramente sabendo que isso iria conquista-la, que ela foi correndo até ele contar todos os podres dos bastidores. Não da pra te defender, Madison, parece que ela esqueceu tudo que aconteceu na última temporada. Mas esse interesse do Tommy na Rachel e nos podres envolvendo o Everlasting me fez pensar que ele pode ser alguém infiltrado ali em busca de alguma coisa, veremos. Mas é um fato que não da pra confiar nele, só a Madison não percebeu.

E a bomba de verdade foi deixada pro final, parece que temos um bebê a caminho. E preciso bater palmas para a atuação de Constance Zimmer, a mulher foi de uma expressão a outra em segundos, essa cena disse tantas coisas, é confuso pois conhecendo a Quinn eu não sei se ela ficou feliz e deu gargalhadas ou triste e deu gargalhadas por saber o absurdo que é engravidar do Chet, logo do Chet. Então precisamos de mais para saber e acredito que isso mude tudo, então vai ser interessante acompanhar.

É isso pessoal, UnReal voltou dinâmica, interessante, inteligente, cheia de atuações e críticas maravilhosas, com poucos erros que espero serem resolvidos no decorrer da quarta e última temporada. #ToSofrendo

Mil beijos em vocês e não esqueçam de comentar o que acharam que vou amar responde-los <3

 

gostou da matéria? deixe um comentário!

Autor

Andy

20 anos, pernambucano da peste, estudante de Radio, TV e Internet da UFPB. Sagitariano com asc e vênus em aquario, lua em câncer! Signo importa sim! Amante e consumidor massivo de cultura pop, além de problematizadora. Amém Rihanna, amém Katy Perry! Bjxxx de luxx

Tema por Gabriela Gomes Todos os direitos reservados ao Panela de Séries